Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel prende casal filipino com 2 filhas nascidas em Israel para deportação

A família Velasco sendo presa pelas autoridades israelenses. Em 18 de agosto de 2019 [UCI United Children of Israel/Twitter]

A Autoridade de População e Imigração prendeu um casal filipino e suas duas filhas nascidas em Israel na casa da família no domingo de manhã, informa Haaretz.

A prisão faz parte de uma operação para deportar as cuidadoras filipinas que tiveram seus vistos vencidos.

Sheila e Randy Velasko, que vivem em Israel há 20 anos, foram presos junto com suas filhas Kim, 13, e Maureen, 10. As duas meninas, nascidas em Israel, são estudantes da escola Balfour, em Tel Aviv.

Um vídeo gravado no local mostra a família saindo de casa, com malas prontas e se despedindo de seus vizinhos.

O Ministério do Interior planejou deportar cerca de 100 trabalhadores filipinos e seus filhos israelenses neste verão. As mulheres originalmente vieram para Israel legalmente para trabalhar, mas seus vistos não foram renovados depois que deram à luz crianças em Israel. Muitos dos filhos dessas mães filipinas cresceram em Israel e falam apenas hebraico.

Na semana passada, Rosemarie Peres e seu filho Rohan, de 13 anos e de origem israelense, foram deportados. Antes deles, mais dois trabalhadores e seus filhos foram presos e a resolução do caso ainda está pendente.

A deportação de Peres ocorreu apesar de um recurso ainda pendente contra a decisão. Eles apelaram para que a deportação fosse adiada até que todos os procedimentos para cancelá-la fossem esgotados, mas o tribunal de apelações havia aprovado a deportação imediata e a decisão não foi anulada pelo Tribunal Distrital e pela Suprema Corte. Depois que Peres e seu filho deixaram o país, o Tribunal Distrital analisou o recurso em sua ausência e ainda não havia proferido sua decisão.

Peres e seu filho estão processando a Autoridade de População e Imigração em meio milhão de shekels (US $ 140.995), porque foram obrigados a deixar o país sem retirar suas roupas e dinheiro de sua casa.

Segundo a Autoridade da População, dezenas de pessoas devem ser deportadas como parte da operação, mas fontes da comunidade filipina dizem que o número final será muito maior. As mulheres receberam documentos informando que seriam deportadas em julho ou agosto.

Em 2006 e 2010, o governo tomou duas decisões, concedendo status legal aos filhos de trabalhadores estrangeiros. Agora, crianças que não obtiveram status legal na época, devido à sua idade, mas que não foram deportadas e que estudam em escolas israelenses, estão pedindo ao governo para reconhecê-las e não deportá-las para o país de origem de seus pais, onde elas nunca viveram.

Categorias
Ásia & AméricasFilipinasIsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments