Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Restrições nas fronteiras afetam transferências de crianças refugiadas à UE

Crianças no Aeroporto Internacional de Atenas durante transferência de 234 refugiados para Lyon, na França, dentro do Programa de Realocação da Organização Internacional para as Migrações (OIM), da UE em Atenas, Grécia, em 18 de outubro de 2017 [Ayhan Mehmet/Agência Anadolu]

As restrições nas fronteiras européias impostas por causa do coronavírus afetarão os planos de transferência de centenas de crianças de “terríveis e perigosos” campos de refugiados na Grécia, disse na terça-feira uma alta autoridade do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Países europeus, incluindo Finlândia, França, Portugal e Luxemburgo, e a cidade alemã de Berlim, concordaram nas últimas semanas em retirar menores desacompanhados da Grécia depois que milhares de refugiados e migrantes chegaram ao estado membro da UE, incluindo os que fogem da violência na Síria.

Mas alguns estados membros da UE já impuseram controle nas fronteiras normalmente livres e está previsto que, ainda na terça-feira, os líderes da UE fechem as fronteiras externas de todo bloco.

“O desligamento temporário do movimento transfronteiriço na UE terá um impacto inevitável sobre quando e como as crianças vulneráveis na Grécia serão realocadas para a Alemanha, Finlândia e outros estados”, disse por e-mail, respondendo a uma pergunta da Reuters, a coordenadora Especial da Resposta aos Refugiados e Migrantes na Europa, Afshan Khan, .

Muitos cidadãos europeus foram lutar na Síria ou Iraque, onde tiveram filhos. Agora, os países da UE decidem sobre levá-los para casa ou não. [Sabaaneh / MiddleEastMonitor]

Ela instou os países a explorar “todas as medidas possíveis para acelerar a transferência dessas crianças, para que elas comecem a atravessar assim que as fronteiras reabrirem”.

Ela também pediu que procedimentos de teste de coronavírus fossem estabelecidos para as crianças e alternativas encontradas para o suporte à vida coletiva.

A agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) disse na terça-feira que havia pelo menos 10 casos confirmados de coronavírus entre refugiados e requerentes de asilo na Alemanha. Algumas autoridades humanitárias temem que isso possa prejudicar o apoio futuro à acolhida de refugiados.

O porta-voz do ACNUR, Andrej Mahecic, pediu que todas as autoridades nacionais tratem refugiados e requerentes de asilo que adoecerem com o vírus da mesma maneira que seus outros cidadãos.

Categorias
AlemanhaCoronavírusEuropa & RússiaFrançaGréciaLuxemburgoNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioPortugalSíriaUE
Show Comments
Show Comments