Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Atletas egípcios com cartão vermelho pelo governo

1
Torcedores assistem a uma partida de futebol no Cairo, Egito, em 3 de fevereiro de 2022 [Stringer/Agência Anadolu]

Abdel-Rahman Hamdi estava participando de uma luta de boxe nos torneios do Campeonato da República de 2015, socando e desviando dos jabs de seu oponente. Essa luta foi o primeiro passo para realizar seu sonho de se tornar campeão de boxe, na esperança de gravar seu nome entre os grandes esportistas de seu país. Mas um golpe maciço de seu oponente alojado em sua cabeça destruiu todos os seus sonhos, pois ele desmaiou e perdeu a consciência.

Esta foi a última cena da curta carreira esportiva de Abdel-Rahman. Ele sofreu uma concussão que levou a uma hemorragia interna.

A curta jornada de Abdel-Rahman Hamdi não é única. De acordo com a Agência Central Egípcia de Mobilização Pública e Estatística, o Egito perdeu cerca de 350 mil atletas ao longo de uma década, o que equivale a mais de um terço do total de desportistas ativos por vários motivos, de acordo com esta investigação.

Mais de um terço dos atletas do Egito abandonam a carreira por motivos médicos ou financeiros

O artigo (84) da Constituição egípcia afirma que: “Todos têm o direito de praticar esportes. As instituições do Estado e a sociedade devem descobrir atletas talentosos, nutri-los e tomar as medidas necessárias para incentivar a prática do esporte”. Números divulgados por órgãos oficiais egípcios, no entanto, indicam que isso não condiz com a realidade.

Setores esportivos e número de atletas

O boletim anual emitido pela Agência Central de Mobilização Pública e Estatística divide as atividades esportivas no Egito em cinco setores principais: “Clubes afiliados ao governo; clubes afiliados às empresas do setor público; centros juvenis da cidade; centros juvenis da vila e clubes privados”.

Os centros de juventude das aldeias registaram o maior número de desistências de atletas no Egipto durante os últimos dez anos, enquanto os clubes empresariais do sector público foram os únicos que testemunharam um aumento no número de atletas durante o mesmo período, mas apenas por um pequeno percentual de 8%.

Medicina esportiva no Egito

Uma pesquisa realizada em benefício desta investigação, que incluiu 200 atletas aposentados de várias equipes e esportes individuais, mostrou que as principais razões para o abandono da carreira profissional de atletas tem sido o mau estado da medicina esportiva e os baixos retornos financeiros, de acordo com o pesquisa.

Lesões e o mau estado do sistema de medicina esportiva no Egito foram a “primeira razão” que levou 19,1% do total da amostra pesquisada a realmente abandonar sua carreira atlética.

Esse motivo também ficou em segundo lugar na lista de motivos secundários declarados para o abandono, de acordo com 42,6% do total da amostra pesquisada.

A lesão de Abdel-Rahman Hamdi durante aquela partida convenceu seu amigo, Mahmoud Mustafa, a abandonar completamente sua carreira esportiva. Mahmoud participava do mesmo torneio e testemunhou o acidente de Abdel-Rahman. Ele esperou até o fim do dia e decidiu parar de praticar esportes.

O investigador, Ibrahim Gom’aa Ragab, é um supervisor de atividade desportiva. Em 2010, concluiu sua dissertação de mestrado intitulada “Uma avaliação do kit de primeiros socorros disponível para jogadores de futebol em clubes esportivos do Grande Cairo”. Foi publicado pela Faculdade de Educação Física da Universidade de Helwan. O estudo citou pesquisas egípcias e estrangeiras que mostram que 43 a 47 por cento de cada 10 mil atletas sofrem uma variedade de lesões durante a carreira, sem especificar os tipos de lesões e como isso impactou sua carreira ou por quanto tempo.

A tese do doutor Medhat Qassim Abdel-Raziq, “A eficácia da força e flexibilidade no tratamento de lesões comuns e o impacto das lesões no nível de eficiência do sistema imunológico de jogadores de futebol e handebol”, publicada pela Faculdade de Educação Física de Helwan University, explica os tipos mais comuns de lesões esportivas e as taxas de lesões em diferentes esportes.

Ridha Ibrahim é professor da Faculdade de Educação Física e responsável pela reabilitação de atletas lesionados em um dos clubes esportivos do Egito. Ele diz que um dos maiores problemas do setor esportivo egípcio é a falta de unidades dedicadas à medicina esportiva na maioria dos clubes. Ele explica que a equipe de medicina esportiva de qualquer clube deve ser composta por um ortopedista, um fisioterapeuta e um especialista em reabilitação esportiva formado pela Faculdade de Educação Física.

Essas equipes de medicina esportiva estão disponíveis apenas em clubes da primeira divisão, o que é, de acordo com Ridha, uma questão muito perigosa. Ele acredita que os centros juvenis e outros clubes são a maior base de atletas, e a ausência de atendimento médico nessas instalações representa um grande perigo para o futuro dos atletas.

Abdel-Rahman Abdel-Aziz, especialista em lesões desportivas e reabilitação física numa antiga segunda divisão, e actualmente na terceira divisão, concorda com as opiniões do Dr. Ridha Ibrahim. Ele disse que, no ano anterior, trabalhou em um clube da quarta divisão onde foi o único praticante de lesões esportivas da primeira equipe e de todas as equipes de juniores. Quando se mudou para outro clube, ele e outro especialista sozinhos prestaram serviços a todo o clube, sem nenhum médico.

LEIA: As violações trabalhistas nas políticas de emprego das empresas estatais do Egito

Muitos estudos têm mostrado que a prestação de serviços médicos nos diversos setores esportivos do estado está em frangalhos. O pesquisador Mustafa Mohammad Abu Al-Saud, que também é especialista em serviços de ambulância da Organização Egípcia de Ambulâncias, concluiu sua tese de mestrado em 2016 intitulada “Uma Avaliação de Serviços Ambulatoriais na Diretoria de Juventude e Esportes na Província de Faiyum”, e foi publicada no Faculdade de Educação Física da Universidade de Helwan.

A pesquisa de 2010 intitulada “Uma avaliação dos primeiros socorros disponíveis para jogadores de futebol em clubes esportivos no Grande Cairo”, de Ibrahim Gom’aa Ragab, também destacou a deterioração dos principais serviços médicos que devem estar disponíveis na maioria dos clubes esportivos.

O doutor Karim Hanna, diretor técnico e médico do “Centro Especializado de Medicina Esportiva” no Cairo, afiliado ao Ministério da Juventude e Esportes do Egito, disse em entrevista que o centro esportivo onde trabalha é o principal do Egito que examina periodicamente atletas, árbitros e membros do setor esportivo no Egito, mas o centro nunca operou atletas desde sua criação há quinze anos, pois não possui essas capacidades.

Segundo o Dr. Karim, a função do centro tem-se limitado à fisioterapia, reabilitação e tratamentos dentários e, à excepção dos jogadores de futebol da primeira divisão, os atletas não têm outro refúgio para além deste centro ou das unidades de medicina desportiva a ele filiadas na províncias.

Baixo retorno financeiro

Cerca de quinze anos atrás, Mohammad Al-Buhairi tinha dez anos e morava em uma vila rural na província de Gharbia, onde aspirava a ser goleiro de um grande clube, mas, para chegar lá, ele teve que avançar gradualmente nas categorias de base. ligas, passando para a terceira e segunda divisão até acabar como goleiro do Ghazel Shebin Al Kom Club aos trinta anos. Nessa fase, seus sonhos começaram a se desvanecer, pois ele não tinha mais a capacidade de gastar mais dinheiro sem obter retorno. Al-Buhairi afirma que o retorno financeiro ao longo de dez anos de jogo não foi nem mesmo equivalente ao que ele gastou para o transporte de e para seus treinos e partidas.

Quando Ghazel Shebin Al Kom Club foi rebaixado para a terceira divisão em 2013, Al-Buhairi tomou a decisão mais difícil de todos os tempos e deixou de jogar futebol permanentemente para buscar outra carreira.

Os resultados da pesquisa mostraram que o principal motivo pelo qual 13,7% do total da amostra pesquisada deixou de praticar esportes foi o baixo retorno financeiro, que ficou em terceiro lugar entre os principais motivos que levaram a amostra pesquisada a abandonar o esporte como carreira.

O fraco retorno financeiro também superou os outros motivos secundários como “o segundo motivo” que reforçou a decisão dos atletas de desistir, conforme expresso por 43 por cento do total da amostra pesquisada.

Na tentativa de revelar as razões dessa crise financeira vivida pelos atletas no Egito, examinamos os orçamentos governamentais alocados para o esporte ao longo de um período de dez anos, entre 2010 e 2019, que também é o período coberto por esta investigação.

Nosso exame revelou que o orçamento destinado ao esporte nesse período teve um aumento gradual, mas o custo fixo do item “salário dos funcionários” desses orçamentos consumiu quase metade dos orçamentos alocados para todo o setor, ano após ano.

Aprofundando-se no número, o orçamento esportivo do governo vem apresentando uma participação percentual decrescente no total do orçamento geral. Por exemplo, a participação dos esportes no orçamento em 2010 representou 0,6%. Em 2018, essa participação recuou para apenas 0,3%, para aumentar novamente em 2019 para 0,4%.

O valor da libra egípcia em relação ao dólar americano vem apresentando uma queda constante, e isso afeta diretamente o poder de compra do setor na aquisição de bens, serviços e equipamentos necessários para treinar e equipar as equipes, segundo a pesquisadora Salma Hussain, que acredita que os aumentos orçamentais são falsos em termos reais. A taxa de inflação durante esse período teria suprimido o valor real de qualquer aumento no orçamento durante esse período.

O mau estado das disposições da medicina esportiva e a falta de retorno financeiro foram as duas razões mais importantes que levaram os atletas a desistir, além, é claro, de fatores como o mau sistema de apoio, a falta de reconhecimento pelos sacrifícios feitos pelos atletas , o monopólio de alguns clubes desportivos e a falta de igualdade de oportunidades para todos se provarem.

Essas razões, entre outras, levaram cerca de 350.000 atletas a abandonar a carreira no esporte nos últimos dez anos, ou seja, mais de um terço do número total de atletas, conforme dados publicados pela Agência Central Egípcia para Mobilização Pública e Estatística. Isso deixa sem resposta a questão premente de quanto tempo o Egito continuará a perder seus atletas.

Tentamos nos comunicar com o Ministério da Juventude e Esportes do Egito por meio de seu endereço de correspondência oficial para solicitar alguns esclarecimentos sobre as descobertas desta investigação, mas não recebemos resposta às nossas perguntas.

LEIA: Sem deixar rastro: Detenções arbitrárias continuam no Egito

Categorias
ÁfricaEgitoPublicaçõesRelatóriosReportagem
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments