Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O pior dos ataques de colonos israelenses em Al Aqsa ainda está por vir

1
Hiba‎‏ Najdi, jornalista de Jerusalém, enfrenta um soldado israelense enquanto cobria sexta-feira eventos, abril de 2022 [Hazem Bader]

Na sexta-feira passada, fiéis muçulmanos foram à Mesquita de Al-Aqsa para realizar sua oração da manhã – oração Fajr – como normalmente. Infelizmente para eles, a ocupação israelense se acostumou a transformar o mês sagrado de Jerusalém em um campo de batalha. É como se todo Ramadã fosse um mês trágico para a cidade de Jerusalém e seu povo. A Mesquita de Al-Aqsa, que é o terceiro local mais sagrado do Islã e o local da ascensão do Profeta, tem sido frequentemente o epicentro dos confrontos entre israelenses e palestinos, como no ano passado, em confrontos entre palestinos e policiais israelenses durante o mês de jejum muçulmano. Isso ajudou a desencadear uma guerra Israel-Gaza de 11 dias que matou mais de 250 palestinos em Gaza

O Ramadã de 2022 testemunhou uma repetição da agressão israelense aos fiéis muçulmanos. Na noite de sexta-feira, os fiéis palestinos insistiram em permanecer na mesquita para impedir que os grupos extremistas entrassem em al-Haram. Sem qualquer provocação, foram subitamente atacados pelas forças de segurança israelenses. De acordo com o Crescente Vermelho, mais de 158 palestinos ficaram feridos nos confrontos que se seguiram com a polícia israelense no complexo da Mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém. Durante o encontro, a polícia israelense invadiu partes do complexo da mesquita disparando granadas sonoras e balas de borracha e prendendo mais de 450 pessoas.

Sondus Ewies é uma jornalista de Jerusalém que cobriu os eventos em Al-Aqsa na última sexta-feira. Ela deu ao MEMO este relato: “Fomos fazer a oração de Fajr na Mesquita de Al-Aqsa como de costume. Então fomos surpreendidos pelas forças de ocupação que invadiram a mesquita. Eles atacaram os fiéis com tiros, gás e balas de borracha .” Ela acrescentou: “As forças de ocupação atacaram jovens e velhos, homens e mulheres, jornalistas e equipes de ambulância, causando muitos ferimentos entre eles. Além disso, infligiram danos generalizados às capelas e pátios da Mesquita de Al-Aqsa, incluindo bibliotecas, serviços públicos, portas e janelas .”

De acordo com ‏‎ Hiba‎‏ Najdi, jornalista de Jerusalém, o ataque israelense de sexta-feira foi mais violento do que o do ano passado. Cobriu muitos eventos em muitos lugares diferentes de Jerusalém, mas os confrontos na Mesquita de Al-Aqsa sempre foram os mais intensamente inflamados. Najdi disse ao MEMO “A ocupação israelense se recusa a aceitar que esta terra seja para os muçulmanos e que a mesquita de Al-Aqsa pertença aos muçulmanos. Quem pode desistir de sua terra ou de sua mesquita sagrada?”

Esses confrontos entre as forças israelenses e o povo palestino na mesquita de Al-Aqsa ocorrem em um momento particularmente sensível, pois o Ramadã coincide com a Páscoa judaica e seus planos de sacrificar animais como parte de seus rituais na mesquita. Em anos anteriores, foram realizadas cerimônias de sacrifício, com aprovação da polícia, em outras áreas da Cidade Velha. Este ano, no entanto, foram feitas ameaças por grupos extremistas de colonos de fazer seus sacrifícios dentro dos pátios da abençoada mesquita de Aqsa. “O objetivo é renovar o sacrifício de Pessach. Sim, essa é a ambição. Todos os anos tentamos nos sacrificar e sermos presos, este ano lançamos este anúncio e houve uma resposta muito impressionante”, disse às notícias do Canal 12 Raphael Morris, chefe do  grupo judeu que se autodenomina Returning to the Mount (Retorno ao Monte).

“Preso? 400 shekel. Preso com uma cabra/cordeiro? 800 NIS. Conseguiu sacrificar? 10.000 NIS .” Esta é uma postagem de uma conta de mídia social do Returning to the Mount. Por muitos anos, o grupo fundamentalista de colonos judeus israelenses defendeu a construção de um “Terceiro Templo Judaico” em al-Haram al-Sharif. Eles trabalharam para reviver seus ritos religiosos e aproximá-los de al-Aqsa. Desde 2015, pelo menos um grupo de colonos extremistas tentou realizar o sacrifício da Páscoa dentro do complexo de Al-Aqsa. Este ano, a campanha de sacrifício ganhou enorme força na mídia palestina e árabe depois que muitos anúncios foram vistos online, chamando os judeus para invadir a Mesquita de Al-Aqsa e oferecer sacrifícios de animais. “Junte-se às tentativas de fazer o sacrifício da Páscoa e receba uma recompensa financeira”, dizia um cartaz. Até agora, suas tentativas sempre falharam devido à firme dissuasão dos habitantes de Jerusalém. Desde sexta-feira, colonos judeus fizeram 15 tentativas malsucedidas de trazer animais para sacrifícios no complexo.

O que aconteceu neste fim de semana é apenas o começo, o pior dos ataques de colonos israelenses à mesquita de Al-Aqsa ainda não começou. Eles, de fato, anunciaram que os próximos ataques teriam pico durante o período de 16 a 21 de abril. A organização Returning to the Mount divulgou amplamente seu convite para participar do que chama de “peregrinação em massa” à Mesquita de Al-Aqsa.

No momento em que escrevo este artigo hoje, domingo, um grande número de forças israelenses já invadiram a Mesquita de Al-Aqsa para abrir caminho para os colonos entrarem na Mesquita de Al-Aqsa e realizarem seus ritos talmúdicos. Mais uma vez, os confrontos eclodiram entre os fiéis e as forças de ocupação. Mais de 19 palestinos ficaram feridos em confrontos com a polícia israelense no complexo da Mesquita de al-Aqsa, em Jerusalém, confirmou o Crescente Vermelho. Depois que mais de 500 colonos entraram nos pátios da Mesquita de Al-Aqsa, a pergunta permanece: para onde os eventos levarão nos próximos dias? Se Al-Aqsa estiver em perigo, Jerusalém, a Cisjordânia, a Faixa de Gaza e o interior palestino estarão todos em chamas. Nesse momento, Israel com toda a sua força militar não será capaz de controlar as chamas porque nesse ponto estaremos testemunhando uma terceira Intifada palestina.

LEIA: Profanação e violência na Mesquita de Al Aqsa: face brutal da limpeza étnica sionista na Palestina

Categorias
EntrevistasIsraelOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments