Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Grupo de direitos humanos condena campanha de Israel contra BDS

Palestinos em Gaza protestam contra a decisão do Parlamento alemão sobre o BDS,. Em 23 de maio de 2019 [Mohammed Asad/Monitor do Oriente Médio]

A Organização Árabe para os Direitos Humanos no Reino Unido (AOHR UK) condenou o governo de Israel por seus esforços para lançar uma guerra de propaganda on-line que abraça sentimentos pró-israelenses e ódio ao movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) através de um telefone celular aplicativo.

Em um comunicado à imprensa divulgado ontem, AOHR UK revelou que o aplicativo chamado Act.IL – que se descreve como a comunidade online de Israel – foi projetado e criado para travar o que Israel considera uma “guerra online” contra qualquer informação e opinião pró-palestina, direcionando em particular seus ataques contra grupos e ativistas ligados ao movimento BDS.

O aplicativo, fundado em 2015 e lançado em 2017, foi revelado como um projeto conjunto de uma universidade israelense privada chamada IDC Herzliya que possui links para a agência de inteligência do país e o Conselho Israelense-Americano com sede nos EUA. Com o custo de criação de US $ 1,3 milhão, o aplicativo é liderado pelo ex-agente de inteligência israelense Yarden Ben Yosef, que gerencia uma equipe composta principalmente por ex-agentes de segurança.

A AOHR UK também descobriu que o aplicativo é parcialmente financiado pelo governo israelense e recebe grandes doações significativas de lobistas de direita nos EUA para o estado judeu. Sheldon Adelson, que foi o maior doador da campanha presidencial do presidente Donald Trump em 2016, foi particularmente identificado como uma figura que financiou o Conselho Israelense-Americano e o aplicativo Act.IL.

De acordo com a AOHR UK, o aplicativo “acompanha de perto as atividades on-line, em particular a opinião pública em torno de notícias e mídias sociais, usando um software de monitoramento altamente sofisticado. O aplicativo foi projetado para aparecer como uma plataforma de base para ativistas, mas, na realidade, é uma plataforma apoiada, projetada e financiada pelo Estado, com a única intenção de espalhar propaganda pró-Israel para influenciar a opinião pública internacional contra os direitos palestinos e tenta desviar a atenção das vastas violações dos direitos humanos que o estado de ocupação inflige ao povo da Palestina. ”

O Act.IL designa regularmente “missões” para seus seguidores em todo o mundo – a grande maioria dos quais são estudantes americanos – em troca de pontos, e direciona milhares de contas trolls para assediar uma variedade de plataformas de mídia social e organizações de notícias, informou o grupo de direitos humanos. O Twitter é citado como sendo o principal alvo do aplicativo, que visa bloquear conteúdo pró-palestino por meio de um método sofisticado de spam e segmentação em massa. As contas trolls usadas pelo aplicativo também direcionam petições na internet e fazem campanhas para acusar e difamar políticos de todo o mundo que expressaram sentimentos pró-palestinos, como o líder do Partido Trabalhista do Reino Unido, Jeremy Corbyn, e a congressista norte-americana Ilhan Omar.

No relatório, o aplicativo também está vinculado ao Ministério de Assuntos Estratégicos de Israel, liderado por Gilad Erdan, que foi encontrado para conduzir reuniões com líderes de notáveis agências de inteligência e com o chefe do Mossad de Israel, Yossi Cohen, que está por vir. com estratégias para combater o movimento BDS.

Leia: Israel insta os estados europeus a tomarem ‘medidas práticas’ contra o BDS

A AOHR UK concluiu pedindo “aos tomadores de decisão do mundo que façam mais para legislar contra plataformas de propaganda online orquestradas e financiadas pelo Estado”, ou seja, as empresas de tecnologia Apple e Android, bem como os gigantes da mídia online Facebook, Twitter e Google.

O BDS é uma campanha liderada pelos palestinos que promove várias formas de boicote contra Israel até cumprir suas obrigações sob o direito internacional.

Categorias
AOHRBDSIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestine
Show Comments
Show Comments