Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Doença mental afeta um em cada três refugiados retidos nas ilhas gregas

Alguns dos migrantes irregulares continuam esperando na linha de fronteira entre a Turquia e a Grécia, em Edirne, Turquia, em 4 de março de 2020 [Hakan Mehmet Şahin / Agência Anadolu]
Alguns dos migrantes irregulares continuam esperando na linha de fronteira entre a Turquia e a Grécia, em Edirne, Turquia, em 4 de março de 2020 [Hakan Mehmet Şahin / Agência Anadolu]

Um novo relatório emitido pelo Comitê Internacional de Resgate (IRC) mostra como as políticas de migração da União Europeia (UE) levaram a uma crise de saúde mental entre milhares de requerentes de asilo presos nas ilhas gregas.

O comitê ressaltou que as causas desta crise de saúde mental são claras. Cinco anos após a criação de centros de acolhimento como o campo de Moria em Lesbos, cerca de 15.000 pessoas ainda estão presas na Grécia em condições de vida desumanas e muitas vezes perigosas, sem água, saneamento, abrigo e serviços vitais como saúde, educação ou assistência jurídica .

Novos dados publicados pelo Programa de Saúde Mental do IRC nas ilhas de Lesbos, Samos e Chios confirmaram o número alarmante de pessoas que sofrem de pensamentos suicidas e depressão desde 2018. Ele observou que uma em cada três pessoas estava pensando em suicídio e uma em cada cinco haviam tentado suicídio antes de chegar à Grécia ou durante sua estada nas ilhas.

O comitê revelou que desde o surgimento do coronavírus e após o primeiro bloqueio em março, o comitê de resgate testemunhou um aumento de 71 por cento no número de pessoas que sofrem de sofrimento psicológico, enquanto a proporção de pessoas que consideram a automutilação subiu para 66 por cento.

LEIA: Guarda Costeira turca resgata refugiados barrados no Mar Egeu pela Grécia

Categorias
Europa & RússiaGréciaNotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments