Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Irã torturou manifestantes, denuncia Anistia Internacional

O Irã foi acusado de utilizar táticas de tortura para obter confissões de manifestantes contrários ao governo, em 2019

Nesta quarta-feira (2), a organização humanitária Anistia Internacional emitiu um relatório acusando o Irã de violações generalizadas contra direitos humanos, durante violenta repressão a protestos antigoverno, em 2019.

As informações são da agência Reuters.

O relatório inclui alegações de “estupro, desaparecimento forçado, tortura e outros maus tratos” contra cidadãos detidos por envolvimento nas manifestações populares que eclodiram em novembro de 2019.

Os protestos começaram devido ao aumento nos preços de combustíveis, mas transformaram-se em ato político, à medida que manifestantes por todo o país passaram a exigir a renúncia de oficiais de alto escalão.

“Os presos incluíam manifestantes pacíficos e testemunhas; entre os quais, crianças em idade escolar, com até 10 anos de idade”, reportou o relatório.

Forças de segurança utilizaram diversas técnicas contra os detidos, entre os quais “afogamento simulado, espancamento, açoitamento, choques elétricos, gás de pimenta contra genitais, violência sexual, execuções simuladas, arrancamento de unhas e confinamento solitário”.

Autoridades iranianas estimaram que aproximadamente 200.000 pessoas participaram dos protestos. O chefe do comitê de segurança do parlamento nacional declarou que ao menos 7.000 manifestantes foram presos, na ocasião.

LEIA: Legisladores do Irã lançam moção para banir todos os apps de mensagem estrangeiros

Categorias
IrãNotíciaOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments