Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Yassin Adnan nos leva para dentro de Marrocos na era da internet

Yassin Adnan em sessão de autógrafos de seu primeiro romance, Hot Maroc, em 7 de março de 2020 [Yassin Adnan/ Twitter]

Hot Maroc é o primeiro romance do jornalista, poeta e escritor marroquino Yassin Adnan. Ele mergulha o leitor no Marrocos de hoje, entre o mundo real e a fantasia da Internet. Hot Maroc é uma sátira cínica sobre a eterna comédia humana e social e foi selecionado para o prestigiado Prêmio Internacional de Ficção Árabe.

No romance de Adnan, a cidade de Marrakech, onde o autor nasceu, é tão importante quanto os densos personagens de seu livro. No entanto, a cidade não é a Marrakech de clichês orientais. Para Adnan, ela é também uma cidade inspiradora para escritores, embora admita que a literatura sobre Marrakech às vezes limite a cidade aos mesmos clichês: um destino turístico da praça Jemaa el-Fna em frente à Medina. Na verdade, é uma cidade mais densa e complexa; uma cidade múltipla.

“Estou mostrando uma cidade que não é apenas socialmente plural, mas também arquitetonicamente plural”, ele me diz. “Por meio de meus personagens, descrevo os bairros menos privilegiados que cercam a cidade, um cinturão de pobreza formado por pessoas das áreas rurais. Também falo dos novos bairros característicos da pequena burguesia e de classe média. Os prédios estão crescendo rapidamente e os jovens casais estão se mudando.” Com isso, Marrakech oferece um cenário perfeito para esta comédia satírica.

LEIA: Marrocos prende jornalista por tweet criticando o judiciário

É na cidade amarela e imperial que vive o principal protagonista do romance: o humilde Rahal Laâouina. Ele tem baixa auto-estima e se vê como a eterna vítima das circunstâncias e dos outros. Rahal sabe que é um covarde e, no fundo, está ressentido com isso, então ele se vinga duramente de agressores durante seus sonhos semi-acordados. A revolução digital oferecerá a ele a possibilidade de se tornar um iago em potencial: um manipulador, um grande organizador e um pequeno desorganizador da vida de outros. Sob diferentes pseudônimos, ele destila um veneno de enganações através dos comentários que espalha nas mídias sociais. Melhor ainda, graças ao seu trabalho em um cyber café, ele influenciará a vida de seus clientes, pelo acesso que mantém às contas de e-mail e mídia social. Rahal Laâouina acaba sendo notado por obscuros serviços de segurança interna, justamente por seu talento em moldar a opinião pública por meio de denúncia e enganação. Ele acabará sendo pago para exercer seus talentos sob demanda. Seu nome combina perfeitamente com ele. Significa algo próximo a “grande viajante”. Ele navega na web mundial. Seu sobrenome literalmente significa “pequeno olho”, uma palavra que também significa “delator”, explica Adnan.

A capa do Hot Maroc de Yassin Adnan

Como se vive por quatro anos com esse anti-herói? Foi quanto tempo o autor levou para escrever seu romance denso. Adnan responde como um escritor onisciente que se recusa a julgar seus personagens. “Ele é um personagem apático, mas não devemos esquecer que ele também é uma vítima. Uma criança assediada, abusada, um adulto insignificante e humilhado. Ele é uma vítima que usa suas fraquezas para dominar e controlar a vida virtual de outras pessoas, mas não controla nada em sua própria vida. Ele é totalmente incapaz na vida real de manter sua dignidade. No mundo virtual, ele se vinga. Seu romance, explica Adnan, é uma maneira de denunciar o comportamento desse tipo de informante na internet. “E eu também queria mostrar a complexidade social e psicológica desse fenômeno. Quem dirige o país usa esse tipo de pessoa para envenenar a atmosfera e a vida das pessoas. Não devemos esquecer que os jovens marroquinos agora estão hiperconectados. Eles passam de três a quatro horas por dia neste mundo virtual. Tivemos no Marrocos uma verdadeira máfia eletrônica que foi capaz de reprimir.”

LEIA: Marrocos cria fundo de US$ 1 bi para combater efeitos econômicos do coronavírus

De fato, o país passou por vários escândalos relacionados ao uso da Internet, como a famosa conta “Hamza mon bb”, administrada por um ou mais misteriosos personagens anônimos, o que levou a muitas fotos e vídeos particulares de celebridades marroquinas vazarem online. Para Adnan, o caso de Rahal não é individual e mundano. E o verdadeiro desafio hoje é acabar com a impunidade na internet sem tocar na liberdade de expressão.Em Hot Maroc, Yassin Adnan descreve uma sociedade marroquina onde há pouco espaço para o indivíduo: cada personagem é pego na rede de conformidade social e religiosidade, sobrecarregado pela vigilância constante da sociedade civil. “Toda sociedade é assim, fazendo o indivíduo suportar o peso de suas leis. Os personagens são condicionados, mas também hesitam. Assim como o próprio país. Entre aqueles que querem deixar o país, aqueles que não sabem se vão ficar, todos estão no limiar de outra coisa. Os personagens são como se estivessem suspensos, presos.

Nada perde o olhar feroz do autor, nenhum ambiente é poupado, incluindo a universidade e suas lutas políticas artificiais previamente coreografadas entre movimentos revolucionários e islâmicos. Ele critica a maneira como o amor é, na realidade, o conformismo social e a hipocrisia sexual, e como o jornalismo se transformou em fofocas e notícias precipitadas sobre a vida de estrelinhas e “influenciadores” feitos de acordos comerciais e alimentados por ódios.Neste Marrakech, as pessoas são comparadas a um bestiário. Adnan faz seus personagens parecerem animais: Rahal é um esquilo; sua esposa Hassaniya, um porco-espinho arrepiado com picos cruéis; seu pai, um louva-deus magro; e uma mulher que ele secretamente ama, um cisne. É um bestiário que também nos permite caracterizar os personagens, seu destino inscrito na semelhança animal.O autor afirma suas influências balzaquianas, de maneira óbvia. “Balzac escreveu The Human Comedy porque os homens não são iguais e todos têm um papel a desempenhar neste mundo. Eu escrevi uma comédia de animais, os personagens se parecem com animais, zoomorficamente, mas além disso, cada um se alimenta do outro. ”

Hot Maroc Capa Editora Le Fennec

 

O livro de Adnan permite que o leitor compreenda as mutações do Marrocos. Ataca pela veia narrativa e pela capacidade do autor de retratar os seres humanos e a sociedade com lucidez e delicadeza. Sua ação ocorre entre o final do reinado de Hassan II e o início do de Mohamed VI; é também um meio termo. A esse respeito, o romance é um inventário de “um país que quer ser moderno, mas cujas instituições e conservadorismo o impedem”. Para Adnan, através de seus escritos, Marrocos é um país que acha difícil abrir suas janelas para o mundo, mas ele insiste que existe uma vontade entre os marroquinos de saltar esses obstáculos. “Há um acúmulo de pequenas travas  que impedem o progresso. Eu observei como a internet está sendo usada para amplificar esses obstáculos existentes. A mídia social amplia essa carga. Eu também sofri com os danos da internet. Comecei a pensar em como isso causa danos e destruição, ao mesmo tempo em que oferece enormes oportunidades para mobilizar a sociedade civil marroquina. Não estou negligenciando esse aspecto. Mas, em vez de investir nesse espaço para trazer liberdade de expressão, a internet se tornou um instrumento para exercer a liberdade de difamação. O povo marroquino é diluído pelos influenciadores das mídias sociais e até a classe política joga esse jogo prejudicial para influenciar uma opinião ou enfraquecer um oponente. ” Isso, acrescenta Adnan, impede qualquer conscientização política significativa entre as pessoas.

LEIA: Registros de coronavírus sobem em várias nações árabes

O romance é traduzido do árabe para o francês, em uma tradução notável, que permite restaurar as camadas da narração, os tons e as cores das palavras usadas. O objetivo era, de fato, traduzir as sutilezas do árabe usado no livro, do árabe popular marroquino ao árabe clássico. “No livro, uso o árabe do Alcorão, a poesia pré-islâmica, o árabe oficial, o árabe administrativo, o jornalístico, o das mídias sociais e o darija o árabe, dialeto árabe marroquino.”

O romance é escrito em árabe moderno padrão, que é o árabe do narrador. Mas as camadas narrativas usam essas diferentes modalidades da linguagem. A voz do narrador usa esse árabe padrão para representar uma forma de neutralidade; então sou contra qualquer forma de sacralização da língua árabe. O árabe é uma língua viva e dinâmica e deve continuar assim. ”

Hot Maroc é uma sátira e um raio-X. Uma fábula e um conto. “As pessoas em Marrakech são conhecidas por seu senso de humor e estão sempre prontas a tirar sarro de si mesmas. É uma cidade de tradição oral, cheia de contadores de histórias. E desde criança eu os ouço. Suas histórias são cheias de humor e sabedoria popular. Acho essas histórias muito otimistas porque são realmente realistas, nomeiam coisas, apontam problemas, etc. É para isso que trata o raio X frontal deste romance. ”

LEIA: Marrocos recebe lança-foguetes da China

Categorias
ÁfricaEntrevistasMarrocos
Show Comments
Show Comments