Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Energia e refugiados: uma crise dentro da outra

Crianças sírias refugiadas se reúnem ao redor do fogo para se aquecer em um acampamento durante a temporada de inverno em Idlib, Síria, em 26 de janeiro de 2022. Civis são forçados a queimar suas roupas para se aquecer à noite, devido às duras condições do inverno [Muhammed Said/Agência Anadolu]

Enquanto a Europa vem testemunhando as graves consequências de sua crise de refugiados há mais de uma década, os políticos anti-imigrantes vêm alimentando as tensões com sua retórica cheia de ódio. A vida da maioria dos refugiados se tornará pior à medida que a Europa enfrenta uma de suas piores crises energéticas em anos. Em um livro recém-publicado – The Rise of Eco-fascism – os escritores discutem a política climática da Frente Nacional na França, Fidesz na Hungria e Rodrigo Duterte nas Filipinas, como variantes desses ‘aceitadores’ climáticos. A leitura desse volume revela duas grandes realidades: que a crise climática que o mundo enfrenta agora levou à ascensão de líderes de extrema direita e, em segundo lugar, como o aumento da energia piorou muito a crise dos refugiados. Essas tendências estão relacionadas?

A situação financeira nos campos de refugiados é mais preocupante devido à crise energética global. De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR, na sigla em inglês), aproximadamente 80 por cento vivem abaixo da linha da pobreza. Eles lutam para pagar suas despesas mensais – das quais aluguel e serviços públicos consomem a maior parte da renda. Em algumas áreas, existe o problema do acesso à energia. As pessoas usam apenas carvão e lenha para aquecer e cozinhar. De acordo com os relatórios da Chatham House Report for the Moving Energy Initiative, na era da revolução da energia verde, especialmente após a pandemia, é vergonhoso que a maioria dos campos dependa de técnicas ineficientes para queimar biomassa, como madeira.

Isso porque emite 4,54 tCO2 por tonelada de óleo equivalente, contra 2,79 tCO2 da queima de uma quantidade equivalente de gás liquefeito de petróleo (GLP). O relatório mostra que o financiamento humanitário de curto prazo e politicamente orientado é inadequado para financiar soluções de energia limpa de longo prazo. Enquanto todas as máquinas de propaganda dizem que estamos mudando da economia baseada no petróleo para a economia verde, por que não podemos ver a mesma transição nos campos de refugiados?

LEIA: Fundação beneficente palestina envia ajuda aos refugiados sírios

Inegavelmente, sem acesso seguro e confiável à energia, pode ser impossível atender às necessidades básicas da vida. Em 2015, enquanto eu trabalhava como repórter na fronteira sírio-turca nos campos de Azaz, uma cidade no noroeste da Síria, as pessoas perdiam em média três refeições por semana, mesmo tendo comida, mas sem combustível para cozinhar. Na semana passada, entrevistei um dos meus antigos colegas da região que disse que “a situação ainda é a mesma e pior em algumas áreas. O custo do combustível é muito alto e os combustíveis à base de madeira agora ameaçam a saúde dos refugiados. Na semana passada, uma criança, de quatro anos, queimou os dois braços enquanto brincava com lenha que sua mãe preparou para cozinhar sopa de lentilhas”.

Ela acrescentou: “Na cidade de Idlib, o ACNUR está aumentando o acesso à energia renovável para 10.000 refugiados e pessoas da comunidade anfitriã. Ao fornecer sistemas de aquecimento de água e eletricidade movidos a energia solar para casas de baixa renda, escolas e centros comunitários, juntamente com a IKEA Foundation, garantem que as pessoas possam viver com dignidade. Mas isso ainda não é suficiente”.

Claramente, os fundos precisam ser aumentados e fornecidos diretamente aos refugiados, comunidades anfitriãs e agências de apoio da ONU.

No ano passado, a Comissão Europeia adotou duas decisões de financiamento, no valor de 560 milhões de euros, para apoiar a educação inclusiva de qualidade para refugiados na Turquia no período de 2021-2023. Com os inacessíveis aumentos dos preços da energia, esse fundo deve ser reavaliado e regulado com condições justas novamente. Mesmo no Reino Unido, as famílias em algumas áreas estão gastando até 66 por cento a mais de seu orçamento em aquecimento. As condições nos campos de refugiados são muito piores do que isso.

É claro que os refugiados vivem uma crise dentro de uma crise. Enquanto os líderes estão tentando salvar o meio ambiente por meio de metas de lavagem verde, um ambiente saudável deve ser fornecido aos refugiados em termos de status, acesso a serviços e oportunidades de subsistência. Nenhuma retórica ou política antirrefugiados salvará o meio ambiente e permitirá que países, ricos e pobres, alcancem sua meta de emissões de CO2 enquadrada no Acordo Climático de Paris da ONU em 2015.

LEIA: Família de imigrantes iemenitas é lançada ao mar por tripulação da fronteira grega

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaONUOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioSíriaTurquia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments