Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Fifa rejeita camisa da seleção da Dinamarca sobre de direitos humanos

1
Banners e mascotes da Copa do Mundo são pendurados nos preparativos da Copa do Mundo FIFA 2022 em Doha, Qatar em 05 de novembro de 2022. [Serdar Bıtmez - Agência Anadolu]

A Federação Dinamarquesa de Futebol (DBU) anunciou ontem que a FIFA rejeitou o pedido da Dinamarca para treinar na Copa do Mundo com camisas que exibiam as palavras “direitos humanos para todos”.

Jakob Jensen, diretor da DBU, disse que a entidade que rege o futebol internacional rejeitou o pedido por não permitir mensagens políticas nas camisas.

“Achamos que não há política nisso. Achamos que os direitos humanos são universais e defendemos essa visão”, disse ele à agência de notícias dinamarquesa Ritzau.

“A FIFA tem uma avaliação diferente e, infelizmente, tivemos que levar isso em consideração”, acrescentou.

A FIFA, que proíbe todas as mensagens políticas, pediu às equipes em uma carta na semana passada que ‘se concentrem no futebol’ e não o arrastem ‘para todas as batalhas ideológicas ou políticas’.

Em resposta, a Anistia Internacional criticou a carta, afirmando: “Não entendemos que a FIFA rejeite esta boa e importante iniciativa da DBU”.

LEIA: Copa do Mundo 2022: Exploração do trabalho envergonha todos, não somente o Catar

“A FIFA diz repetidamente que leva os direitos humanos muito a sério e, em 2017, a associação adotou pela primeira vez uma política de direitos humanos, na qual se compromete a respeitar os direitos humanos”.

“Acreditamos, portanto, que é decepcionante que eles rejeitem essa mensagem básica de direitos humanos”.

O Catar deve sediar a Copa do Mundo de 20 de novembro a 18 de dezembro. No entanto, está sob crescente escrutínio e ataque como resultado de seu histórico de direitos humanos.

A Hummel, fabricante de uniformes, disse que diminuiu os detalhes das camisas da Dinamarca para a Copa do Mundo e lançou um uniforme preto como protesto contra o histórico de direitos humanos do Catar antes do torneio.

No mês passado, o emir xeque Tamim Bin Hamad Al Thani, do Catar, criticou a “campanha sem precedentes” de críticas contra o país do Golfo antes da Copa do Mundo.

O ministro das Relações Exteriores do Catar, xeque Mohammed Bin Abdulrahman Al Thani, também denunciou as críticas como “hipocrisia”.

“Acho que algumas pessoas não aceitam que um pequeno país do Oriente Médio seja o anfitrião de um evento tão global”, disse Bin Abdulrahman em entrevista ao jornal Le Monde.

“As razões dadas para boicotar a Copa do Mundo não se somam. Há muita hipocrisia nesses ataques, que ignoram tudo o que conquistamos”, acrescentou.

Categorias
CatarCopa do Mundo Catar 2022DinamarcaEuropa & RússiaFIFANotíciaOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments