Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Palestinos e ONGs saúdam relatório da Anistia sobre apartheid de Israel

1
Uma manifestante segura uma placa com os dizeres 'Pare o apartheid israelense' durante um protesto em solidariedade aos palestinos, em 15 de maio de 2021 [Wojtek Radwandki/AFP/Getty Images]

O Ministério das Relações Exteriores da Palestina saudou hoje o relatório da Anistia que classificou Israel como um estado de apartheid, pedindo que o Estado de ocupação seja responsabilizado por suas práticas contra os palestinos.

“O relatório é uma afirmação detalhada da cruel realidade de racismo arraigado, exclusão, opressão, colonialismo, apartheid e tentativa de apagamento que o povo palestino sofreu desde a Nakba”, disse o ministério em comunicado.

Ele pediu às Nações Unidas que “atentem às evidências convincentes apresentadas pela Anistia” e responsabilizem “Israel por seus crimes contra o povo palestino, inclusive por meio de sanções”.

Isso ocorreu depois que a Anistia divulgou seu relatório durante uma coletiva de imprensa em Jerusalém Oriental ocupada, em que disse que as políticas de Israel na Cisjordânia ocupada, Negev e além “todas equivalem a um sistema e crime de apartheid”.

O movimento palestino Hamas disse que o relatório mostra a trágica realidade do povo palestino sob ocupação israelense.

“O relatório descreve a verdadeira realidade trágica de nosso povo palestino sob a ocupação [israelense]”, disse o porta-voz do grupo, Hisham Qasem, em um comunicado.

LEIA: Apartheid de Israel na palestina é crime contra a humanidade

O grupo de direitos humanos de Israel B’Tselem, por sua vez, saudou o relatório como uma “grande adição aos relatórios anteriores” sobre as práticas de apartheid de Israel.

“Esse é um passo essencial na luta para mudar essa realidade, em direção a um futuro no qual todas as pessoas que vivem aqui possam desfrutar de justiça, igualdade e respeito por seus direitos humanos”, afirmou em comunicado.

O grupo de direitos humanos criticou as críticas israelenses ao relatório do ministro das Relações Exteriores, Yair Lapi, que o descreveu como “tendencioso e antissemita”.

“Nivelar acusações de antissemitismo contra qualquer pessoa que critique o regime israelense – inclusive contra organizações de direitos humanos – é uma afirmação manipuladora que mina a crucial luta global contra o antissemitismo e ofende a memória de suas vítimas ao longo da história”, disse o B’Tselem.

O B’Tselem publicou seu relatório destacando as práticas de apartheid de Israel no início do ano passado.

Categorias
Anistia InternacionalIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments