Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Indocumentados do Líbano são impedidos de realizar testes de coronavírus

Estudantes usam máscaras para se proteger do coronavírus como precaução em Beirute, Líbano, em 22 de fevereiro de 2020 [Hussam Chbaro/ Agência Anadolu]

Os hospitais libaneses estão afastando pessoas sem documentos ou estabelecendo custos proibitivamente altos para os testes de coronavírus, deixando muitos temendo por sua saúde, de acordo com um relatório da Al Jazeera. Refugiados e trabalhadores domésticos sem os documentos de identificação corretos foram recusados pelos hospitais para testes e tratamento.

A Al Jazeera acrescentou que a equipe do Hospital Universitário Rafic Hariri (RHUH) confirmou sua política de recusar pessoas sem documentos, desde que não precisem de atendimento de emergência. Segundo uma fonte do hospital, “devemos fornecer ao estado o nome de qualquer pessoa que testamos, para que, se for positivo, possamos informar o estado e a pessoa. Não podemos fazer isso sem um nome. ” No entanto, a fonte acrescentou: “Para ser bem claro, qualquer pessoa que vier a nós em uma condição de emergência e precisar de tratamento receberá tratamento, mas se não for um caso de emergência, não podemos”.

Alguns trabalhadores domésticos migrantes não conseguem fornecer documentos de identificação porque seus empregadores apreendem seus passaportes quando entram no país. A prática faz parte do sistema de patrocínio à migração – “kafala” – que vincula a residência legal ao emprego, mas não concede cobertura de assistência médica aos trabalhadores.

Aqueles que desejam fazer o teste, mas não precisam de atendimento de emergência, estão sendo informados de que devem pagar aproximadamente US$ 498 em liras libanesas para cobrir o custo do procedimento. Esse preço não é apenas proibitivo para os trabalhadores migrantes, mas também para os quase 1,5 milhão de refugiados no país e os milhares de libaneses que vivem de bico em bico. Muitos deles estão desempregados como resultado do surto de coronavírus, mesmo antes do qual milhares de pessoas estavam lutando para enfrentar o aumento do custo de vida. O Banco Mundial alertou que a pior crise econômica do Líbano desde o final da guerra civil em 1990 ameaça empurrar mais de 45% da população para baixo da linha de pobreza.

O receio de que um surto de coronavírus nos 12 campos de refugiados palestinos administrados pela ONU venha a ser catastrófico tomou conta das manchetes, com várias dizendo que uma distribuição do ACNUR de produtos de sabão e higiene não é suficiente para combater a propagação da doença.

Segundo um relatório da Al Arabiya, um grupo de residentes no campo de Mar Elias, em Beirute, adotou o policiamento comunitário e formou um comitê de emergência de voluntários. O grupo distribuiu produtos de higiene, incluindo spray desinfetante para os residentes. Outros membros vigiaram as entradas do campo e encerram reuniões, tentando aderir ao bloqueio nacional.

Até a presente data, o Ministério da Saúde do Líbano registrou 446 casos confirmados de infecção e 11 mortes pelo vírus

LEIA: A UE apoia a Unrwa para salvaguardar a sua própria posição diplomática

Categorias
CoronavírusLíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments