Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Netanyahu entre os árabes de Nakba e os árabes que são uma piada

Foto tirada durante a Nakba em 1948 [Foto de arquivo]

Os árabes concordaram em 1948 com a decisão de formar grupos de combate contra a colonização sionista da terra da Palestina, conhecida como Nakba. Exatamente 72 anos depois, os árabes parecem mais perto de formar uma força de combate unida contra os que rejeitam a colonização sionista da Palestina.

Não parece que a piada postada recentemente por um ativista sarcástico do Twitter sobre a condenação da Arábia Saudita às ações do povo palestino contra a ocupação israelense continue sendo uma piada por muito tempo, pois todos os fatos e indicações dizem que as capitais árabes estão muito perto de tomar medidas contra aqueles que recusam a normalização e o “acordo do século”. A paciência dos líderes árabes está se esgotando com as facções palestinas de resistência, que estão atrapalhando o relacionamento entre esses líderes e Israel.

Matérias nessa direção não são novidade. Já vêm vigorando há pelo menos cinco anos e muitos estão competindo para aplicá-las. Não se envergonham de mostrar aprovação à liderança de Israel na região e o primeiro a expressar isso foi o general Abdel Fattah Al-Sisi, que é amado e apoiado por todos os sionistas, especialmente seus rabinos e generais.

Há mais de quatro anos, o jornal sionista de direita Makor Rishon revelou que Al-Sisi confirmou, diante dos líderes das organizações judaicas americanas, sua admiração pela personalidade e capacidade de liderança de Netanyahu. O correspondente do jornal, Zvika Klein, escreveu que os líderes da Conferência dos Presidentes das Maiores Organizações Judaicas Americanas nos Estados Unidos informaram Netanyahu durante seu encontro com ele, nas linhas laterais de uma reunião organizada pelo comitê em Jerusalém ocupada, que Al-Sisi disse a eles que Netanyahu é “um líder com grandes potências que o ajuda não apenas a liderar seu país, mas também pode impulsionar a região – até o mundo – para a frente”.

Bem, aqui está o general governante da nação irmã árabe mais velha, despojando seu país de liderança da região e dando a Israel/Netanyahu o papel de sucedê-lo. Seguindo seus passos está Mohammad Bin Salman, príncipe herdeiro saudita, que aprendeu com Al-Sisi como alcançar o poder através de Israel. A história começa com o acolhimento de Trump e sua família em Riad, a fim de estabelecer a aliança “moderada”, cuja idéia foi proposta, formulada e desenvolvida anos atrás por Benjamin Netanyahu. Trump então pairtiu da Arábia Saudita com mais de US$ 450 bilhões e pousou em Jerusalém ocupada usando um capacete.

Em 2018, em antecipação à realização da Cúpula de Dhahran pela Arábia Saudita, o príncipe herdeiro da Arábia Saudita concedeu uma entrevista à revista America’s Atlantic, na qual anunciou uma visão completamente alinhada com a de Israel para o Oriente Médio, segundo rabinos extremistas, generais violentos e os falcões e pombas do Knesset Ele espalhou seus beijos e presentes gratuitos, afirmando que estava cercado por inimigos, exceto Israel e o chamado “eixo da moderação”, composto pelas quatro partes que cercavam o Catar. Ele disse: “Estamos em uma área não cercada pelos oceanos como o México, Canadá, pelo Atlântico e Pacífico. Temos o ISIS, a Al-Qaeda e o Hamas e o Hezbollah e o regime iraniano, e até piratas. ”

Essa percepção tomou forma prática quando o jornal Al-Riyadh, porta-voz do governo, declarou, antes da abertura da cúpula: “Hoje, os árabes não têm escolha a não ser reconciliar-se com Israel, assinar um acordo de paz abrangente, dedicar-se a enfrentar o projeto iraniano na região e seu programa nuclear e pôr fim à sua interferência nos assuntos árabes. Esta é uma opção que não pode ser adiada com qualquer justificativa, mesmo [ as acusações de] negociação e leilão da causa palestina, porque o Irã representa uma ameaça direta a todos ”.

Assim, sem imprecisão e muito cedo, as capitais dos dois maiores países árabes entregaram o distintivo e manto de liderança a Israel, até chegarmos a um estágio em que Benjamin Netanyahu foi autorizado, sozinho, a falar das viagens de peregrinação de Israel ao aeroporto saúdi, prometendo que os israelenses voem nos céus da Arábia Saudita em breve. É nesse mesmo estágio que o militar egípcio pode se sentir levado à guerra contra o povo palestino, se o gasoduto da ocupação até o Egito estiver danificado ou em perigo, quando uma revolta irromper nas áreas pelas quais o gasoduto passa.

Que miséria aguarda uma nação que se choca com quem mais servirá seu inimigo?

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArábia SauditaArtigoÁsia & AméricasEgitoEUAIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments