Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O Iraque será o próximo a entrar no movimento da normalização com Israel?

O primeiro-ministro iraquiano, Mustafa al-Kadhimi, encontra-se com o presidente dos EUA Donald J. Trump na Casa Branca durante sua visita oficial a Washington, Estados Unidos, em 21 de agosto de 2020 [Primeiro-ministro iraquiano/ Divulgação/ Agência Anadolu] Primeiro-ministro iraquiano,
O primeiro-ministro iraquiano, Mustafa al-Kadhimi, encontra-se com o presidente dos EUA Donald J. Trump na Casa Branca durante sua visita oficial a Washington, Estados Unidos, em 21 de agosto de 2020 [Primeiro-ministro iraquiano/ Divulgação/ Agência Anadolu] Primeiro-ministro iraquiano,

Parece que o movimento de normalização que decolou recentemente de Abu Dhabi não está longe de passar por Bagdá. Apesar do quadro desolador no Iraque e dos conflitos regionais e internacionais que controlam muitos aspectos de sua própria situação, uma leitura cuidadosa dos detalhes pode nos levar a concluir que a normalização do Iraque com o estado de ocupação pode ser o próximo na linha.

O Iraque é o único país além de seus vizinhos imediatos que se envolveu em combates diretos com Israel, e talvez até mesmo o único estado cujos mísseis atingiram Tel Aviv, depois de mais de uma década de silêncio desde a assinatura de acordos de paz. Isso foi em 1991, quando o Iraque lançou seus mísseis de longo alcance contra o ocupante colonial. Acredito que essa foi a principal razão pela qual o governo foi posteriormente derrubado e o Iraque ocupado.

Os Emirados Árabes Unidos normalizam os laços com Israel - Charge [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

Os Emirados Árabes Unidos normalizam os laços com Israel – Charge [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

Mais importante do que as controvérsias do passado, no Iraque de hoje, liderado por partidos e forças político-religiosas leais ao Irã, uma campanha massiva contra Abu Dhabi foi lançada após seu acordo de normalização com Israel. Um parlamentar chegou a pedir que o nome do Hospital Sheikh Zayed fosse alterado por causa disso. No entanto, o primeiro-ministro iraquiano, Mustafa Al-Kadhimi, voltou de Washington após uma visita descrita nos EUA como bem-sucedida e declarou que as ações dos Emirados Árabes Unidos são uma questão interna na qual o Iraque não deve interferir. Fontes próximas a ele disseram que ele pode visitar os Emirados Árabes Unidos em breve, ignorando a condenação nacional e regional à decisão de normalização dos Emirados.

Para completar a cena, depois que Al-Kadhimi retornou dos EUA, Amã foi definida como sede de uma cúpula tripartite entre o líder iraquiano, o rei da Jordânia Abdullah II e o presidente egípcio Abdel Fattah Al-Sisi. Isso foi descrito como um prelúdio para a revelação do “Novo Levante”, um projeto que Al-Kadhimi anunciou em Washington. Este parece ser um projeto americano que foi apresentado anteriormente ao antecessor de Al-Kadhimi, Adel Abdul Mahdi, que participou de uma cúpula semelhante há cerca de um ano. No entanto, parece que ele não gostou do projeto ou, para ser mais preciso, o Irã não gostou, porque está ciente dos objetivos de qualquer rompimento árabe de seu muro de separação no Iraque.

LEIA: Somente estados árabes alinhados com o Irã se oporão ao sionismo

O “Novo Levante” incluiria os dois países árabes que normalizaram as relações com Israel antes de qualquer outro, Egito e Jordânia. O nome do projeto, que era desconhecido antes da declaração de Al-Kadhimi ao Washington Post, deixou muitas perguntas sem resposta, inclusive qual é a natureza da cooperação entre este trio árabe. E é realmente uma tentativa de restaurar as condições econômicas nos três países através da integração de diferentes carteiras ou de seus aspectos ocultos? Em qualquer caso, não podemos isolar esta cimeira do curso dos acontecimentos na região hoje, incluindo a normalização dos Emirados Árabes Unidos com Israel e a falta de qualquer objeção oficial ou condenação de Bagdá. Há também a visita de Al-Kadhimi a Washington, na qual ele teria recebido apoio americano que nenhum outro ex-oficial iraquiano recebeu, o que pode ter lhe permitido fazer mudanças na liderança das forças armadas. Isso já foi considerado uma linha vermelha devido à afiliação dos oficiais seniores com um partido ou outro.

A crença geral no Iraque, particularmente entre os cidadãos comuns, é que o estado de ocupação israelense é um usurpador e a normalização em qualquer forma não deveria acontecer. No entanto, isso por si só não será suficiente para impedir qualquer decisão sobre o processo, especialmente se houver promessas dos EUA de fornecer necessário o apoio ao governo de Al-Kadhimi para salvar o Iraque das garras de um ator não estatal representado por grupos armados e até forças políticas apoiados pelo Irã.

LEIA: Israel sai no lucro, com grande potencial econômico no pacto emiradense

Não será fácil para o Iraque normalizar as relações com Israel e, portanto, a mudança possivelmente será adiada. No entanto, não é impossível. é preciso lembrar que houve muitos relatórios no passado sobre visitas de parlamentares iraquianos a Israel, que eles negaram, é claro.

Hoje, o Iraque é uma arena aberta para o conflito entre os EUA e o Irã, onde interesses se sobrepõem, se cruzam e se entrelaçam. O desfecho deste conflito determinará, em grande medida, o rumo do Iraque, não apenas sobre se terá ou não relações com Israel, mas também sobre suas relações com os países árabes vizinhos, que parecem estar encorajando Bagdá a entrar no trem da normalização . A Arábia Saudita, que será o próximo destino estrangeiro de Al-Kadhimi em alguns dias, também pode empurrar o Iraque nessa direção, mesmo que ainda não tenha dado o passo sozinha.

Se os EUA realmente conseguirem conter a influência do Irã no Iraque, como afirmam, isso seria em troca da normalização com Israel. Goste ou não, as urnas são capazes de cooptar partidos a justificar tal traição.

Com o acordo, os Emirados Árabes Unidos abandonam a luta palestina - Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Com o acordo, os Emirados Árabes Unidos abandonam a luta palestina – Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEmirados Árabes UnidosEUAIraqueIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments