Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A história recente da Palestina contada em pôsteres de paisagens políticas

Exposição de pôsteres na galeria [Hareth Yousef]

O embaixador palestino Ali Kazak chegou à Austrália em 1970, no auge da atividade política e militar revolucionária palestina. Ele descobriu que a narrativa sionista era predominante na opinião pública, propagando um retrato tendencioso dos eventos que se desenrolavam na Palestina ocupada. Ele decidiu se esforçar para fornecer uma contranarrativa que refutasse as falsas alegações feitas pelos sionistas, e solicitou materiais e cartazes da Organização de Libertação da Palestina e dos departamentos de informação da Fatah. Ele começou a circulá-los na Austrália, bem como colecioná-los.

Depois de muitos anos na diáspora, a coleção de pôsteres de Kazak finalmente chegou à Palestina. Parte da coleção pode ser encontrada em uma exposição no Museu Palestino em Birzeit, com curadoria de Adele Jarrar. Chamado “Vislumbre de um bosque além”, o programa tem como objetivo delinear os vínculos entre as representações da paisagem e as circunstâncias históricas, através dos pôsteres políticos.

Tais cartazes ganharam destaque na Palestina entre meados da década de 1960 e o final da década de 1980 como um meio de motivar e mobilizar apoio político em movimento, na revolução nacional e em sua luta armada. Em 1965, sua proliferação foi reforçada pela Unidade Nacional de Artes e Cultura da OLP, liderada pelo artista Ismail Shammout.

ASSISTA: Israel comemora enquanto os palestinos sofrem com mais um ano de Nakba

A ideologia dos combatentes da liberdade palestinos na luta armada era principalmente nacionalista, socialista ou comunista de esquerda. Seu objetivo era derrotar o sionismo, recuperar a Palestina e estabelecê-la como um estado secular, democrático e não sectário.

“Essas ideologias e projetos então políticos foram interpretados como linguagem visual e sujeito, ou mesmo estavam contidos nas linhas curtas escritas nos pôsteres”, explica Adele Jarrar. “Essa época também testemunhou a recriação de uma identidade palestina, incluindo uma identidade visual que usava símbolos e temas característicos”.

Publicado pelo Movimento Nacional de Libertação da Palestina (Fateh) no aniversário da Batalha de al-Karama em 1977, este pôster apresenta uma obra de arte de Emile Men’em com uma legenda que diz: “Batalha de Al-Karama, a Primeira Vitória Palestina, a Primeira Derrota sionista. ” [Fateh]

Os temas incluíam a beleza das terras roubadas, a luta armada e os fedayeen, em memória do revolucionário Shaheed (mártir), a brutalidade do projeto colonial colonizador israelense e a situação dos refugiados palestinos. Os símbolos icônicos empregados incluíam o mapa da Palestina; a azeitona, romã e laranja; o keffiyeh e as roupas tradicionais palestinas; a chave (representando o retorno dos refugiados); armas; Bordado palestino; pássaros, especialmente a pomba; os fazendeiros; flores; e a anêmona. Cada um desses símbolos possui um valor sentimental especial na imaginação coletiva palestina e na herança cultural.

A decisão de se concentrar na paisagem surgiu por duas razões principais. A importância coletiva da terra para os palestinos colonizados, por exemplo, se deve à situação política. “Os palestinos tiveram acesso negado às suas terras porque foram expulsos para a diáspora ou porque ainda vivem em áreas diferentes da histórica Palestina, mas negaram entrar em outras”, conta Jarrar. “Hoje a identidade palestina contemporânea está sendo articulada em geografias fragmentadas.”

A outra razão é que a visão do Museu Palestino é construir suas próprias exposições. O show anterior foi “Terrenos Íntimos”, com curadoria de Tina Sherwell, que explorou a paisagem através de artistas palestinos e os temas de apagamento, fragmentação, distância e pertença, em um espectro de obras de arte.

LEIA: Uma garota de Gaza rompe com a ideia de que marcenaria é profissão masculina

O “vislumbre de um bosque além” é dividido em sete seções, classificadas de acordo com a iconografia: Liberação da Semeadura; Agência e Santidade; Devastação como paisagem; Manifestando a Palestina; Fida’i (combatente da liberdade); Flores e anêmonas; e Recuperando a laranja. Cada seção destaca métodos distintos nos quais símbolos ou tópicos foram empregados e esclarece sua relação com a paisagem. As sete seções têm 32 pôsteres no total.

O conceito de orientalismo, a geografia perdida ou a fantasia de uma Palestina que nunca existiu são aspectos-chave do programa. Aqui, as fotografias orientalistas originais são subvertidas para um novo uso. “O uso do orientalismo, por exemplo, como em um pôster no Dia da Terra, é para promover a recuperação da Palestina, incluindo a nossa imaginação, mesmo que tenha uma fotografia do orientalista David Roberts”, diz Jarrar.

Palestinos mantêm distância social durante orações de Tarawih, no pátio de Al-Aqsa

Desde o próprio título do programa, que cita Jean Genet, até os nomes das diferentes seções, fica claro que uma visão sociopolítica é acompanhada de alto valor poético.

“A beleza existencialista poética e humanitária de nossa aspiração de libertar nossas terras é muitas vezes inconscientemente abandonada de nossa memória coletiva e contemporaneidade”, ressalta Jarrar. “Levando em consideração que, se essa consciência não se cristalizasse no humanismo, chegaria a um beco sem saída muito rapidamente. Esse humanismo e espírito da revolução e luta palestinas inspiraram vários movimentos e revoluções políticas anticolonialistas e anti-imperialistas ao redor do mundo. ”

Essa solidariedade é destacada em muitos pôsteres da mostra, desenhados por artistas internacionais, o que também contribui para a riqueza significativa nas diferentes escolas e estilos.

Desenhado por Toshio Sato e publicado no Dia da Terra em 1990, este pôster apresenta uma pintura do artista palestino Burhān Karkūtly. A obra mostra uma mulher palestina usando um thobe palestino e um colar de mapa da Palestina

A coordenadora de mídia e marketing, Haneen Saleh, diz que o Museu Palestino opera com uma visão internacional: “Queremos promover e divulgar a narrativa dos palestinos local e internacionalmente, e apresentar histórias de resistência, persistência e esperança, ausentes do mundo global. A narrativa palestina. ”

A mostra começou no dia 25 de fevereiro e rapidamente atraiu a atenção. Devido às medidas de precaução tomadas contra a covid-19, o Museu Palestino está fechado até novo aviso. No entanto, a equipe do museu está trabalhando em uma turnê online para a exposição em breve.

“Com este espetáculo, o Museu Palestino acrescenta outra dimensão ao seu importante projeto digital e transnacional”, acrescenta a diretora Adila Laïdi-Hanieh. “Levamos o público internacional a um entendimento diferente e profundo da história palestina”.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEntrevistasIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaResenhasResenhas - LivrosSlide GrandeVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments