Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A AP vê a Palestina através das lentes da colaboração e da segurança de Israel

1
Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina, fala em um vídeo pré-gravado durante a Assembleia Geral das Nações Unidas via transmissão ao vivo em Nova Iorque, EUA, em 24 de setembro de 2021 [Michael Nagle/Bloomberg via Getty Images]

A Autoridade Palestina continua a atrair publicidade negativa e corroer sua própria posição com o povo palestino. As recentes reuniões do líder da AP, Mahmoud Abbas, com o ministro da Defesa israelense, Benny Gantz, não renderam nada além de algumas concessões simbólicas para o povo palestino. Como sempre, isso ocorreu em um cenário de crescente violência estatal e de colonos contra eles. O que a AP chamou de avanço político nada mais é do que uma cortina de fumaça para o fato de Gantz e Abbas terem reiterado seu compromisso com a coordenação de segurança com o Estado de ocupação, que é o que sustenta a AP e a posição de seu presidente.

No domingo passado, o ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, se reuniu com o ministro de Assuntos Civis da AP, Hussein al-Shaikh. “[Nós] discutimos várias questões políticas e bilaterais”, disse Al-Shaikh ao jornal The Times of Israel. “Ressaltei a necessidade de um horizonte político entre as duas partes baseado no direito internacional.”

Dado que o primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, descartou qualquer negociação com a AP e Lapid também descartou alterar os acordos de coalizão do governo israelense quando substituir Bennett como primeiro-ministro em 2023, a última reunião é provavelmente apenas mais um passo para manter a posição da AP. Em outras palavras, a declaração de Al-Shaikh é um jargão infundado, mesmo baseado nas próprias ações da AP que apoiam as violações do direito internacional por parte de Israel. Quando a AP se posicionou e não se retirou depois, enquanto dança ao som dos atores políticos que protegem suas instituições?

O Jerusalem Post citou um diplomata ocidental descrevendo Al-Shaikh como “o tipo de palestino com quem israelenses e americanos podem fazer negócios”. Só isso deveria soar o alarme entre o povo da Palestina ocupada. No momento, a AP tem tanto os EUA quanto Israel torcendo por sua existência, porque fornece benefícios estratégicos para o colonialismo de colonos israelenses. A reunião de Al-Shaikh com Lapid sugere uma extensão do status quo para a AP, e possivelmente um papel mais proeminente para ele dentro da AP, mesmo quando outras facções palestinas estão sendo marginalizadas ainda mais.

LEIA: Confiança ‘unânime’ do Fatah em Abbas destruirá o que resta da Palestina

Com os palestinos extremamente desiludidos com a corrupção da AP e o cumprimento de Israel – o Estado ocupando suas terras e os oprimindo, lembre-se – Abbas não tem outra opção a não ser se apegar ao Estado de ocupação e aos EUA. A alternativa de permitir ao povo uma voz política e escolha democrática simplesmente não está na agenda da AP. Pelo contrário, a coordenação de segurança – também conhecida como colaboração – com os ocupantes continuará sendo uma prioridade. Não é do interesse da AP que as facções políticas marginalizadas tenham chance de ganhar o apoio coletivo do povo palestino. O Hamas, a Jihad Islâmica Palestina e a Frente Popular para a Libertação da Palestina têm sido os principais alvos da repressão da AP contra a dissidência. Isso nos diz ainda mais sobre a posição sombria da AP entre os palestinos e como ela continua falhando em obter apoio popular, particularmente depois que seus serviços de segurança assassinaram o ativista palestino Nizar Banat no ano passado.

A reunião de Al-Shaikh com Lapid é mais uma prova da dissociação da AP da Palestina. Isso prepara o cenário para o próximo passo no roubo da terra, que verá a AP manter relações fúteis com Israel enquanto finge embarcar em iniciativas diplomáticas. A autoridade sediada em Ramallah deve emitir uma declaração deixando claro que, sob o disfarce da diplomacia de dois Estados e da lei internacional, agora vê a questão palestina através das lentes da colaboração com Israel e define a Palestina ocupada como um projeto de coordenação de segurança para manter a ocupação segura e ela própria no poder.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
BlogBlogs - PoliticsIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments