Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel aplica punição coletiva ilegal a Gaza porque Netanyahu quer mais votos

Um palestino caminha entre os escombros após um ataque aéreo realizado por Israel a Gaza; Em 5 de maio de 2019 [Mohammed Asad / Monitor do Oriente Médio]

Imagine se vizinhos desonestos em sua rua disparassem alguns foguetes de protesto contra o parlamento próximo; você provavelmente não ficaria muito feliz com isso, e haveria indignação nacional, e com razão. A ação contra os perpetradores viria rapidamente.

Não aconteceria, no entanto, qualquer forma de punição coletiva contra todas as pessoas que vivem na rua e nos distritos vizinhos. A força aérea definitivamente não seria chamada para bombardear edifícios residenciais e comunitários na área. E, no entanto, é exatamente isso que Israel fez aos palestinos na Faixa de Gaza. Mais uma vez, devo acrescentar.

Todos os dois milhões de palestinos que vivem na Faixa sitiada estão sendo punidos por Israel pelas ações de uma pequena minoria. Eles agora enfrentam apenas quatro horas de eletricidade por dia, depois que o estado sionista reduziu o número de remessas de diesel pela metade, prejudicando ainda mais o fornecimento de eletricidade já severamente limitado de Gaza.

A punição coletiva de Israel contra os palestinos terá um efeito terrível em hospitais, escolas e outros serviços públicos. É quase certo que levará à perda de vidas entre os doentes, idosos e frágeis, especialmente com a temperatura atual nos anos 30 graus Celsius.

Essa punição imposta a toda uma sociedade mostra muito claramente o que Israel pensa do mais recente cessar-fogo acordado entre o governo de fato em Gaza, comandado pelo Hamas , e por Tel Aviv, após as negociações promovidas pelo Catar, Egito e ONU.

Aqui na Grã-Bretanha, o processo de paz envolvendo diferentes grupos na Irlanda do Norte foi continuamente dificultado pelas ações desonestas de poucos, mas a retaliação militar maciça e devastadora nunca foi considerada uma opção. Nenhum primeiro-ministro britânico ordenou ataques com mísseis contra o oeste de Belfast. Apesar das muitas queixas e injustiças locais, não houve punição coletiva. Outros países ao redor do mundo também se levantaram contra ações desonestas, sem punir todos que vivem num raio de 25 milhas dos perpetradores, nem no pior dos ultrajes.

O porta-voz do Hamas, Abdel Latif Qanou, acusou Israel de exportar sua própria “crise interna” em referência à campanha eleitoral de Benjamin Netanyahu, e há um sentimento entre os observadores do Oriente Médio de que a punição coletiva de Israel sobre os palestinos foi planejada para aumentar o número de votos. ele vai entrar na eleição geral do próximo mês. Qanou descreveu a ação retaliatória de Israel como “contraproducente”.

Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu cumprimenta os partidários em Tel Aviv em 10 de abril de 2019 [Amir Levy/Getty Images]

Resta saber se os mediadores internacionais vão lembrar Israel de manter os termos do mais recente cessar-fogo negociado. Enquanto isso, os protestos pacíficos realizados todas as sextas-feiras desde o final de março do ano passado na fronteira nominal entre a Faixa de Gaza e Israel continuarão, e serão feitos até que o cerco liderado por Israel termine.

Nem todo mundo em Israel está feliz com a punição coletiva pelo estado. Advogados da ONG Gisha, também conhecida como Centro Legal para a Liberdade de Movimento, reagiram com uma carta crítica pedindo a restauração da eletricidade de Gaza. A carta foi enviada a Netanyahu, assim como ao Procurador Geral, Avichai Mandelblit, e ao Coordenador de Atividades Governamentais nos Territórios [palestinos ocupados], Brigadeiro General Kamil Abu Rukun.

A carta deixa claro que os cortes de energia farão com que uma das turbinas da única usina de Gaza pare de operar, o que tornaria a escassez ainda pior, provavelmente até 20 horas por dia. O Catar forneceu combustível para três das quatro turbinas da usina desde o ano passado.

Enquanto os militares israelenses acusam a Jihad Islâmica de disparar os foguetes de Gaza “a serviço do Irã”, seus aviões retaliaram atacando alvos do Hamas, incluindo a sede de um comandante de batalhão. Portanto, Israel não só está realizando punições coletivas, mas também está mirando o governo de fato, qembora reconhepça que este não tem nada a ver com os foguetes disparados na noite de domingo.

O Hamas condenou os foguetes e a resposta militar de Israel, enquanto Abu Rukun zombou do povo de Gaza em uma carta aberta: “A deterioração da estabilidade e os danos à segurança trarão destruição e danos aos moradores de Gaza, que continuam a andar sem luz, e a a culpa é daqueles que estão impondo terror e escuridão à Faixa de Gaza. ”

Os observadores, sem dúvida, acham extraordinário que não apenas a punição coletiva esteja ferindo os dois milhões de habitantes de Gaza, mas o grupo dominante também seja alvo, apesar de não ser responsável pelo lançamento de foguetes contra Israel. Infelizmente, o povo palestino está acostumado a esse tipo de injustiça brutal.

Nos termos da Convenção de Genebra de 1949, a punição coletiva é um crime de guerra: “Nenhuma penalidade geral, pecuniária ou de outra natureza, será infligida à população por conta de atos de indivíduos pelos quais não possam ser considerados solidariamente responsáveis”.

Mais uma vez, os palestinos estão sofrendo com as ações ilegais de seus algozes em Tel Aviv, mas o mundo está silencioso e olhando para outro lado, para que Benjamin Netanyahu possa “provar” que ele é o cara duro em quem os israelenses podem se defender. O fato de que os inocentes devem sofrer para ele angariar votos e ser reeleito provavelmente não signifique nada para o primeiro-ministro criminoso de guerra do Estado pária que é Israel e seus partidários no Ocidente.

 

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOriente MédioPalestine
Show Comments
Show Comments