Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Finlândia rejeita cem toneladas de laranjas de Israel

Laranjas em barraca de frutas. Foto de 1º de abril de 2020 [Mahmoud Ajjour/ ApaImages]

Funcionários da alfândega finlandesa rejeitaram 104 mil quilos de laranjas de Israel depois de descobrir vestígios de bromopropilato, um pesticida proibido na UE.

Oito das 16 remessas de laranjas recebidas de Israel entre fevereiro e meados de abril devido à presença do pesticida proibido, informaram.

O bromopropilato é usado para repelir carrapatos e ácaros em frutas cítricas e outras culturas e é proibido na UE desde 2011, porque não se pode provar que é seguro para ingestão pelos clientes.

Segundo a chefe da Divisão Aduaneira de Pesquisa Química em Alimentos, Suvi Ojanpera, é a primeira vez em “vários anos” que o pesticida é encontrado em produtos examinados. “Sua presença nas laranjas israelenses este ano foi uma surpresa”, disse ela.

LEIA: Janelas contra Bolsonaro e pela Palestina livre

O primeiro lote de produtos entregues à Finlândia no início da nova safra é sempre cuidadosamente examinado, disse Jonna Neffing, chefe de segurança de produtos da alfândega finlandesa, em comunicado à imprensa na semana passada.

Agora, devido aos vestígios de pesticidas proibidos encontrados nas remessas iniciais, “nós… [continuamos] com controles até o final da safra de laranja em Israel. Provavelmente também conduziremos controles intensificados durante a próxima safra ”, acrescentou Neffing.

As autoridades finlandesas disseram que as laranjas que estão aquém das normas da UE para entrar no mercado são testadas nos armazéns importadores.

Boicote a Israel – Cartum [Latuff / Flickr]

A Finlândia e Israel historicamente mantêm relações econômicas estreitas, com os dois estados recebendo exportações um do outro. Israel importa máquinas finlandesas, produtos de madeira e papel, enquanto a Finlândia recebe frutas, legumes e equipamentos de telecomunicações.

Nos últimos anos, no entanto, sentimentos anti-Israel aumentaram na Finlândia, com uma série de 15 ataques de vandalismo na embaixada de Israel em Helsinque, entre janeiro de 2018 e julho de 2019.

Em fevereiro de 2019, um grupo de extrema-direita finlandês se manifestou do lado de fora da embaixada de Israel, enquanto em julho de 2019 a porta de vidro do prédio foi quebrada e imagens de Adolf Hitler e da suástica foram penduradas na entrada da frente.

As autoridades israelenses exigiram ações, mas as autoridades finlandesas fizeram pouco, embora expressassem preocupação com os ataques.

LEIA: Covid-19, da propaganda ao apartheid israelense

Em janeiro deste ano, as forças israelenses detiveram a parlamentar finlandesa Anna Kontula por tentar atravessar a cerca que separa Israel da Faixa de Gaza. O Ministério das Relações Exteriores de Israel emitiu uma declaração condenando fortemente a tentativa de travessia, mas a embaixada finlandesa em Tel Aviv se recusou a comentar.

Enquanto isso, o ministro das Relações Exteriores da Finlândia, Pekka Haavisto, que assumiu o cargo após as eleições nacionais em 2019, manifestou abertamente preocupação com a posição dos EUA em relação a Israel.

Em uma entrevista à imprensa, Haavisto defendeu uma diplomacia ambiental em Gaza e disse: “O primeiro princípio, é claro, é que não podemos aceitar a ampliação de assentamentos ilegais no território palestino”.

LEIA: BDS da Áustria condena retirada de filme palestino após pressão israelense

Categorias
Europa & RússiaFinlândiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments