Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Mesquita no Cairo pede boicote a Suécia e Holanda por queima do Alcorão

1
Mesquita de Al-Azhar no Cairo [Stringer/Agência Anadolu]

Nesta quarta-feira (25), a Mesquita de Al-Azhar, no Cairo, capital do Egito, fez um apelo a países árabes e islâmicos para que boicotem produtos da Holanda e Suécia “em apoio ao Alcorão”.

Em nota, a instituição conclamou uma “postura firme e unificada em apoio ao Livro de Deus … e resposta apropriada a ambos os governos pelo insulto deferido a 1.5 milhão de muçulmanos”.

O comunicado reafirmou que ambos os países protegeram crimes “bárbaros e desprezíveis” de queimas recentes do livro sagrado, por militantes de extrema-direita, sob pretexto da liberdade de expressão.

A mesquita destacou a “necessidade de nações árabes e islâmica de se comprometerem a este boicote e conscientizar crianças, jovens e mulheres sobre a matéria”. O alerta insistiu que “toda relutância ou negligência quanto à pauta é fracasso explícito em aderir a sua religião”.

LEIA: Chefe da Aliança das Civilizações condena ato de queima do Corão na Suécia

“Estes depravados”, acrescentou o comunicado, “não entendem o valor da fé e nada sabem do Islã, mas decidem provocar os muçulmanos ao ofendê-los; ao que parece, não serão capazes de compreender a extensão de nossos valores até que enfrentem implicações financeiras, a única linguagem que verdadeiramente entendem”.

Na segunda-feira (23), Edwin Wagensveld, líder do grupo extremista Pegida – Holanda (da sigla alemão, Europeus Patriotas contra a Islamização do Ocidente) queimou uma cópia do Alcorão na cidade de Haia, três meses após sua prisão por uma manifestação semelhante.

No sábado (21), foi a vez do sueco-dinamarquês Ramus Paludan, do partido de extrema-direita Stram Kurs (Linha Dura), radicado em Copenhagen, que realizou a queima em Estocolmo, perto da embaixada da Turquia, sob escolta policial.

Após a Turquia cancelar visitas ministeriais da Suécia a sua capital, em meio a negociações para que o país escandinavo entre na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), o governo em Estocolmo alegou repúdio a Paludan, mas insistiu defender sua “liberdade de expressão”.

LEIA: Governo da Suécia critica queima do Alcorão, tenta justificar concessão

Categorias
ÁfricaEgitoEuropa & RússiaHolandaNotíciaSuéciaTurquia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments