Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Congo deportou ex-chefe do Mossad por suspeita de golpe, reporta Haaretz

Yossi Cohen, diretor da agência de espionagem israelense Mossad, em 3 de julho de 2017 [Heidi Levine/AFP/Getty Images]

Yossi Cohen, ex-diretor da agência de espionagem israelense Mossad, foi expulso da República Democrática do Congo em 2019, após suspeitas de conspirar por um golpe de estado contra o presidente do país, revelou nesta terça-feira (17) o jornal Haaretz.

Detalhes de sua visita foram encobertos até então por uma ordem de sigilo deferida pelas autoridades militares de Israel.

Segundo a agência de notícias israelense The Marker, o presidente Felix Tshisekedi ordenou pessoalmente a deportação de Cohen após a terceira visita do oficial israelense ao gabinete congolês, sob circunstâncias “controversas, problemáticas e — alguns diriam — ambíguas”.

Duas das visitas de Cohen foram expostas pela rede Bloomberg, acompanhado de Dan Gertler, bilionário israelense investigado pelo Reino Unido por supostamente pagar propina de US$360 milhões para obter licença de mineração no território africano.

Estados Unidos e da Suíça compartilham das suspeitas sobre Gertler. No final de 2017, todavia, Cohen interveio para revogar sanções da Casa Branca contra o empresário. As restrições foram enfim suspensas nas últimas horas da presidência de Donald Trump.

Segundo a Bloomberg, o presidente congolês jamais convidou Cohen a seu gabinete e foi surpreendido por sua presença reiterada.

A data específica da visita inaugural permanece incerta, mas a segunda ocasião remete a 9 de outubro de 2019, quando Tshisekedi voou no avião presidencial da cidade oriental de Goma à capital Kinshasa. Seu motorista e assessores foram mortos em um suposto acidente em outra aeronave que decolou pouco depois.

Na ocasião, Cohen indagou Tshisekedi sobre a possibilidade de consultar seu antecessor Joseph Kabila sobre assuntos de interesse israelense. Kabila é acusado de receber a propina milionária de Gertler e possui um relacionamento atribulado com Tshisekedi.

LEIA: Congo recupera recursos de petróleo e mineração de bilionário israelense

Kabila e seu pai, Laurent Kabila, governaram o país por quase 25 anos.

Semanas depois, o diretor do Mossad fez sua terceira viagem ao estado africano, para uma reunião não-agendada com o presidente. “Cohen novamente adotou termos vagos sobre a cooperação entre as partes”, afirmou uma fonte. “Tshisekedi perdeu a paciência”.

Segundo o Haaretz: “A certa altura, o presidente congolês pediu a sua equipe que deixasse a sala para falar a sós com Cohen. Após um período breve, Cohen foi mandado diretamente ao aeroporto, sob escolta das forças de segurança, para deixar o país e não retornar”.

“Efetivamente, o diretor do Mossad foi deportado — medida humilhante e sem precedentes —, após uma série de encontros não-agendados”, concluiu o jornal israelense.

Categorias
ÁfricaIsraelNotíciaOriente MédioRepública Democrática do Congo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments