Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A tática dos EUA na Síria

Protesto do grupo de campanha anti-guerra fora da Embaixada dos EUA contra ataques aéreos dos EUA na Síria e no Afeganistão em 19 de abril de 2017 em Londres, Inglaterra [Kate Green / Anadolu Agency]

Há vários meses, a questão síria viveu um impasse político e militar. A frente do Idlib (zona desmilitatizada) tem sido a mesma desde o acordo de Sochi , firmado em setembro passado entre a Rússia e a Turquia. A Rússia é incapaz de violar seus termos, pois isso afetaria várias outras questões, especialmente porque Moscou parece precisar mais de Ancara do que o Irã em um futuro próximo, já que a Turquia pode mudar o equilíbrio de poder dentro da zona.

Quanto à retirada dos EUA do leste do Eufrates e a conversa sobre o estabelecimento de uma zona segura, seguida pela intervenção militar turca, estão adormecidas. Isso levou ao fim de toda ação local, regional e internacional na área. A Turquia é incapaz de convencer a Rússia e os EUA a fazer concessões, enquanto parece que Washington e Moscou estão se inclinando a manter os curdos como uma força militar com peso na equação geográfica ao norte da Síria.

Além disso, a abertura política e econômica árabe a Damasco diminuiu muito como resultado da pressão dos EUA sobre o Egito, a Jordânia e o Golfo. Há uma clara desaceleração no processo de negociações na Síria, que começou meses antes de o enviado da ONU, Staffan de Mistura , deixar o cargo no final do ano passado, e que continua. Parece não haver nenhum desejo internacional no horizonte para reiniciar as negociações, devido a condições políticas ainda não cumpridas.

É claro que o destacamento militar da Síria permanecerá o mesmo indefinidamente, e que o eixo russo-iraniano-sírio não poderá mudá-lo. Enquanto isso, Washington parece estar mantendo sua presença estratégica no norte da Síria, independentemente da forma que tome. Isto porque será uma ferramenta forte na implementação de suas medidas políticas e econômicas de sufocamento do regime sírio.

Combina-se a isso a adoção, pelos EUA, de uma estratégia de poder brando (soft power) para exercer pressão sobre o regime sírio, o Irã e a Rússia. Há três níveis para tanto.

No plano político, é evidente, e um lado, a pressão dos EUA e, de outro, dos europeus em relação a alguns países árabes que estão abraçando o regime de Assad. Indícios dessa pressão começaram a aparecer, com a Liga Árabe congelando a idéia de discutir um convite para o regime sírio participar da Cúpula Árabe.

Enquanto isso, os Emirados Árabes Unidos congelaram seu próprio processo de abertura em relação a Damasco, assim como a Jordânia, em certa medida. Diferentes instituições dos EUA também conseguiram convencer o presidente Donald Trump de que uma política de poder brando contra o regime sírio é insuficiente se não houver tropas para proteger o progresso militar obtido.

Ao mesmo tempo, o nível econômico é representado pelas principais sanções asfixiantes sofridas pelo regime sírio. As crises de eletricidade e gás são os maiores exemplos desse impacto, com os EUA conseguindo forçar a Jordânia a congelar sua abertura econômica à Síria. Para conseguir isso, o Adido Comercial dos EUA em Amã reuniu-se com representantes dos setores industrial e comercial e emitiu instruções para limitar o comércio e as contribuições para a reconstrução do Iraque.

O aviso de Washington foi claro: as trocas econômicas violariam as leis relevantes dos EUA e colocariam quem violasse essas leis sob sanções diretas dos EUA. A posição dos EUA foi um alerta para seus aliados na região, pouco antes de seu Congresso aprovar a Lei de Proteção Civil de Caeser Síria que agora pode impor sanções tão poderosas quanto as impostas contra o Irã e a Coréia do Norte.

Finalmente, no nível legal, a ONU testemunhou uma ação acelerada de um tipo sem precedentes nos últimos anos. O Conselho de Segurança reuniu-se há mais de um mês para discutir o uso de armas químicas na Síria, por exemplo.

Embora o Conselho de Segurança não tenha especificado qual a parte responsável pelo uso de armas químicas, vale a pena observar que a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW) tomou medidas para formar uma equipe para determinar a culpabilidade. Esta foi uma questão importante entre os EUA e a Rússia, já que esta última sempre exige que a responsabilidade seja determinada pelo Conselho de Segurança e pelos principais estados membros. Isso inclui a politização da questão. Enquanto isso, Washington, junto com Paris, Londres e Berlim, exige que a parte responsável seja determinada pela OPAQ.

Estas medidas foram seguidas por dois processos que estão sendo apresentados no Tribunal Penal Internacional em Haia contra membros do regime sírio, os primeiros do tipo desde o início da revolução síria. Embora os dois processos tenham sido feitos individualmente por advogados, eles refletem a atmosfera internacional, que está se movendo em direção à adoção do poder brando contra Damasco.

Este artigo apareceu pela primeira vez em árabe em Al-Araby Al-Jadeed em 18 de abril de 2019

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEUAOpiniãoOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments