Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Médicos do Sudão ameaçam greve devido a ataques crescentes ao pessoal da saúde

Sudaneses buscam proteção contra o coronavírus e um centro de saúde em Cartum, Sudão, em 15 de março de 2020 [Faiz Abu Bakr/ ApaImages]

Médicos no Sudão ameaçaram fazer greve em protesto contra ataques repetidos a profissionais de saúde de plantão em hospitais,conforme um comunicado do Gabinete Unificado dos Médicos, da União Legítima dos Médicos e do Comitê de Especialistas e Consultores divulgado na quinta-feira.

Os médicos pediram que chefe do Conselho Soberano,  Abdel Fattah Al-Burhan, e o Primeiro Ministro, Abdalla Hamdok, protejam os médicos, promulguem legislação que garanta sua segurança e adotem medidas punitivas contra quem os atacar.

O documento estipulou prazo até este sábado à noite para as autoridades sudanesas atenderem suas demandas, ameaçando com a retirada coletiva dos médicos dos hospitais e início de greve.

“Se esta legislação não for promulgada agora, todos vocês terão as consequências”, acrescentaram os médicos em seu comunicado.

Essa escalada coincide com os temores locais e internacionais de um possível colapso do setor de saúde do Sudão em meio à disseminação do coronavírus, especialmente devido à escassez de equipamentos de proteção médica, o que levou vários integrantes das equipes médicas a contrair o vírus.

Os médicos se queixaram repetidamente sobre o aumento dos ataques contra eles durantes os plantões por parentes de pacientes ou pelo pessoal do exército.

LEIA: Políticas fracassadas são mais perigosas que o coronavírus

Categorias
ÁfricaNotíciaSudão
Show Comments
Show Comments