Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Sudão diz que protesto de 3 de junho deixou 87 mortos e 168 feridos

Manifestantes sudaneses bloqueiam estradas principais em direção a Khartoum, Sudão, em 3 de junho 2019 [Agência Stringer - Anadolu]

O chefe de um comitê de investigação do Sudão, Fath al-Rahman Saeed, disse no sábado que 87 pessoas foram mortas e 168 ficaram feridas em 3 de junho, quando um protesto foi reprimido violentamente pelas forças de segurança, segundo a Reuters.

Ele relatou que 17 dos mortos estavam na praça ocupada por manifestantes e 48 dos feridos foram atingidos por balas. Segundo ele, alguns seguranças atiraram contra os manifestantes e três policiais violaram ordens das forças que se dirigiram à manifestação. Ele disse ainda que houve uma ordem para chicotear os manifestantes.

O Ministério da Saúde havia calculado o número de mortos em 61, enquanto os médicos da oposição diziam que 127 pessoas foram mortas e 400 ficaram feridas na dispersão.

“Alguns bandidos exploraram este encontro e formaram outro protesto na área conhecida como Columbia, onde ocorreram práticas negativas e ilegais”, disse Saeed. Isso, segundo ele, “tornou-se uma ameaça à segurança, forçando as autoridades a tomar as medidas necessárias para limpar a área”.

Não houve reação imediata a seus comentários pela coalizão de oposição Forças da Liberdade e da Mudança, que está negociando com o conselho militar no poder para finalizar um acordo de transição de três anos até as eleições.

O comitê descobriu que alguns membros da força conjunta encarregada de limpar a área de Columbia “excederam suas obrigações, entraram na praça do protesto… e dispararam pesadamente e aleatoriamente”, levando ao assassinato e ferimento de alguns manifestantes.

Saeed forneceu as patentes e as iniciais de oito oficiais que, segundo ele, foram acusados de crimes contra a humanidade, o que é punível com a morte ou prisão perpétua sob a lei militar. Ele não deu seus nomes completos.

Um general de brigada, referido apenas como A.A.M. mobilizou um grupo de choque das Forças de Apoio Rápido paramilitares, sob as ordens de dois oficiais seniores que não são membros do comando superior do Sudão, e disse-lhes para chicotear os manifestantes, segundo Saeed.

Ele disse que o comitê não descobriu nenhum incidente de estupro, embora os médicos ligados aos direitos humanos, baseados nos EUA, tenham citado a informação de médicos locais de que as mulheres tiveram suas roupas arrancadas e foram estupradas.

Não foi possível para a Reuters verificar independentemente os relatos de estupro. Ativistas dizem que as mulheres sudanesas estão relutantes em dizer publicamente que foram estupradas para evitar qualquer estigma social.

O conselho militar do Sudão, que assumiu o poder depois que o ex-oficial militar Bashir foi deposto, negou anteriormente qualquer estupro.

Massacre no Sudão – Cartoon [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio] 

Categorias
ÁfricaNotíciaSudão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments