Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israa Gharib: assassinada por questão de ‘honra’

1
Mulheres palestinas participam de um protesto em razão da morte de Israa Gharib, na cidade de Gaza. Em 2 de setembro de 2019. [Mahmoud Ajjour-Apaimages]

Dedicado a Israa Gharib e a todas as mulheres que foram assassinadas em nome da “honra”.

As recentes notícias de cortar o coração do assassinato de Israa Gharib na Palestina despertaram interesse e debate sobre o conceito de crimes de honra no Oriente Médio. Todos os dias, muitas mulheres como Israa são mortas sem piedade em nome da “honra”. Suas histórias são incontáveis e inéditas; a maioria é negligenciada e justificada em nome da cultura e da religião. A história de Isra, no entanto, iniciou a solidariedade entre as mulheres da região e chamou a atenção internacional para uma das questões mais prementes da mulher no mundo.

Os chamados crimes de “honra” e a violência contra as mulheres não são novos nem exclusivos de nenhuma parte do mundo; eles são tão antigos quanto o patriarcado. No entanto, o que é alarmante no caso de Israa é que o assassinato foi cometido publicamente em um hospital. Quem a filmou gritando no hospital não achou possível ajudá-la. Isso indica a terrível realidade de que o patriarcado e uma expressão do que é considerado localmente como masculinidade foram normalizados e aceitos. Os cidadãos comuns da sociedade não pensavam que tinham a responsabilidade de impedir o crime. Isso levanta questões importantes sobre a moral coletiva da sociedade.

Uma mulher está realmente segura na esfera pública? Quem é seu inimigo e quem é seu protetor? A solidariedade que surgiu no caso de Israa nos dá esperança, mas a maneira como ela foi espancada em um local público mostra que ainda há um longo caminho a percorrer.

Ao escrever este artigo, pergunto-me qual é realmente o impacto dos acadêmicos que se concentram nos estudos de gênero se não puderem ajudar as pessoas a entender a desumanidade, a crueldade e a imoralidade de matar uma mulher em nome da honra. Tais acadêmicos precisam tornar seu trabalho mais acessível, para que ele possa contribuir para uma genuína mudança de atitudes misóginas. Todos nós precisamos fazer as perguntas certas, iniciar uma nova narrativa, reler a história e problematizar certas práticas culturais.

Os crimes de “honra” contra as mulheres estão ligados à construção e reforço da masculinidade e práticas neopatriarcais no Oriente Médio contemporâneo. Acadêmicos como Christopher Browning (1991) e John Dower (1986) explicaram que a masculinidade é freqüentemente usada para desumanizar o “outro”, que neste caso é uma mulher. Nesse sentido, uma das principais questões é a separação altamente politizada entre a esfera pública e a privada.

Esta última é basicamente a extensão da política, mas é construída como uma categoria separada para permitir a divisão do patriarcado entre o estado e a sociedade; patriarcado familiar nos domicílios e patriarcado estatal na esfera pública. As leis atuais no Oriente Médio não lidam seriamente com os crimes cometidos por familiares contra as mulheres, porque são consideradas particulares e não públicas. O binário entre o público e o privado permite que a elite política decida convenientemente o que deve ser deixado à discrição da “família” – cuja estrutura é principalmente patriarcal – e interfere em outros aspectos da vida “privada” por meio de leis, políticas e outras formas indiretas de influência. Na sociedade palestina contemporânea, como em outras partes do Oriente Médio, as mulheres continuam sendo mortas por causa de seu gênero, apesar das mudanças sociopolíticas e da conscientização sobre a igualdade.

Valores, normas e práticas interagem com a cultura e a religião e se incorporam à instituição da vida privada, bem como aos processos culturais e políticos. A literatura e a pesquisa sobre masculinidade e mecanismo relacionados ao poder masculino e às práticas legais indicam padrões duplos claros quando se trata de homens e mulheres. Mesmo que a religião predominante (o Islã neste caso) exija igualdade na punição por adultério, por exemplo, na prática, são apenas as mulheres que são alvejadas por tais atos, em nome da “honra”. De fato, “honra” se torna um termo vago e pouco definido que governa todos os aspectos da vida de uma mulher e a ferramenta pela qual um homem a controla de maneira sistematizada e institucionalizada. Isso inclui pequenos detalhes sobre o que ela veste, como fala e como carrega sua foto no Instagram, além de direitos importantes, como o direito de se casar com a pessoa de sua própria escolha.

1

Israa Al-Gharib [Facebook]

Portanto, temos que desconstruir o patriarcado, para ver como essas práticas evoluíram e se institucionalizaram, e quais forças estavam envolvidas no processo. Para encontrar qualquer solução, precisamos procurar as raízes, ficar atrás das manchetes. Um ponto de partida é examinar os mecanismos discriminatórios que visam mudar ou reformar o comportamento da mulher para ser “culturalmente apropriado”, usando o discurso que cristaliza normas de comportamento contra as quais outro comportamento é julgado.

Alguns desses comportamentos “aceitáveis e apropriados” se concentram na conduta pessoal e pública da mulher, vinculando-a à sua piedade. Cria-se uma narrativa dominante e patriarcal de como é uma mulher piedosa e, portanto, “ideal”. Qualquer coisa que caia fora desses parâmetros é inaceitável, trazendo vergonha para a família, o que significa principalmente os membros da família do sexo masculino, justificando qualquer violência subsequente ao ponto de assassinato. A longo prazo, esse discurso cria discriminação legal e culturalmente aceitável.

A preservação da honra da mulher é um dos aspectos mais importantes na formação e construção do perfil social da família contemporânea do Oriente Médio. O controle e a obsessão pela “família” levaram a justificar e legitimar a violência contra as mulheres como comportamento protetor, e não como ação criminosa.

Desde que a história de Israa foi destacada pela mídia social, muitos desdobramentos ocorreram. Tudo começou com seus amigos compartilhando vídeos de suas histórias no Snapchat. Quando a história se espalhou e levou a uma campanha online, várias narrativas surgiram. Em um vídeo, seu cunhado explica em linguagem muito bizarra e desrespeitosa como Israa estava possuída; em outro, o irmão dela afirma que ele e o pai estavam apenas tentando ajudar Israa a se recuperar. Ninguém tem lógica convincente. Um dos médicos que a tratou deixou claro que ela aparentemente foi vítima de abuso doméstico por um longo tempo.

No entanto, apesar de todas essas narrativas, a coletiva de imprensa liderada pelo procurador-geral da Autoridade Palestina, Akram Khatib, anunciou que três parentes do sexo masculino estavam sendo acusados pelo assassinato de Israa, mas se recusou a considerá-lo um crime de honra. O assassinato foi claramente motivado pelo gênero de Israa e relacionado ao comportamento considerado “vergonhoso” para a família. Ao remover a verdadeira motivação por trás do crime, evita-se tratar da causa mais profunda. Lidar com isso como um assassinato distinto e não como o produto de um sistema patriarcal permite que esses crimes ocorram e até os torna mais fáceis de serem executados.

O caso de Israa nos deixa com várias perguntas: o assassinato dela teria recebido alguma atenção se não fosse destacado nas mídias sociais? Quantas outras meninas continuam sofrendo abuso doméstico enquanto os perpetradores não recebem punição porque não existe um código legal sistematizado para proteger a mulher contra essa violência? Por que não ouvimos nada das mulheres da família de Israa? Mesmo depois dos relatórios oficiais, faltava o testemunho de mulheres. Elas estavam com medo das consequências de se manifestarem ou há uma falta geral de representação feminina no discurso oficial? Essas questões precisam ser abordadas antes de ouvirmos sobre a próximo “Israa” nas mídias sociais.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoOriente MédioPalestina
Show Comments
Engajando o mundo: a elaboração da política externa do Hamas
Show Comments