Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O mundo está enfrentando uma nova Guerra Fria

Civis inspecionam o local após um apartamento atingido por bombardeios russos no distrito de Vinograd da capital Kiev, Ucrânia, em 28 de março de 2022 [Metin Aktaş/Agência Anadolu]

A invasão russa da Ucrânia revela claramente que o mundo está testemunhando uma Guerra Fria. A rivalidade entre os EUA e a China também segue o padrão de uma Guerra Fria. Por sua vez, organizações internacionais, como a ONU, passam por uma grande crise e estão se desintegrando, enquanto a ordem mundial, que já sofria de uma grave crise há muitos anos, passou hoje para uma nova etapa com a eclosão da pandemia de covid-19 e a eclosão da guerra russo-ucraniana.

Em um discurso na semana passada, o porta-voz presidencial turco Ibrahim Kalin disse que a crise na Ucrânia está piorando, acrescentando que não há dúvida de que erros mútuos foram cometidos e que os esforços para buscar um novo equilíbrio de poder e cálculos de interesses de curto prazo causará grandes perdas estratégicas e tragédia humana a médio e longo prazo.

“Estamos entrando em uma nova era, uma nova Guerra Fria, os efeitos dessa guerra durarão décadas”, disse. Kalin enfatizou que a Turquia “manterá sua posição equilibrada” e disse que “novos equilíbrios serão formados em todas as áreas, incluindo segurança alimentar, energia, dinâmica geopolítica e alianças regionais”. Ele acrescentou: “A Turquia, nesse estágio crítico, manterá sua posição equilibrada para estabelecer a paz, a estabilidade, a segurança e a justiça, e continuará suas iniciativas multifacetadas”.

LEIA: Rússia nega notícias de que guerra na Ucrânia terminará em 9 de maio

A Rússia, liderada por Vladimir Putin, tornou-se uma séria ameaça à aliança ocidental. O desaparecimento da questão do uso de armas nucleares no início da guerra na Ucrânia da agenda global é um bom desenvolvimento, mas ninguém ignorou a insistência do presidente dos EUA, Joe Biden, em intensificar suas críticas à Rússia e ao Putin, como depois de descrever seu homólogo russo como um “criminoso de guerra”, ele começou a usar a frase “genocídio” ao falar sobre as práticas da Rússia na Ucrânia. Por outro lado, como não é possível para a mente estratégica americana abandonar seu objetivo de limitar a principal competição, a China, e parece que a competição entre as superpotências globais está gradualmente tomando a forma de uma “nova guerra fria com duas frentes”. Em seu artigo conjunto publicado na revista Foreign Policy, especializada em política internacional, os especialistas políticos Mathew Burrows e Robert A. Manning declararam: “Combater uma nova guerra fria de duas frentes significaria gastos militares muito mais altos, grande incerteza pesando sobre a economia global e um desvio do objetivo fundamental do governo Biden de reconstruir os Estados Unidos.” Eles alertaram o governo Biden contra cometer o erro de iniciar uma dupla Guerra Fria na qual enfrenta a Rússia e a China ao mesmo tempo. Em meio a tudo isso, o mundo árabe e islâmico tem os preparativos necessários para enfrentar a fase recém-iniciada? Como essa fase afetará os países muçulmanos que estão se afogando em debates atrasados ​​sobre secularismo, golpes militares, turbulência política e problemas econômicos? Parece que nossa região estará sujeita a enormes tsunamis, e nossos políticos ainda estão tentando manter suas políticas de acordo com a lógica do século passado.

Presidente da Rússia Vladimir Putin reconhece províncias separatistas no leste da Ucrânia [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Infelizmente, nossa região tem poucos líderes que abraçarão coletivamente seu povo e proporão uma nova saída para o novo tsunami que atingirá duramente o mundo inteiro. A situação dos nossos intelectuais não é melhor do que a dos nossos políticos. Não há dúvida de que a era atual está passando por uma grande mudança, que levou à ocorrência de distúrbios sem precedentes em escala global, e seu objetivo é acelerar a transformação da raça humana em uma nova entidade artificial que pode ser dirigida e instruída, tornando-a flexível e capaz de se expandir. Mesmo que as sociedades não sejam completamente exterminadas, elas serão amplamente dilaceradas por todos os lados.

LEIA: Relações entre Rússia e Israel: desafio temporário ou degradação permanente?

É claro que países como Turquia e Catar estão cientes da natureza dessa fase, e não há dúvida de que Catar e Turquia são os países que se destacam globalmente na liderança dos esforços para eliminar os efeitos negativos generalizados da pandemia e da guerra russo-ucraniana em todo o mundo. O presidente Erdogan e o emir do Catar, sheikh Tamim, são conhecidos por destacar repetidamente as injustiças que existem na atual ordem internacional. De fato, a Turquia priorizou a diplomacia para alcançar um cessar-fogo e trazer a paz o mais rápido possível antes e durante a guerra na Ucrânia. Conduziu extensas ligações com os líderes e contribuiu para a realização de reuniões entre os dois lados da crise em Antalya e Istambul, porque as potências globais que atrapalham a diplomacia estão arrastando o mundo à beira de um novo desastre.

Este artigo foi publicado pela primeira vez em árabe na Al-Quds Al-Arabi, em 20 de abril de 2022.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoCoronavírusEuropa & RússiaOpiniãoRússiaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments