Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Encarregada de negócios israelenses diz que normalização com Turquia avança para próxima fase

O presidente israelense Isaac Herzog e seu colega turco Tayyip Erdogan apertam as mãos durante uma coletiva de imprensa em Ancara, em 9 de março de 2022 [STR/AFP via Getty Images]

Israel e Tuquia estão passando para a próxima fase de e um processo de normalização bem administrado, disse a encarregada de negócios israelense,  Irit Lillian, em Ancara.

“Acredito muito neste processo de normalização porque acho que é um portão que permitiria que as relações entre os dois países realmente alcançassem novos patamares”, disse ela em entrevista exclusiva à Agência Anadolu.

Com o recente anúncio histórico de que os laços diplomáticos completos seriam restaurados pelo envio de embaixadores pela primeira vez em anos, Turquia e Israel abriram as portas para impulsionar a cooperação em várias áreas, da tecnologia ao turismo e das indústrias de defesa à economia.

“Há um espectro muito grande de cooperação em diferentes campos – seja agricultura, água, desertificação – que estão à nossa frente”, disse Lillian.

Embora o volume de comércio entre Turquiae e Israel seja de cerca de US$ 8 bilhões, ela expressou esperança de que o número possa chegar facilmente a US$ 10 bilhões como resultado do processo de normalização.

Tocando no turismo, Lillian disse que mais companhias aéreas israelenses estão voltando para Turkiye com o novo acordo de aviação assinado em julho, acrescentando que os turistas israelenses também retornaram a Turkiye.

Primeira visita ministerial do lado turco

Com o anúncio do restabelecimento das relações diplomáticas gerando expectativas de novos passos em vários campos, Lillian disse que a primeira visita ministerial do lado turco a Israel após o restabelecimento dos laços muito provavelmente se concentrará na cooperação econômica.

“Até onde sabemos, um ministro de alto escalão da Turquia deve liderar uma delegação a Jerusalém”, disse ela, acrescentando que “este ministro será recebido pelo ministro da economia”.

“Acredito que este será o primeiro encontro, mas há mais por vir. Estamos trabalhando nisso.”

Ela disse que o Comitê Econômico Conjunto, que se reuniu pela última vez em 2009, deve se reunir em setembro, ou início de outubro, sob o comando do ministro turco visitante e de seu colega israelense.

 Mecanismo de ‘desconflito’

Lillian, que atua como encarregada de negócios na Turquia desde o início de 2021, acredita que o processo de reconciliação iniciado no ano passado “é um processo que, como parte dele, contém um mecanismo diferente de desconflito”.

Ela enfatizou que, se esse mecanismo de ‘desconflito’ for usado com sabedoria por Israel e Turquia, permitirá que os dois países “contenham crises futuras”.

Saudando os esforços das autoridades turcas e israelenses para o processo, nomeadamente o porta-voz presidencial turco, Ibrahim Kalin, e o vice-ministro das Relações Exteriores turco Sedat Onal, e o subsecretário israelense do Ministério das Relações Exteriores, Lillian respondeu a uma pergunta sobre se um terceiro desempenhou um papel papel de mediador, dizendo que “o processo de reconciliação foi uma decisão de ambos os governos”.

Sobre a nomeação do novo embaixador israelense, ela disse que levaria mais algumas semanas para Israel anunciar o nome da pessoa.

‘Questão palestina cara aos corações da administração turca’

Questionada se a causa palestina teria um impacto negativo nas relações turco-israelenses, Lillian disse explicitamente que elas não “dependem de um terceiro”.

Observando que está bem ciente de que a “questão palestina é muito cara aos corações” do governo turco, ela ressaltou que “é também uma questão muito cara para nós israelenses”.

Comparando as relações bilaterais dos dois países com o casamento, ela disse: “No entanto, não acho que deva haver um terceiro neste casamento”.

“Eu tendo a acreditar que o processo que criamos durante o ano passado é um processo que contém um mecanismo diferente de resolução de conflitos”, disse ela. “E se usarmos esse mecanismo de desconflito com sabedoria, seremos capazes de conter crises futuras.”

Curso de relações e eleições

Com Israel enfrentando suas quintas eleições gerais em três anos em 1º de novembro, Lillian espera que isso não afete negativamente os laços diplomáticos completos recém-restaurados entre Turquia e Israel.

Ela enfatizou que as relações turco-israelenses são antigas e ambos os países conhecem seus “altos e baixos”, acrescentando: “Eu realmente espero que desta vez, estejamos criando relações que sejam mais sólidas e que possamos conter problemas que possam venha a caminho.”

Lillian continuou dizendo que o curso das relações bilaterais “não é uma questão de um governo ou de outro governo”.

Observando que a Turquia também realizará eleições em junho do próximo ano, ela disse que as relações bilaterais não devem depender das decisões dos políticos.

“Não deve ser vinculado a decisões políticas dos dois povos. Deve ser uma base sólida que promova a paz e a estabilidade em nossa região, não importa quem vai liderar um de nossos países”, disse ela.

Questionada se alguma colaboração conjunta em energia está na agenda, Lillian disse que “Israel está muito comprometido com o gasoduto do Mediterrâneo Oriental (EastMed), que é um projeto que planejamos há muitos anos junto com a Grécia, Chipre, Itália, Egito e EUA como parceiros.”

No início deste ano, no entanto, os EUA anunciaram sua decisão de retirar seu apoio ao projeto, que visa transportar gás natural israelense para o mercado europeu através do Mar Mediterrâneo e da Grécia.

Como uma ramificação da guerra da Rússia contra a Ucrânia, Lillian disse que “a demanda por energia, principalmente por gás natural, cresceu tremendamente no ano passado”.

LEIA: Hamas reforça repúdio a normalização entre Turquia e Israel

Categorias
Blogs - PoliticsEuropa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioTurquia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments