Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O treino da equipe nacional de Gaza para a Copa do Mundo de Futebol de Amputados

Palestine Amputee Football Association

“Eles são a primeira seleção nacional de futebol palestina composta inteiramente por amputados, que perderam seus membros em diferentes circunstâncias infelizes como resultado do cerco israelense”.

A Seleção Palestina para Amputados foi formada em 2019 por Simon Baker, secretário-geral da Federação Europeia de Futebol para Amputados, que trabalha com jogadores amputados ao lado do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) há três anos, ajudando-os a aprimorar suas habilidades através treinamento de alto nível.

A equipe pretende participar da rodada de qualificação asiática, marcada para março, no Irã. Se a equipe tiver sucesso, eles irão para a Copa do Mundo de Futebol para Amputados, programada para ser realizada na Turquia no final de 2022.

Quebrando os estereótipos comuns sobre os deficientes, a equipe treina de muletas e se alonga, corre e dribla com próteses de pernas por três horas todas as quintas-feiras no Estádio Palestino, no enclave palestino, sob a supervisão do CICV.

Legendas das fotos

Discutindo o processo de seleção, Numan, do município de Deir al-Balah, explicou que os 20 melhores jogadores foram selecionados de um grupo de 47 atletas representando cinco clubes de Gaza.

“Os jogadores não deixam que sua deficiência atrapalhe enquanto treinam, eles apenas se concentram em tentar o seu melhor para vencer para representar a Palestina internacionalmente”, disse ele.

“O futebol é um esporte importante e popular aqui em Gaza”, acrescentou Numan. “A maioria dos jogadores costumava jogar futebol em alto padrão antes de perder uma perna, mas desde então eles desenvolveram suas habilidades como qualquer jogador convencional faria treinando”.

“Isso mostra que se você trabalhar duro, tudo pode acontecer. Para alguns desses jogadores, isso mudou suas vidas.”

Na Faixa de Gaza, lesões graves nos membros causadas por munição real são um fardo significativo para o sistema de saúde já sobrecarregado.

Entre 30 de março de 2018 e 31 de julho de 2019, mais de 7.500 palestinos foram feridos por balas reais disparadas por forças israelenses durante os protestos da Grande Marcha de Retorno ao longo da cerca de fronteira que separa Gaza de Israel, de acordo com o Grupo de Saúde do Território Palestino Ocupado; 87% dessas lesões são lesões nos membros e 5% são lesões no abdômen e na pelve.

Entre mais de 6.500 lesões nos membros, 148 resultaram diretamente em amputações, com 122 afetando extremidades inferiores e 26 afetando extremidades superiores, de acordo com as mesmas estatísticas.

Com apenas 16 anos, Abdullah Mukhaimar é o mais jovem da equipe. Depois de perder a perna para uma bomba explosiva plantada por soldados israelenses em 2014 enquanto jogava nas ruas, Abdullah permaneceu isolado em sua casa nos anos seguintes e desistiu de perseguir seus sonhos de se tornar um jogador de futebol profissional.

No entanto, depois de ler online sobre a primeira seleção palestina de futebol de amputados, Abdullah entrou em contato com Numan e se inscreveu imediatamente.

Brincar é importante para o desenvolvimento e bem-estar das crianças em qualquer contexto. A falta de lugares seguros para as crianças brincarem e se sentirem seguras em Gaza é prejudicial ao bem-estar mental e físico das crianças palestinas.

“Ele joga com tanta paixão agora em campo. Ele encontrou uma nova esperança e está compensando os anos que perdeu jogando”.

Classificado como o melhor jogador atual da equipe, Hossam Abu Sultan também perseverou no trauma de perder a perna em 2014, enquanto enfrentava as lutas diárias da vida sob ocupação.

“Hossam era jogador de um dos clubes famosos de Gaza antes de ser baleado na perna durante os protestos da Marcha do Retorno, que teve que ser amputada. Então, ele sofreu psicologicamente até se juntar ao time de futebol para amputados. Agora ele é o melhor e o jogador mais habilidoso do time.”

Isso, diz Numan, foi uma prova da natureza altamente técnica e estratégica do futebol.

Sob a orientação do treinador de Simon Baker, de 55 anos, que também é amputado, 15 treinadores palestinos, 12 árbitros e 80 jogadores amputados foram treinados.

Há disciplina e rotina do treinamento da qual eles também se beneficiam, observou Numan. “É estruturado, é competitivo, não é apenas uma brincadeira no parque.”

“Simon Baker disse uma vez as palavras certas: Lionel Messi precisa das duas pernas para jogar, Cristiano Ronaldo também precisa das duas pernas para jogar. Mas os palestinos são os melhores jogadores com apenas uma perna e muletas”.

Categorias
EntrevistasIsraelOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments