Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Militares de Israel negam, mas sabiam das falhas mortais nas regras de fogo aberto em Gaza

Centenas de palestinos se reúnem perto da zona-tampão entre Gaza e Israel na sexta-feira para protestos em andamento desde março do ano passado, em 5 de julho de 2019 [Mohammed Asad / Monitor do Oriente Médio]

O Exército israelense sabiam que seus franco-atiradores estavam matando manifestantes palestinos na Faixa de Gaza ocupada, como resultado de regulamentações sobre fogo aberto que foram posteriormente alteradas, relatou a revista +972.

No início desta semana, a jornalista israelense Carmela Menashe, repórter militar da estação de rádio pública de Israel, revelou que os militares fizeram a mudança quando entenderam que “disparar na metade inferior do corpo acima do joelho levou em muitos casos à morte, mesmo não sendo o objetivo ”.

De acordo com Menashe, os soldados foram instruídos a “atirar abaixo do joelho e acima nos tornozelos”.

Enquanto isso, um oficial sênior disse ao site de notícias israelense Ynet que o objetivo dos atiradores era “não matar, mas ferir, então uma das lições [aprendidas] era sobre o alvo em que eles estavam atirando… No começo nós lhes dissemos para atirar na perna, vimos que isso poderia matar, então dissemos a eles para atirar sob o joelho. Mais tarde fizemos o pedido mais preciso para atirar no tornozelo ”.

Em resposta a esses acontecimentos de ontem, o grupo israelense de direitos humanos B’Tselem declarou que as autoridades agora admitem “que estavam bem conscientes de que as pessoas estavam sendo mortas, mesmo quando o Estado alegava que isso não procedia”.

“Os militares continuaram com sua abordagem de tentativa e erro, ignorando o fato de que vidas humanas estavam em jogo: pessoas cujas vidas foram tomadas e famílias que ficaram permanentemente devastadas”, acrescentou B’Tselem.

As revelações sobre a mudança nas regulamentações, afirmou o grupo de direitos humanos, mostram que “os militares conscientemente optaram por não considerar os que estão do outro lado da cerca como humanos”, uma prática aprovada pela Suprema Corte de Israel.

“Tanto os militares quanto a Corte são responsáveis por essa política criminosa”, concluiu B’Tselem.

Categorias
B'TselemIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestine
Show Comments
Show Comments