Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Nunca desistiremos do direito à nossa terra, insistem os refugiados palestinos

'A coisa mais importante que Israel deve saber é que não desistiremos de nossa terra natal. Não temos vida se não voltarmos ao que é nosso por direito'

Quando menino, Mahmoud Hussein fugiu de sua terra natal, a Palestina, como resultado direto da Guerra dos Seis Dias, em junho de 1967. Ele acabou se refugiando no Brasil. Ele tinha 13 anos na época.

Vindo da vila de Yalu, que foi ocupada por Israel durante a guerra, ele me contou o que aconteceu naquele dia fatídico. “Quando o exército israelense entrou na vila, fomos forçados a sair”, explica ele. “As pessoas estavam fugindo sem comida nem bebida. Minha mãe ficou gravemente ferida e morreu na nossa frente. Nós a enterramos perto de nossa casa. Que ela descanse em paz.”

Aquele menino tornou-se um empresário a 10.631 km de sua casa na Palestina. Sua história é uma das muitas que ilustram que os refugiados palestinos são exemplos vivos de paciência e, em muitos casos, sucesso. Nem o trauma de ficarem sem-teto nem a dor da perda os quebraram. Pelo contrário, os tornou mais fortes. “Nossa pátria”, insiste Hussein, “vive dentro de nós. Nunca desistiremos do nosso direito de primogenitura. ”

O destino de todo palestino é levar sua terra natal na diáspora. Exatamente 53 anos atrás, Israel apreendeu os demais territórios palestinos da Cisjordânia, Jerusalém Oriental e Faixa de Gaza. A Guerra dos Seis Dias foi um ponto de virada para toda a região, não apenas para os palestinos.

Dezenove anos após a Nakba de 1948 (Catástrofe) da criação do estado de Israel na Palestina, o estado sionista realizou uma segunda onda de expulsões de palestinos de sua terra natal. A Nakba resultaram em 750.000 palestinos sendo expulsos de suas casas; a Naksa de 1967 (revés) viu outros 420.000 serem forçados a sair. A conexão com sua terra é tão forte que, mesmo agora, décadas depois, os refugiados palestinos lutam muito para exercer seu legítimo direito de retornar. A luta foi passada ao longo das gerações, assim como as chaves de seus lares perdidos.

Para Hussein e outros palestinos, o sofrimento não acabou; as memórias ainda são dolorosas. Como ele se lembra daqueles dias em 1967, lágrimas vêm aos seus olhos. “Andamos por vales cheios de espinhos e nos perdemos. Minha avó de 98 anos estava conosco, e tivemos que carregá-la nas costas de vez em quando. ” Depois de quinze dias, Hussein e o resto de sua família que sobreviveram à ocupação de sua casa finalmente chegaram à Jordânia. “Lá, as coisas melhoraram de alguma forma. Meus tios moravam na Jordânia, então ficamos com eles por um ano e meio, até conseguirmos entrar em contato com meu pai que estava estudando no Brasil naquela época. Ele tinha uma bolsa para estudar agricultura com a ajuda do governo da Jordânia. ”

Milhões de palestinos ainda vivem no exílio da terra em que suas famílias viveram e cultivaram por gerações. A história mudou desde que chegaram aos países de acolhimento, onde pensavam que ficariam por algumas semanas ou meses, mas acabaram ficando a vida inteira. “Tudo aconteceu tão rápido”, diz Hussein, “e não podíamos carregar nada conosco. No entanto, no Brasil, começamos nosso negócio. ” A família abriu uma pequena loja a princípio; depois uma cadeia de lojas com mais de 200 trabalhadores.

Para os refugiados palestinos na diáspora, o sucesso econômico não significa nada, a menos que seja acompanhado pelo desenvolvimento social. “Agora que temos negócios bem-sucedidos, nosso dever é ter sucesso social e cultural, ensinando as novas gerações sobre nosso direito e desejo de retornar à Palestina”, ressalta Hussein. “Seja no próximo ano, ou daqui a 50 ou 100 anos, retornaremos à Palestina.”

A Resolução 194 da Assembléia Geral da ONU é explícita sobre o direito de retorno: “Os refugiados que desejam voltar para suas casas e viver em paz com seus vizinhos devem fazê-lo o mais cedo possível, e deve ser paga uma compensação pelos bens daqueles que optarem pela não devolução e por perda ou dano à propriedade que, de acordo com os princípios do direito internacional ou da eqüidade, deva ser compensada pelos governos ou autoridades responsáveis. ”

Israel, apesar das obrigações, se recusa a cumprir esta e outras resoluções e leis que regem o status dos refugiados que afirmam o direito palestino de retornar às suas casas e terras originais. Permitir que eles fizessem isso era uma condição para a participação de Israel na ONU; A condição foi ignorada pelo estado e pela organização internacional.

Toda geração de palestinos herda o desejo de liberdade. Os palestinos continuarão buscando uma paz justa que proporcionará às gerações futuras seu direito de nescimento; suas terras serão devolvidas, de um jeito ou de outro. Essa sempre foi a certeza no coração de nossos avós, e permanece conosco hoje. Não pode haver justiça nem paz sem resolver a situação dos refugiados de 1948 e 1967 e de todos os que foram desalojados pela ocupação colonial de Israel. Os palestinos querem paz, mas isso não pode acontecer enquanto a ocupação continuar e os palestinos tiverem seus direitos negados.

“Israel constantemente tenta manchar a reputação do povo palestino, e ainda somos pessoas persistentes e trabalhadoras”, conclui Mahmoud Hussein. “A coisa mais importante que Israel deve saber é que não desistiremos de nossa terra natal. Não temos vida se não voltarmos ao que é nosso por direito. ”

LEIA: Relembrando a Naksa

Categorias
Ásia & AméricasBrasilEntrevistasIsraelPalestinaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments