Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Palestina desvencilhada: como enfrentar a anexação e o ‘acordo do século’

Palestinos fazem um protesto contra o chamado "Acordo do Século" anunciado pelo Presidente dos EUA Donald Trump, em Haifa, Israel, em 28 de janeiro de 2020. [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

Só porque o governo Donald Trump declarou nulo o direito internacional em relação ao direito de retorno para refugiados palestinos, o status de Jerusalém Oriental ocupada ou a ilegalidade de colônias judaicas nos territórios ocupados, não significa que Israel tenha vencido e os palestinos tenham perdido .

Para ser mais específico, aqueles que realmente perderam são aqueles que deram a Washington e seus aliados o poder de moldar o futuro da Palestina e, de fato, de todo o Oriente Médio, de maneira consistente com a distorcida política externa americana, a saber, a Autoridade Palestina (AP) e outras lideranças árabes.

Aqueles de nós que sempre entenderam que Washington e Tel Aviv são dois lados da mesma moeda, dificilmente se surpreendem com o chamado Acordo do Século. De fato, o “acordo” de Trump é apenas uma continuação da mesma trajetória sombria de lealdade cega dos EUA a Israel. Independentemente de chamarmos de “Negócio do século”, “processo de paz patrocinado pelos EUA” ou “diplomacia de vai e vem”, todas são marcas recicladas do mesmo produto antigo.

Mas os dedos acusadores não podem apontar apenas para Trump e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. Os palestinos também merecem grande parte da culpa.

Vinte e sete anos atrás, um grupo de elites políticas palestinas rompeu com o consenso nacional, assinando um acordo unilateral com Israel que concedia ou relegava a maioria dos direitos palestinos, incluindo o status de Jerusalém e os direitos dos refugiados palestinos.

Eles argumentaram então que os direitos palestinos poderiam ser alcançados através de um ‘processo de paz’ incremental, através de negociações incansáveis e ‘compromissos dolorosos’. Aqueles que contestaram os acordos subsequentes de Oslo foram evitados e rotulados como terroristas e radicais; eles foram presos e, sempre que conveniente, até assassinados.

Desde então, o destino, o status e a legitimidade da AP tornaram-se intrinsecamente ligados à ocupação militar israelense que pretendiam erradicar. As negociações levaram ao enriquecimento da ocupação israelense, que agora ameaça anexação total por Israel. Enquanto isso, alguns palestinos ficaram mais ricos e milhões de palestinos ficaram ainda mais desesperados, isolados sob o crescente apartheid israelense na Cisjordânia ou sob um cerco hermético e mortal em Gaza.

Quase três décadas depois, o “Acordo do Século” passou a deslegitimar completamente a Autoridade Palestina, criada com fundos americanos e um mandato político.

Sob essas novas circunstâncias, não há razão lógica para que a AP continue a existir, pelo menos em sua forma atual, pois desempenhou um papel importante na subjugação do povo palestino, permitindo que Washington e Tel Aviv alcancem seus fins políticos na Palestina sem a menor resistência.

Há alguns anos, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, referiu-se à resistência armada em Gaza como “inútil” e um “erro”. Ele pretendia defender uma forma diferente de “resistência” que realmente obteria os direitos palestinos e daria ao povo palestino um estado independente, com Jerusalém como sua capital. O ‘Acordo do século’ provou que Abbas, sua autoridade e qualquer forma falsa de ‘resistência’ que empregavam, eram totalmente e completamente inúteis.

É importante que não protestemos contra o “Acordo do Século”, fingindo que a AP é nossa parceira nesse processo. Atribuir alguma importância à Autoridade Palestina indicaria que nada aprendemos após décadas de traição e roubo total de centenas de milhões de dólares em fundos atribuídos ao povo palestino.

De alguma maneira estranha e trágica, a AP e a ocupação israelense estão ligadas – a primeira não pode existir sem a segunda e esta exige os serviços da primeira para entrincheirar-se e expandir suas colônias ilegais por toda a Palestina.

Portanto, qualquer estratégia palestina pós-‘Deal of the Century’ teria que acontecer em completa separação da Autoridade Palestina, que, neste momento, representa apenas os interesses de uma classe de palestinos que conseguiram acumular riqueza e poder sob as botas dos soldados de Israel.

Apesar das falhas não mitigadas da Autoridade Palestina, a causa palestina é mais popular do que nunca. A campanha de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), alimentada pelos sacrifícios e pela resistência do povo palestino, penetrou em várias camadas da sociedade em todo o mundo, forçando milhões de pessoas a adotar uma postura moral sobre o apartheid israelense e crimes de guerra em andamento na Palestina.

Mais e mais pessoas ao redor do mundo também estão se conscientizando do poder destrutivo do sionismo – a ideologia que continua a guiar a política israelense até hoje. Israel é o próprio responsável por essa crescente conscientização por causa de suas intervenções diretas nos assuntos políticos de muitos países.

O fato de Israel estar se intrometendo nas várias leis e constituições de democracias bem estabelecidas em todo o mundo para impedir qualquer crítica de sua má conduta na Palestina, está despertando muitas pessoas que talvez nunca tenham sido despertadas se a discussão sobre a Palestina e Israel persistisse. sua forma anterior. Do Reino Unido à Itália e aos EUA, os tentáculos do sionismo estão tentando e, infelizmente, conseguindo, impor suas prioridades, agendas e definições pessoais.

O desafio para os palestinos, neste momento, é saber navegar além da Autoridade Palestina colaboradora e criar plataformas alternativas que lhes permitam coordenar suas ações, ampliar o escopo da solidariedade global e, eventualmente, aproveitar suas realizações na região, na forma de uma estratégia política centralizada.

Isso não será fácil, mas é inevitável. E a resposta também não pode ser faccional. Enquanto algumas facções palestinas podem dizer com orgulho que rejeitaram, e até resistiram, ao caminho escolhido pela Autoridade Palestina, hoje não existe uma única facção palestina que fale por todos os palestinos usando uma linguagem unificadora e adotando uma visão universal. O fato de os grupos palestinos continuarem falando de uma ‘solução de dois Estados’ é um reflexo de sua incapacidade de transcender os limites e imposições de Oslo e do ‘processo de paz’.

Como Israel e os EUA decidiram dar passos decisivos na direção do Apartheid, os palestinos devem dar passos igualmente decisivos na direção da libertação cortando laços com todas as estratégias fracassadas e com indivíduos e grupos que buscam a si mesmos.

Mesmo dentro da oposição palestina, é necessário repensar muito. Enquanto a AP falhou miseravelmente, outros falharam também, e não há vergonha em admitir isso porque, sem assumir a responsabilidade pelas deficiências, uma mudança real nunca pode ocorrer.

Isso está longe de ser um apelo à abolição completa de todas as estruturas políticas palestinas, mas ao reparo de um sistema envelhecido que se recusa a se renovar e que, às vezes, é completamente alheio a mudanças de discursos e realidades políticas.

O fato é que muitos líderes e ativistas palestinos, mesmo dentro da oposição, vêm de épocas políticas longínquas. Ainda que alguns tenham travado uma luta honrosa, eles devem entender que permitir uma transição natural para novas lideranças é a maior contribuição que podem dar nesse estágio, porque a natureza da luta também está mudando.

Esta é a verdade: a Palestina não pode mais contar com o apoio dos países árabes para construir o momento necessário para eventualmente derrotar Israel e restaurar os direitos do povo palestino.

Nossa causa é agora uma causa global, estendendo-se da Suécia ao Chile e da África do Sul à Rússia, e requer emissários globais capazes de transcender a AP, o faccionalismo e o tribalismo ideológico que estão destruindo o próprio tecido de nossa sociedade.

Vamos transformar o ‘Acordo do século’ de uma crise em uma oportunidade, onde reorganizamos e galvanizamos o próprio fundamento de nosso discurso político e nos libertamos dos inúmeros limites que contiveram nosso trabalho e apelo no passado.

Como o sionismo agora constitui uma das maiores ameaças, não apenas à Palestina e ao Oriente Médio, mas também às democracias do mundo, que a luta pela liberdade palestina se torne uma luta global contra o sionismo e todos os seus benfeitores.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEUAIsraelOpiniãoOriente MédioPalestine
Show Comments
Show Comments