Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Restaurantes em Dubai tentam ser criativos no mercado adverso

Aviso colocado em um banco de restaurante de fast-food do McDonald's em Dubai, solicita em árabe e inglês que os clientes não se sentem, em respeito ao distanciamento social destinado a impedir a propagação do coronavírus [Giuseppe Cacace/ AFP via Getty Images]

Dirigir um restaurante em Dubai, onde uma clientela internacional exigente tem mais do que o dobro de opções de restaurantes por pessoa do que em Nova York, era um negócio difícil antes mesmo do ataque do coronavírus.

Agora, os restauradores estão tendo que se adaptar rapidamente, aprendendo a ganhar dinheiro entregando sua comida, um serviço novo para alguns e para outros mais familiar como ferramenta de marketing do que como uma linha lucrativa.

“O que essa epidemia fez é avançar a era digital dos pedidos em cinco anos”, disse Mohamad Ballout, CEO da Kitopi, com sede em Dubai, que administra cozinhas compartilhadas especificamente para entregas on-line.

O requintado restaurante peruano COYA, em que os garçons conduzem as entregas, decidiu que seu ceviche de peixe cru é muito frágil para ser retirado do local e transformou seu prato de guacamole, feito de abacate amassado, em um kit para os clientes fazerem em casa.

LEIA: Dubai transforma o edifício mais alto do mundo em caixa de caridade para coronavírus

“Você precisa revisar tudo … Chegando à entrega, tivemos que garantir que seja bem transportada … garantir a temperatura”, disse à Reuters o chefe de operações, Cedric Toussaint. O ponto mais difícil, segundo ele, foi combinar saúde e segurança.”

Depois de setembro, o COYA analisará se as entregas devem continuar.

Cerca de metade das unidades de alimentos e bebidas dos Emirados Árabes Unidos fecharam temporariamente, conforme estima a consultoria da indústria JLL e os dados de uma pesquisa que contribui para uma leitura preocupante.

O levantamento mostra que as receitas de entrega de alimentos nos Emirados Árabes Unidos caíram com o aumento das restrições impostas pelo surto de coronavírus, incluindo um bloqueio de 24 horas, iniciado em meados de março, em Dubai. A queda foi de 19% em relação a março do ano anterior e de 7% em fevereiro.

A receita de refeições caiu 16% em fevereiro e 52% em março, com restaurantes prevendo a apuração de uma queda de 76% em abril, apesar de Dubai ter permitido que eles reabrissem a 30% da capacidade a partir de 24 de abril.

As descobertas iniciais da JLL também mostram que Dubai, onde turistas e moradores comem fora várias vezes por semana, oferece cerca de duas vezes mais restaurantes por cabeça do que Nova York.

Muitos ex-clientes agora consideram a culinária caseira uma opção mais segura e podem continuar fazendo isso.

“Vai demorar um pouco até que as pessoas tenham confiança para entrar em um ambiente de jantar em grande escala”, disse Duncan Fraser-Smith, da consultoria Cutting Edge Hospitality.

Grupo de campanha focado em Dubai A Associação de Restaurantes do Oriente Médio solicitou ao governo apoio de longo prazo à indústria e pediu que agregadores de entrega, como Deliveroo e Zomato, reduzam as taxas de comissão.

“O perfil de recuperação da indústria de restaurantes deve ser muito mais lento do que outras indústrias”, disse Alexis Marcoux-Varvatsoulis, da JLL.

LEIA: Máscaras e checagem de temperatura serão o novo normal nas viagens aéreas, afirma CEO de Dubai

Enquanto isso, o Chatfood, uma plataforma que permite pedidos diretos de clientes sem comissão, registrou um aumento no número de assinantes, especialmente em restaurantes sofisticados, disse o co-fundador Ben Mouflard.

Entre os que fecharam, há um restaurante de comida árabe com três ramos, que atende trabalhadores de escritório e fumantes de shisha, atividade agora proibida.

“Encerramos a operação porque ela não seria lucrativa”, disse seu co-proprietário, recusando-se a ser identificado.

Seu negócio não foi bem-sucedido e a instalação de um serviço teria sido um investimento difícil em meio a uma forte concorrência, disse ele, acrescentando que ainda estava pagando funcionários, mas não sabia por quanto tempo.

Categorias
CoronavírusEmirados Árabes UnidosNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments