Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O cinema como narrativa de resistência

Entrevista com o documentarista palestino Bashar Hamdan
Bashar Hamdan [Foto arquivo pessoal]
Bashar Hamdan [Foto arquivo pessoal]

“O cinema palestino não é um luxo, mas um de seus métodos de resistência que visa criar uma narrativa que enfrente a narrativa do ocupante”, quem afirma é o diretor de documentários e produtor da rede Al-Jazeera, Bashar Hamdan.

O Monitor do Oriente Médio  já traduziu documentários que falam sobre a vida  e o sofrimento do povo palestino, incluindo contação de histórias e fotografia. No dia 3 de outubro,  será exibido o terceiro filme, intitulado Filhos dos Massacres.

Nesta entrevista ao Monitor do Oriente Médio, o documentarista fala sobre o papel do cinema na resistência.

Como cineasta palestino, qual a vantagem de traduzir esses filmes para novas línguas como o português? Qual é a necessidade de atingir novas sociedades, como a comunidade latina?

Independentemente de eu ser um diretor, é importante para mim, como palestino, que a mensagem de nossa causa alcance o mundo inteiro em todas as línguas possíveis. Há uma necessidade urgente de restabelecer a consideração da causa palestina, que perdeu o interesse devido às mudanças que ocorreram na região árabe e no mundo, que afetaram muito a causa e contribuíram para enfraquecer o apoio e a defesa.

Nesse contexto, vem à mente o que o falecido pintor palestino Ismail Shamout disse à sua esposa, a pintora Tamam Al-Akhal, quando pediu sua mão em casamento: “Você quer que sejamos duas asas de um pássaro chamado Palestina? ” Este desejo representa todos nós que trabalhamos pela Palestina. Queremos nos transformar em asas que levem a causa e a Palestina a espaços mais amplos e a novas sociedades.

Como diretor de um filme com legendas, você acha que uma sociedade como a América Latina precisa desse tipo de filme e qual o valor que seu filme pode trazer em particular?

Na minha opinião, somos nós que devemos despertar o interesse pelos nossos filmes sobre a Palestina, como parte do nosso esforço para transmitir a nossa mensagem. Aqui está o desafio de como convencer sociedades como a América Latina e outras da importância de nossos filmes e de nossa causa, e por que as pessoas deveriam vê-los e ignorar outros filmes que invadem o mundo e se impõem. Obviamente, as pessoas estão interessadas em filmes que representem seus problemas e preocupações Isso, claro, nos remete à importância do cinema e de sua presença como linguagem inclusiva que expressa o ser humano e transmite suas causas a todos, independentemente de onde estejam. Portanto, devemos estar atentos a essa linguagem e aprimorar sua escrita, dominando as ferramentas da indústria do cinema, seja ela ficção ou documentário, para que os espectadores de todas as raças, credos e línguas se sintam incluídos. E isso também os afeta, já que rejeitar a injustiça e buscar a justiça é um traço humano inquestionável, por isso devemos estar atentos para evidenciar a justiça de nossa causa em nossos filmes … a justiça que todos os seres humanos Eles buscam o seu direito à vida e resistem às múltiplas formas de injustiça, incluindo a ocupação. Talvez a importância de “A Fotógrafa” esteja no fato de tentarmos nos aproximar do povo palestino e mostrar um outro lado de Gaza, longe do discurso típico e direto sobre o bloqueio e a guerra, sem esquecer seu impacto na vida ali, porque o filme é uma história simples que conta o sonho de uma jovem que é jornalista ao mesmo tempo, e que busca ter o direito de viajar, circular livremente e que pode levar consigo as imagens e histórias de seus conhecidos e contar ao mundo sua história e a história deles ao mesmo tempo, além da política e suas complicações. Em suma, é uma história sobre o direito à vida. Espero que o filme encontre aceitação e admiração do público que o verá. O público é o mais capaz de avaliar o filme e determinar se ele transmitiu algo novo para eles.

LEIA: Pela cultura árabe e a causa Palestina. Entrevista com o presidente do Icarabe, Mohamed Habib

Você acha que precisamos de filmes voltados para novas comunidades, como falantes de português, especificamente o Brasil! Ou a universalidade dos filmes e sua tradução são suficientes para generalização?

Certamente, sempre há uma necessidade de novos filmes, visando novas sociedades, mas talvez abordando histórias sobre Palestina, relacionadas a eles. Há uma grande comunidade palestina na América Latina e no Brasil, e eles têm suas histórias que merecem ser contadas às sociedades em que vivem e ao mundo ao mesmo tempo. Na minha opinião, talvez não devamos separar os públicos-alvo, ou seja, para determinar a quem dirigimos nosso discurso, tanto quanto devemos fazer filmes que se dirijam a todos e tenham como objetivo influenciar a opinião pública em todos os lugares. O cinema palestino não é um luxo, mas é também um dos métodos de resistência que visa criar uma narrativa que enfrente a narrativa da ocupação, que, por meio de seu apoio a cinemas internacionais, tem conseguido explorar a perseguição aos judeus no mundo e torná-los presentes em muitos filmes, usando esses filmes para ganhar simpatia em favor da formação de um estado,  mesmo a custa das ruínas de outro povo. Ele conseguiu fazer da memória do Holocausto um acontecimento contínuo, não apenas por meio da imposição de leis que criminalizam aqueles que se envolvem em críticas ou ceticismo, mas também através do cinema. Talvez o exemplo mais revelador disso seja a “Lista de Schindler” de Stephen Spleberg, enquanto ainda estamos tentando mostrar a continuação da Nakba  até hoje e para arrancá-la do poço da memória para que não seja como se tivesse acontecido e acabado. Para isso também precisamos sempre de novos filmes que reforcem nossos direitos legítimos diante de todo o mundo, e condenem a ocupação em muitas fases críticas de nossa história, e talvez não haja nada melhor que um filme para realçar esses direitos e influenciar as pessoas, mexendo  com suas consciências. Como diz o diretor sueco Ingmar Bergman, “O cinema é como um sonho, como a música … não há arte que atravesse nossas consciências e vá  diretamente aos nossos sentimentos, e mergulhe profundamente nas salas escuras de nossas almas, da mesma forma que o cinema”.

Categorias
Ásia & AméricasBrasilEntrevistasIsraelOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments