Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Igreja Ortodoxa rechaça decisão de tribunal de Israel sobre vendas de propriedades em Jerusalém

Igreja Ortodoxa na cidade antiga de Jerusalém em 16 de setembro de 2013 [Saeed Qaq // Apaimages]

O Patriarcado da Igreja Ortodoxa Grega em Jerusalém rechaçou ontem uma decisão do Supremo Tribunal de Israel contra o recurso que apresentou pedindo a anulação da venda de propriedades negociadas em 2004.

A transação envolve uma propriedade da igreja no Portão de Jaffa, em Jerusalém, e também no bairro muçulmano da cidade sagrada ocupada.

Quando o caso foi tornado público em 2005, o então Patriarca Irenaios foi forçado a deixar o cargo por funcionários ortodoxos gregos e substituído pelo atual Patriarca, Teófilo III. Seu sucessor, desde então, empreendeu uma batalha jurídica para ter as propriedades de volta, argumentando que as transações foram o resultado da corrupção no Patriarcado à época e que um suborno foi pago pela Ateret Cohanim aos funcionários do Patriarcado para promover as vendas.

Com a venda, a propriedade de três locais foi transferida para a Ateret Cohanim, uma organização de colonos de direita que compra casas e terras para assentamentos judaicos ilegais.

A igreja enfatiza, em uma declaração, que continuará sua batalha legal contra as organizações israelenses a fim de anular o acordo, afirmando que buscará ajuda de órgãos legais internacionais. Também se comprometeu a proteger os moradores que vivem nessas propriedades, pois são considerados a linha de frente de defesa contra o negócio.

Na terça-feira, o arcebispo greco-ortodoxo palestino Atallah Hanna descreveu a decisão da Suprema Corte como “ilegal e ilegítima”.

“A tomada das propriedades históricas de Jaffa Gate por organizações extremistas de colonos é uma nova catástrofe para os infortúnios sofridos pelos cristãos nesta Cidade Sagrada”, disse ele em um comunicado, enfatizando que o acordo deve ser cancelado.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestine
Show Comments
Show Comments