Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Governo do Iêmen diz que apoia cessar-fogo patrocinado pela ONU para o Ramadã

Uma visão do Departamento de Combate à Desnutrição do Hospital Sabeen com crianças recebendo assistência médica devido à desnutrição, em Sanaa, Iêmen, em 12 de outubro de 2021 [Mohammed Hamoud/Agência Anadolu]
Uma visão do Departamento de Combate à Desnutrição do Hospital Sabeen com crianças recebendo assistência médica devido à desnutrição, em Sanaa, Iêmen, em 12 de outubro de 2021 [Mohammed Hamoud/Agência Anadolu]

O governo iemenita, apoiado pela Arábia Saudita, disse, na sexta-feira (1°), que apoia um cessar-fogo proposto pelas Nações Unidas, que também aliviaria as restrições marítimas e aéreas impostas a áreas controladas pelo movimento Houthi para ajudar a aliviar uma terrível crise humanitária, informou a Reuters.

O enviado especial da ONU, Hans Grundberg, tem se envolvido com partidos em guerra no Iêmen, onde uma coalizão liderada pela Arábia Saudita luta contra os houthis há sete anos, para alcançar uma trégua nacional para o mês de jejum muçulmano do Ramadã, que começa no sábado.

Uma autoridade saudita disse que Riad respondeu positivamente à proposta da ONU. Não ficou imediatamente claro se os houthis alinhados ao Irã concordaram com a trégua, que seria a primeira cessação coordenada das hostilidades desde 2016.

O ministro das Relações Exteriores do governo internacionalmente reconhecido disse que, em resposta a “iniciativas regionais e internacionais pedindo uma trégua”, ele foi orientado a facilitar os arranjos para a libertação de prisioneiros, abrindo o aeroporto de Sanaa e permitindo que navios de combustível atracassem no porto de Hodeidah.

“Na implementação dessa diretriz, anunciamos imediatamente a liberação dos dois primeiros navios de combustível através do porto de Hodeidah”, disse Ahmed Bin Mubarak no Twitter, dizendo que as diretrizes foram emitidas pelo presidente, Abd-Rabbu Mansour Hadi.

Os houthis derrubaram o governo de Hadi da capital, Sanaa, no final de 2014. A coalizão liderada pela Arábia Saudita interveio meses depois em um conflito amplamente visto como uma guerra por procuração entre a Arábia Saudita e o Irã.

A guerra já matou dezenas de milhares e deixou 80 por cento da população dependente de ajuda. A coalizão, que controla os mares e o espaço aéreo do Iêmen, impôs um bloqueio nas áreas controladas pelos houthis, prejudicando severamente o fluxo de bens essenciais, incluindo combustível.

As partes em conflito também estão discutindo uma troca de prisioneiros sob a qual centenas de ambos os lados seriam libertados, incluindo 16 sauditas, três sudaneses e o irmão de Hadi.

A última grande troca de prisioneiros, envolvendo cerca de 1.000 detidos, ocorreu em 2020, como parte das medidas de fortalecimento da confiança acordadas nas últimas negociações de paz realizadas em dezembro de 2018.

LEIA: Mais de 25,5 milhões de iemenitas vivem abaixo da linha da pobreza, diz agência de migração da ONU

Categorias
Arábia SauditaIêmenNotíciaOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments