Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ongs acusam indústria militar da França de cumplicidade com crimes no Iêmen

1
Protesto contra venda de armas à Arábia Saudita [Campanha contra o Comércio de Armas/Flickr]

Três organizações não-governamentais (ongs) confirmaram nesta quinta-feira (2) registrar um processo em Paris contra três dos principais fabricantes de armas da França, por cumplicidade com crimes de guerra cometidos no Iêmen, após enviar produtos a Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos (EAU). As informações são da agência de notícias Reuters.

A queixa foi registrada pelas seguintes organizações: Centro Europeu de Direitos Humanos e Constitucionais (CEDHC), Associação Mwatana por Direitos Humanos e Sherpa Internacional.

O processo coincide com uma trégua em âmbito nacional entre os rebeldes iemenitas houthis, apoiados pelo Irã, e a coalizão comandada pela Arábia Saudita, que intervém no país. Trata-se da primeira trégua desde 2016, em vigor desde 2 de abril de 2022.

LEIA: Economia saudita ultrapassará US$ 1 tri pela primeira vez, diz FMI

Grupos de direitos humanos denunciam que o apoio tácito da França à coalizão postergou e agravou o conflito, cujo início remete a 2015, quando a monarquia vizinha decidiu interferir contra os houthis, a fim de restaurar o governo aliado, expulso da capital Sanaa.

As ongs registraram seu processo contra a Dassault Aviation, a Thales S.A. e a MBDA France, na esperança de manter o assunto em domínio público, em um contexto no qual Estados Unidos e aliados ocidentais buscam reaproximar-se da monarquia islâmica.

A Dassault Aviation e a MBDA France não comentaram a queixa até então. A Thales S.A. solicitou perguntas por e-mail; contudo, não respondeu.

“Os bombardeios da coalizão causaram terrível destruição no Iêmen”, advertiu Abdulrasheed al-Faqih, diretor executivo do grupo iemenita Mwatana. “Armas produzidas e exportadas por países europeus, sobretudo a França, permitiram esses crimes”.

“Após sete anos de guerra, as incontáveis vítimas no Iêmen merecem uma investigação confiável sobre os responsáveis por tais crimes, incluindo seus cúmplices”, acrescentou.

A promotoria europeia já pondera sobre denúncias semelhantes registradas contra o príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohammed bin Zayed al-Nahyan, seu homólogo saudita, Mohammed bin Salman, e a autoridade aduaneira da França.

A trégua em curso conferiu uma centelha de esperança no Iêmen, assolado por violência e crise socioeconômica, que deixou milhões de pessoas à margem da fome. O armistício também pode oferecer a Riad e seus parceiros uma saída do oneroso conflito — regular fonte de tensões com a Casa Branca.

Categorias
Arábia SauditaEmirados Árabes UnidosEuropa & RússiaFrançaIêmenNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments