Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Direita pressiona para “proibir críticas a Israel nos campi dos EUA”, revela o The Guardian

Manifestação de boicote, desinvestimento e sanções (BDS) em Washington, EUA [Elvert Barnes/Flickr]

Uma reportagem do jornal The Guardian revelou como “os ativistas de direita estão tentando espalhar novas leis nos estados controlados pelos republicanos que proibiriam as críticas nos campi universitários públicos de Israel e em sua ocupação do território palestino”.

De acordo com o documento, “os advogados da primeira emenda veem a propagação potencial de tais leis como uma grande ameaça à liberdade de expressão nos campi”.

O relatório é baseado no acesso a e-mails obtidos pelo Centro de Mídia e Democracia (CMD), que detalha a conferência realizada em agosto em Austin, Texas, organizada pelo Conselho de Intercâmbio Legislativo Americano (Alec), uma “rede conservadora que tem um longo histórico de propagação de políticas de direita no nível estadual por meio de projetos de lei ”.

O encontro convocado pela Alec têve vários legisladores estaduais republicanos e lobistas pró-israelenses discutindo maneiras de disseminar novas restrições ao discurso relacionadas a Israel em todos os campi. A reunião foi liderada por Randy Fine, “um republicano da Flórida que foi fundamental para aprovar em maio a primeira lei estadual que proíbe o anti-semitismo na educação pública”.

Conforme descrito por The Guardian, “lobistas pró-Israel e conservadores estão incentivando os legisladores estaduais a proibir o antissemitismo na educação pública, do jardim de infância até as universidades de pós-graduação”, usando uma definição de antissemitismo “tão amplo” que proibiria o debate sobre as violações dos direitos humanos do governo israelense ”.

Os e-mails obtidos pelo CMD “dão uma indicação clara do motivo por trás da pressão por leis anti-semitismo – combatendo as críticas a Israel nos campi”.

Fine, por exemplo, escreveu que, de acordo com as novas leis, “o antissemitismo (sejam atos de estudantes, administradores ou professores, políticas e procedimentos, organizações de clubes etc.) [será] tratado de forma idêntica à maneira como o racismo é tratado. A organizaao Estudantes por Justiça na Palestina (SJP, na sigla em inglês)agora é tratada da mesma maneira como deveria ser a Ku Klux Klan”

A SJP constitui a principal rede de solidariedade à Palestina nos campi dos EUA, com seções em mais de 80 universidades. Tem estado na vanguarda da promoção da campanha liderada pelos palestinos por Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS).

Liz Jackson, uma advogada da organização Palestine Legal, disse ao Guardian: “Estão partindo da ideia universalmente aceita de que o antissemitismo é ruim e deve ser interrompido no momento de um ressurgimento assustador da violência supremacista branca. É extremamente cínico disfarçar-se de combater o antissemitismo quando, na verdade, você está encerrando as críticas a Israel “.

As cláusulas relativas a Israel na definição de antissemitismo, “agora sendo disseminadas para vários estados, emanam de um texto de 2005 do Observatório Europeu do Racismo e Xenofobia (EUMC)”, ele próprio um texto quase idêntico ao agora usado para a definição de antissemitismo da Aliança para a Recordação do Holocausto (IHRA).

Ken Stern, diretor do Centro Bard para o Estudo do Ódio “, que foi o principal redator do texto do EUMC, disse que seu objetivo era facilitar a denúncia de ataques antissemitas em toda a Europa.

“O objetivo nunca foi suprimir a discussão de idéias nos campi”.

Categorias
Ásia & AméricasBDSEUAIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestineSlide Grande
Show Comments
Show Comments