Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A fachada humanitária seletiva de Israel

Um protesto contra os ataques russos à Ucrânia, em Tel Aviv, em 26 de fevereiro de 2022 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

Mais uma vez, Israel se sente no direito de jogar a cartada humanitária, e só os palestinos apontamsua seletividade quando se trata de abrir suas portas aos refugiados. Em fevereiro, o Jerusalem Post informou que dez mil refugiados judeus ucranianos estariam entrando em Israel. A medida foi confirmada pelo Ministério da Imigração de Israel, que afirmou estar “preparado para a imigração emergencial de judeus ucranianos e, em vista da escalada na Ucrânia, o ministério, chefiado pelo ministro Tamano-Shata, está preparando todos os setores para ajudar e absorver qualquer judeu que queira imigrar para Israel.”

“Apelamos aos judeus da Ucrânia para imigrar para Israel – sua casa”, enfatizou o ministério.

Israel não apenas roubou terras do povo palestino por meio da limpeza étnica da Nakba, da expansão colonial em curso e das políticas de apartheid, como agora está convidando os judeus ucranianos a participar de sua violência colonial contra o povo palestino. O objetivo de Israel não é humanitário, é manter uma maioria demográfica, e a atual onda de refugiados está sendo explorada pelo governo israelense, que foi suficientemente claro para diferenciar entre refugiados ucranianos e refugiados judeus ucranianos. Apenas estes últimos são bem-vindos em Israel com plenos direitos. Como o ministro do Interior Ayelet Shaked anunciou esta semana, 25.000 ucranianos não-judeus poderão permanecer em Israel como refugiados, distinguindo assim entre os ucranianos, enquanto ainda impede o direito dos palestinos de retornar à sua terra.

O presidente interino da Agência Judaica, Yaakov Hagoel, chamou a chegada dos judeus ucranianos “uma importante contribuição para o desenvolvimento do Estado de Israel, que hoje o recebe de braços abertos e amor fraterno”. Uma admissão política que é completamente desprovida do verniz humanitário que não encobre a intenção colonizadora de Israel. Isso significa que os refugiados judeus ucranianos que escolhem Israel devem ser reconhecidos como colonos – participantes ativos no projeto colonial sionista com direitos que excedem os dos palestinos que vivem sob o apartheid colonial.

Enquanto isso, a comunidade internacional mantém silêncio sobre décadas de hipocrisia sobre o direito palestino de retorno – propositalmente inerentemente falho para impedir que os palestinos reivindiquem seu lugar na Palestina histórica.

LEIA: Primeiro-ministro de Israel pede que presidente da Ucrânia se renda à Rússia

Os palestinos foram forçados ao status de refugiado perpétuo por Israel e pela Organização das Nações Unidas (ONU), que criou a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina para enclausurar os palestinos deslocados à força no paradigma humanitário planejado. Enquanto o mundo cria um frenesi em torno dos refugiados ucranianos, os palestinos insistem em seu direito de retornar à sua terra há décadas, e a única resposta da comunidade internacional foi elaborar uma resolução não vinculativa falha, fingindo apoiar esse direito, ao mesmo tempo em que defende que o projeto colonial de Israel tenha precedência.

Dado o envolvimento de Israel na questão dos refugiados ucranianos e futuros colonos judeus ucranianos, a comunidade internacional deveria ter desempenhado um papel em lembrar Israel de suas obrigações e forçá-lo a cumprir. O direito político dos palestinos de retornar à sua terra é legítimo e deve ter precedência. O mundo inteiro ofereceu refúgio ucraniano, mas a oferta de Israel não tem nada a ver com questões humanitárias e tudo a ver com manter os palestinos fora.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
BlogBlogs - PoliticsEuropa & RússiaIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaRússiaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments