Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

1967 não deve ser o único ponto de referência para a presença colonial de Israel

Foto tirada do assentamento israelense de Gilo em Jerusalém, em 17 de abril de 2019 [Thomas Coex/ AFP/ Getty]

Vários políticos israelenses, ao longo dos anos, justificaram a expansão dos assentamentos como sendo necessária para a paz. Os acordos de Oslo facilitaram essa propaganda com um interminável período “interino”, durante o qual a construção dos assentamentos continuou sem obstáculos. A definição de “paz”, por sua vez, foi em grande parte deixada para Israel e os EUA, com a ONU seguindo tacitamente atrás, apesar de sua infinidade de resoluções declarando que os assentamentos são ilegais sob a lei internacional.

A adesão da Autoridade Palestina aos Acordos de Oslo, essencial para salvaguardar sua estrutura e existência, é também um componente-chave em detrimento do povo palestino.

Antes da visita do enviado norte-americano Jared Kushner a Israel, 6 mil novas casas de colonos foram aprovadas para a construção na Área C da Cisjordânia ocupada. Em junho, o embaixador dos EUA em Israel, David Friedman, opinou que Israel “tem o direito de reter alguns, mas provavelmente não todos, da Cisjordânia”. O apoio às violações israelenses continua crescendo graças à intransigência dos EUA e ao silêncio da ONU.

Enquanto isso, a AP ainda está atribuindo sua oposição à construção de assentamentos às tentativas de Israel de “minar a solução de dois estados”. O primeiro-ministro Mohammad Shtayyeh poderia declarar que a construção de assentamentos é um obstáculo à diplomacia internacional que bloqueia a luta anticolonial da Palestina. Esconder-se atrás de tais eufemismos fracos para exaltar a comunidade internacional está prejudicando os palestinos, como Israel espera que isso aconteça.

O porta-voz do presidente Mahmoud Abbas, da Autoridade Palestina, Nabil Abu Rudeineh, também expressou sua oposição aos planos de construção de assentamentos recentemente declarados. “O povo palestino tem o direito de construir em toda a sua terra ocupada em 1967 sem a necessidade de permissão de ninguém. Não daremos legitimidade à construção de uma única pedra nos assentamentos em nossa terra ”.

Tanto a ONU como a AP referem-se a 1967 como o ponto de partida a partir do qual a construção e expansão de assentamentos foi declarada ilegal e uma alegada ameaça à paz. No entanto, essa diferenciação entre o crescimento dos assentamentos a partir de 1967 e os primeiros assentamentos coloniais construídos entre 1948 e 1967 e legitimados pela ONU, quando reconheceu Israel como um Estado, resultou em sérias repercussões para os palestinos. Ao reafirmar a ONU, a AP está promovendo um esquema em que a atual expansão dos assentamentos ainda é a continuidade dos primeiros planos coloniais de Israel para a “Grande Israel”. É devido ao colonialismo colonial anterior, normalizado pela comunidade internacional, que Israel foi capaz de continuar sua expansão contínua e ainda ilegal.

Quando Abu Rudeineh fala em rejeitar a legitimidade dos assentamentos, é pertinente lembrar que a AP, por meio de sua colaboração de segurança com Israel, legitimou muitas violações, muitas vezes mortais, dos direitos palestinos. Nem sequer debateu construtivamente o seu reconhecimento de Israel, que, afinal, é a entidade responsável pelo colonialismo em curso na Palestina histórica. Por que fazer diferença entre as décadas do colonialismo israelense, quando é o próprio processo que deve ser interrompido?

Apesar da hipérbole de tentar dizer – e fracassar – que tem as mesmas aspirações do povo palestino, a AP continua a priorizar as ilusões deixadas pela ONU como “apoio” à sua causa. Os palestinos, conforme afirmou Abu Rudeineh, não comprometerão “direitos garantidos por resoluções de legitimidade internacional”. Essas resoluções são a fração mais fraca do empreendimento colonial que a ONU facilitou e mantém até hoje.

A menos que os direitos dos palestinos sejam decididos pelo próprio povo palestino e depois postos em prática, as discrepâncias sofridas por eles e apoiadas pela AP através de seu investimento político na agenda internacional só levarão a mais despossessão e deslocamento. Não podemos continuar falando de 1967 como o ponto de partida para a colonização da Palestina por Israel.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasBlogBlogs - PoliticsEUAIsraelONUOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestine
Show Comments
Show Comments