Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Aboul Gheit, uma história de esperança, talento e liberdade no jornalismo

Mohamed Aboul Gheit [arahmanyusuf/Twitter]
Mohamed Aboul Gheit [arahmanyusuf/Twitter]

A segunda-feira passada trouxe notícias chocantes para a maioria dos jornalistas e ativistas egípcios: Mohamed Aboul Gheit faleceu. O escritor, jornalista investigativo e figura simbólica do 25 de Janeiro de 2011, de 34 anos, sofria há cerca de dois anos de um virulento câncer do estômago.

Aboul Gheit nasceu em 1988 em Assiut, no sul do Egito. A escrita e o jornalismo representavam o amor absoluto de Aboul Gheit, embora ele se formasse na faculdade de medicina.

Ele foi preso durante a revolta egípcia em 2011 e, após sua libertação, criou um blog na web chamado Gedaria, onde seu talento brilhou. Um artigo intitulado “The poor first, sons of dogs”, publicado em seu blog em junho de 2011, chamou a atenção para seu talento. Ele criticou a elite por entrar em conflito por questões culturais e ideológicas, esquecendo as reivindicações dos pobres que se sacrificaram durante a revolução sem ganhar crédito.

A sua escrita erudita permitiu-lhe entrar nos jornais liberais privados egípcios, começando a sua carreira nos diários Al Masry Al Youm e depois Al Shorouk. Logo seus artigos brilharam, ganhando o Prêmio Moustafa Al-Husseiny de melhor artigo de um jovem escritor árabe em 2013 por seu artigo “Como se nada existisse”, sobre as violações da polícia egípcia e a necessidade de reformas.

Um ano depois, recebeu o prêmio Samir Al-Kasir de liberdade de imprensa, concedido pela União Européia por seu artigo “Temporada dos mortos-vivos”, no qual criticava a violência entre a Irmandade Muçulmana e outras oposições egípcias.

Embora Aboul Gheit não tenha se oposto ao golpe militar de 2013, ele foi perseguido pelo novo autoritarismo militar que eliminou a liberdade de imprensa no Egito. Além disso, seu sogro, o professor Sayed Ali Shehab, foi preso e condenado à morte por ingressar na Irmandade Muçulmana, e Aboul Gheit denunciou o autoritarismo e a violência do Estado.

LEIA: Egito tem 60 mil prisioneiros políticos como Alaa Abdelfattah

A nova autoridade militar do Egito então sucumbiu à fantasia pseudocientífica de um dispositivo para tratar vírus, incluindo HIV e HCV, inventado por um especialista militar. Aboul Gheit investigou a história, revelando que o chamado especialista, Ibrahim Abdel Aaty, não tem qualificações científicas e foi processado por alegar ser um profissional médico.

Meses depois, Aboul Gheit fugiu para Londres e ingressou na Al Araby TV. Tornou-se um notável jornalista investigativo internacional em Londres, após anos de estudo e treinamento.

Seu documentário investigativo,  The End User, transmitido pela DW em novembro de 2018, recebeu o prêmio Ricardo Ortega, concedido pela Associação de Correspondentes da ONU. A investigação revelou que 10 países ocidentais quebraram a proibição de armamento no Iêmen, fornecendo armas às partes em conflito.

Outra recompensa para Aboul Gheit foi o Prêmio Fetisov em 2020, que ele recebeu por ter feito uma contribuição destacada para a paz por meio de sua investigação em 2019 que cobriu as redes financeiras das Forças de Apoio Rápido, uma milícia formada pelo sudanês deposto Omar Bashir que cometeu guerra crimes em Darfur e agrediu os manifestantes durante a revolta sudanesa em 2019.

Aboul Gheit nunca esqueceu o Egito, apesar das ameaças de perseguição de sua família lá, especialmente seu sogro, que foi mantido na prisão mesmo depois que o Tribunal de Cassação o absolveu. Várias plataformas de verificação de fatos e jornalismo de soluções, como Matsadaksh, foram fundadas por Aboul Gheit nos últimos anos, formando uma rara janela para uma imprensa livre no Egito de Sisi.

Aboul Gheit foi uma figura inspiradora para a intelligentsia egípcia com seu compromisso com a liberdade e a justiça e seu alinhamento com os pobres. Ele ajudou dezenas de jornalistas egípcios a encontrar treinamento e oportunidades de trabalho para desenvolver suas habilidades e estabelecer uma carreira. Manteve uma distância equitativa de diferentes partidos, mas conquistou o respeito de todos pelo seu profissionalismo, neutralidade e racionalidade.

Aboul Gheit tinha a última esperança antes da morte, para que seu sogro fosse libertado da prisão no Egito para ficar com sua filha, a esposa de Aboul Gheit, que agora está sozinha com seu filho órfão, no exterior.

Dois dias após sua morte, o egípcio Dar Al-Shorouk anunciou a publicação de seu primeiro livro, intitulado “I’m Coming, Light” (Estou chegando, luz).

Em seu livro, Aboul Gheit narrou seu sofrimento com o câncer e sua adesão à esperança até o último dia, e contou suas histórias de busca por uma luz no fim do túnel escuro.

Hoje, seus amigos celebram seu primeiro livro . Eles sentem o espírito de Aboul Gheit e seu sorriso encantador em suas belas palavras. Seu único consolo é que seu amigo, Mohamed Aboul Gheit, foi para a luz e uma vida melhor.

LEIA: A morte de Rayan Oram nos devolveu à vida

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEgitoEuropa & RússiaOpiniãoReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments