Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Papa promete visitar Líbano e Sudão do Sul o mais rápido possível

Papa Francisco celebra a missa de véspera de Natal na Basílica de São Pedro, em 24 de dezembro de 2020, na Cidade do Vaticano, Vaticano. [Vatican Pool/Getty Images]
Papa Francisco celebra a missa de véspera de Natal na Basílica de São Pedro, em 24 de dezembro de 2020, na Cidade do Vaticano, Vaticano. [Vatican Pool/Getty Images]

O Papa Francisco prometeu, em suas mensagens de Natal na quinta-feira, que visitaria o Líbano e o Sudão do Sul assim que pudesse, informou a Reuters.

O Papa tradicionalmente menciona os países em sua mensagem do dia de Natal, mas ele destacou essas duas nações com mensagens de véspera de Natal por causa das dificuldades que cada uma enfrentou neste ano.

“Estou profundamente preocupado em ver o sofrimento e a angústia que minaram a resiliência e os recursos nativos da Terra dos Cedros”, disse Francisco, referindo-se ao Líbano, que tem lutado com uma profunda crise econômica e as consequências da explosão do Porto de Beirute em 4 de agosto, que matou cerca de 200 pessoas.

As famílias das vítimas ainda aguardam o resultado de uma investigação sobre a explosão de uma faixa destruída da capital.

Francisco expressou o seu afeto pelo amado povo libanês, o qual, disse, espera visitar o mais breve possível.

Ele disse esperar que o país possa “se destacar dos conflitos e tensões regionais”.

Ele deve visitar o Iraque de 5 a 8 de março de 2021.

LEIA: Papa Francisco faz apelo por coexistência ‘livre e forte’, após explosão em Beirute

Em uma mensagem separada escrita em conjunto com o arcebispo de Canterbury Justin Welby, que é o líder espiritual da comunhão anglicana mundial, e o moderador da Igreja da Escócia, Martin Fair, os três líderes da igreja se comprometeram a fazer uma viagem anteriormente adiada para a maioria cristã do Sudão do Sul, “quando as coisas voltam à normalidade”.

A mensagem foi dirigida aos líderes do Sudão do Sul, ex-adversários políticos que formaram um governo de unidade nacional em fevereiro, após anos da guerra civil que devastou a nação produtora de petróleo, mas pobre.

Um relatório da ONU deste mês informou que a implementação de vários pontos de um acordo de paz foram paralisados no país em setembro, quando as enchentes deslocaram centenas de milhares de pessoas.

Categorias
ÁfricaLíbanoNotíciaOriente MédioSudão do SulVaticano
Show Comments
Show Comments