Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Podemos esperar tanto do novo presidente da Assembléia Geral da ONU?

O recém-eleito Presiderte da Assembléia Geral das Nações Unidas, Volkan Bozkir, posa para uma foto durante uma entrevista exclusiva em Istambul, Turquia, em 18 de junho de 2020. [Onur Çoban - Agência Anadolu]
O recém-eleito Presiderte da Assembléia Geral das Nações Unidas, Volkan Bozkir, posa para uma foto durante uma entrevista exclusiva em Istambul, Turquia, em 18 de junho de 2020. [Onur Çoban - Agência Anadolu]

O diplomata turco Volkan Bozkir foi eleito 75º presidente da Assembléia Geral da ONU na quarta-feira, informou o UN News. Bozkir foi o único candidato na votação secreta. Precisando de uma maioria simples para ser nomeado, ele recebeu 178 votos; 11 países se abstiveram.

Nascido em 1950, Bozkir estudou direito e é diplomata e político há mais de 45 anos. Entre seus papéis diplomáticos, ele foi primeiro-secretário da embaixada da Turquia em Bagdá, cônsul geral em Nova York, embaixador em Bucareste e representante permanente da Turquia na UE.

Além disso, ele ocupou altos cargos de consultoria na Turquia e, em 2011, foi eleito deputado. As funções parlamentares incluem a de pPresidente da Comissão de Relações Exteriores, presidente do Conselho Interparlamentar de Amizade Turquia-EUA e co-presidente do Fórum Cívico Turco-Russo.

Sua presidência da Assembléia Geral coincide com o 75º aniversário da organização. Em sua declaração de visão, Bozkir disse: “O 75º aniversário da ONU nos dá uma oportunidade única de renovar nosso compromisso com o multilateralismo e o papel central da ONU. Representarei a organização como um todo, levarei em consideração as opiniões e os interesses de todos os estados membros e os reconciliaremos da melhor maneira possível. ”A Turquia, é claro, abriga cerca de quatro milhões de refugiados de zonas de conflito vizinhas. No que diz respeito a Bozkir, a ONU é a plataforma mais importante para dar voz aos mais vulneráveis, nomeadamente refugiados, imigrantes e apátridas. Ele ressaltou que garantirá que a Assembléia Geral enfatize a ação humanitária em um mundo de crescentes desigualdades. “Me esforçarei especialmente para contribuir com os esforços da comunidade internacional e das iniciativas da ONU para garantir a prestação de assistência humanitária imparcial e sem impedimentos e o total respeito ao direito internacional humanitário em conflitos e crises”.

LEIA: Haia mantém inquérito sobre crimes de guerra de Israel, apesar dos acordos de Oslo

Os países que sofrem as consequências do racismo e do desrespeito em todo o mundo esperam que sua eleição fortaleça a solidariedade e a cooperação globais. “Acreditamos que, sob a liderança dele”, twittou a missão da China na ONU, “#UNGA fortalecerá a solidariedade e a cooperação, defenderá o multilateralismo e levará adiante os propósitos e princípios da Carta da ONU”.

Amplamente considerado como o país que inflige mais sofrimento e opressão a outras nações, no entanto, os EUA twittaram de sua embaixada na Turquia que esperam que Bozkir avance na “paz e prosperidade internacional”.

Após a eleição de Bozkir como Presidente da Assembléia Geral e cinco novos membros não permanentes do Conselho de Segurança da ONU, uma esperança semelhante foi expressa pelo Alto Representante da UE para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Josep Borrel. “Com essas eleições vem a responsabilidade”, disse ele. “A União Europeia espera trabalhar com todos para enfrentar os desafios globais nestes tempos incertos e apoiar a paz e a segurança internacionais.”

Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, segura um mapa enquanto fala na 74ª sessão da Assembléia Geral da ONU na sede da ONU em Nova York, Estados Unidos, em 24 de setembro de 2019. [Erçin Top - Anadolu Agency]

Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, segura um mapa enquanto fala na 74ª sessão da Assembléia Geral da ONU na sede da ONU em Nova York, Estados Unidos, em 24 de setembro de 2019. [Erçin Top – Anadolu Agency]

Recentemente, a Turquia forneceu muita ajuda humanitária e médica a estados que não conseguiam lidar com crises antes e durante a pandemia de Covid-19 em andamento. Mesmo alguns países mais ricos que sofrem com a escassez severa de equipamentos médicos essenciais tiveram motivos para agradecer ao governo do presidente Recep Tayyip Erdogan.

“Além de atender às necessidades de nosso próprio pessoal, fornecemos assistência médica a 125 países ao redor do mundo”, revelou Erdogan na semana passada. Uma resposta tão generosa à crise do coronavírus, que confundiu muitos países supostamente mais avançados, pode ser uma das razões pelas quais Bozkir, da Turquia, ganhou apoio quase absoluto na votação da Assembléia Geral nesta semana.

Essa foi certamente a essência da mensagem da Somália, que é um dos países que recebe regularmente ajuda turca. A Presidência da República Federal descreveu a eleição de Bozkir como “Uma liderança merecida devido ao alcance diplomático humanitário e fraternal da Turquia”.

O povo oprimido da Caxemira ocupada pelos indianos espera que o novo funcionário da ONU os ajude em sua luta por liberdade e justiça com base no histórico de seu país de estar ao lado das nações vulneráveis ​​e oprimidas do mundo. Ghulam Nabi Fai, secretário-geral do Fórum Mundial de Consciência da Caxemira, escreveu na quinta-feira: “Se as pessoas da … Caxemira tivessem a liberdade de expressar seus sentimentos, sem dúvida você teria ouvido sua voz alta se regozijando com o fato de o ilustre representante do país irmão – a Turquia – está presidindo este ano o parlamento das nações. ”

LEIA: Jerusalém à luz do direito internacional

Ele acrescentou que confiava em Bozkir para exercer sua “influência imensa no início de um processo de paz, o que levará a uma solução rápida, justa e honrosa da disputa e restaurará seus direitos inalienáveis ​​ao povo de Jammu e Caxemira”.

A comunidade internacional claramente confia muito em Bozkir e em seu país devido ao seu histórico em assuntos humanitários. O Alto Comissário da ONU para Refugiados Filippo Grandi parabenizou Bozkir, dizendo: “A Turquia é o maior país anfitrião de refugiados do mundo. Contamos com o seu conhecimento e experiência no ACNUR para manter os Estados focados nessa questão de maneira construtiva e com princípios”.

Se o mundo está convencido de que precisa de uma liderança sábia para salvá-lo de conflitos, racismo e hostilidade, parece que escolheu a pessoa certa para liderar a Assembléia Geral da ONU nos 12 meses a partir de setembro. Nomeado pelo ambicioso Presidente da Turquia, o país mais ético e útil em seus esforços para ajudar os outros sem procurar ganhos individuais ou políticos, Bozkir parece ser uma boa opção para o papel que lhe foi designado.

Além disso, sua eleição sugere que ainda existem pessoas em todo o mundo genuinamente interessadas em resolver as crises globais que afetam a todos nós. Devemos, portanto, ter toda a esperança e rezar para que Volkan Bozkir receba o apoio de que precisa para tornar a sessão do 75º aniversário da Assembléia Geral ainda mais bem-sucedida.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Ásia & AméricasEUAEuropa & RússiaIsraelONUOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaSlide GrandeTurquia
Show Comments
Show Comments