Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Bebê palestina de 19 meses morre após Israel negar tratamento

1
Fatima al-Masri, de 19 meses de idade, faleceu em Gaza após aguardar cinco meses por uma autorização de Israel para deixar o território sitiado e receber tratamento médio [@solhaberportali/Twitter]

Uma menina de 19 meses de idade faleceu na Faixa de Gaza na última semana, após esperar cinco meses por uma autorização de Israel para deixar o território sitiado e receber cuidados médicos adequados.

Fatima al-Masri foi diagnosticada no último ano com uma abertura no septo cardíaco. Contudo, à espera de uma “reavaliação” das autoridades israelenses perdeu duas consultas médicas nos Hospital al-Makassed em Jerusalém ocupada, em dezembro e fevereiro.

“Eu a amei do fundo do meu coração, queria ter morrido em seu lugar”, declarou seu pai Jalal al-Masri. “Eles diziam sempre que nossos apelos estavam sob ‘avaliação’ e então ela morreu”.

“Sinto como se tivesse morrido também, sem Fatima na minha vida. Nada acaba mais com uma pessoa do que a perda de um filho”, acrescentou Masri. “Estamos sob bloqueio militar, mas não entendo como Israel insistia tanto em dizer que seu caso estava sob ‘avaliação’. Caso quisessem que Fatima fosse tratada, ela seria tratada”.

A morte de Fatima causou repúdio em diversas organizações de direitos humanos.

LEIA: AP recusa-se a suspender restrições sobre entidades beneficentes de Gaza

O Centro al-Mezan para Direitos Humanos manifestou “profundo pesar” e condenou o cerco contra Gaza e as subsequentes restrições ao movimento dos palestinos, “incluindo ao conter acesso de pacientes a hospitais em Jerusalém, Cisjordânia Israel e exterior”

Desde 2006, muitos palestinos perderam suas vidas, dado que Israel recusa-se a emitir licenças médicas para que deixem Gaza. Crianças com câncer eventualmente recebem aval para viajar a Jerusalém, mas seus pais não podem acompanhá-las.

Michael Lynk, relator especial das Nações Unidas para a Palestina, destacou em relatório divulgado na semana passada que a subjugação israelense sobre os territórios palestinos equivale a um regime de apartheid.

Segundo o agente da ONU, o sistema de saúde de Gaza está profundamente vulnerável, “com carência grave de profissionais, equipamentos inadequados e baixo suprimento de remédios”.

Mahmoud Shalabi, gestor de programa da ong Medical Aid Palestina em Gaza, reiterou que o bloqueio “sufoca” o sistema de saúde do território palestino e que as condições se agravaram durante a pandemia.

 LEIA: Catar inaugura hospital de próteses em Gaza

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments