Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Grupo israelense de direitos humanos pede a Israel que pare as punições contra Gaza

Um grupo de jovens voluntários realiza trabalho de desinfecção durante a pandemia de coronavírus em Gaza em 29 de março de 2020 [Mustafa Hassona/ Anadolu Agência]
Um grupo de jovens voluntários realiza trabalho de desinfecção durante a pandemia de coronavírus em Gaza em 29 de março de 2020 [Mustafa Hassona/ Anadolu Agência]

Um grupo de direitos humanos israelense pediu na quinta-feira que as autoridades de ocupação israelenses parassem imediatamente com as medidas punitivas contra a Faixa de Gaza sitiada e permitissem a entrada de combustível, commodities e equipamentos essenciais necessários para combater a covid-19.

O Centro Legal para a Liberdade de Movimento (Gisha) confirmou que as autoridades em Gaza “estenderam o isolamento geral na faixa por 72 horas, terminando no domingo. O movimento entre os distritos de Gaza é proibido. ”

Em meio à difícil situação, Gisha anunciou que “apenas instalações médicas e serviços essenciais, como padarias e centros de distribuição de água, estão abertos. Escolas, empresas, mesquitas e instituições públicas estão todas fechadas. Os residentes foram instruídos a usar máscaras ao sair de casa para comprar itens essenciais. Kerem Shalom Crossing foi [parcialmente] reaberto. ”

Gisha afirmou que Israel continua sua punição injustificada. “Neste momento de grande alarme e incerteza, Israel continua a bloquear a entrada de combustível em Gaza, incluindo a usina, que foi fechada desde 18 de agosto”, revelou o grupo de direitos humanos.

A falta de eletricidade, conforme frisou, está colocando “sob risco hospitais, centros de quarentena, serviços de eliminação de resíduos, dessalinização e distribuição de água e tarefas domésticas básicas, incluindo refrigeração de bens, em um momento em que os moradores são obrigados a permanecer em suas casas.”

Enquanto isso, o grupo explicou que  “Israel também continua a impor um fechamento marítimo total, em vigor desde 16 de agosto, prejudicando uma importante fonte de alimentos e renda em Gaza. Desde 11 de agosto, também proibiu a entrada de materiais de construção. ”

Concluindo sua declaração, o grupo de direitos israelenses instou Israel a “reverter imediatamente suas medidas de punição coletiva e permitir o acesso a combustível, bens essenciais e tudo o que é necessário para proteger a segurança alimentar dos residentes de Gaza e permitir a atividade econômica na maior extensão possível nesse momento.”

LEIA: Gaza está em lockdown pelo covid-19, mas as bombas de Israel continuam a cair

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments