Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Chefe russo da ‘missão de paz’ no Cazaquistão é o mesmo que interveio na Síria e Ucrânia

Veículos militares patrulham as ruas do Cazaquistão, 7 de janeiro de 2022 [ALEXANDR BOGDANOV/AFP/Getty Images]

O general Andrei Serdyukov, indicado pela Rússia para chefiar a “missão de paz” no Cazaquistão, é o mesmo homem que liderou as intervenções do país na região disputada da Crimeia e na guerra civil da Síria, ao longo da última década, segundo informações da imprensa local.

A escolha incitou preocupações de que a situação no país assuma o mesmo trajeto que outras intervenções russas em solo estrangeiro.

O governo cazaque renunciou na última quarta-feira (5), ao decretar “estado de emergência” em escala nacional, após protestos generalizados em Almaty, maior cidade do país centro-asiático, contra o aumento substancial nos preços dos combustíveis.

A situação de segurança se deteriorou em meio a confrontos entre forças do governo e manifestantes armados, sobretudo após o presidente Kassym-Jomart Tokayev outorgar a seus soldados “licença para matar”, sob pretexto de reprimir “terroristas”.

Neste contexto, Tokayev solicitou ajuda de Moscou, com intuito de dissuadir os protestos e estabilizar o país. Foram enviados três mil soldados russos ao Cazaquistão, além de mil oficiais de estados aliados, como Bielorrúsia, Tadjiquistão, Quirguistão e Armênia.

LEIA: Cazaquistão: presidente determina atirar para matar durante tumultos

A intervenção foi coordenada pela Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC), entidade conhecida como “OTAN da Rússia”, que compreende os antigos estados soviéticos.

O general Serdyukov tornou-se notório por comandar a invasão e a anexação da Crimeia, território de jure ucraniano, em 2014, e as operações na Síria, a favor do regime antidemocrático de Bashar al-Assad, a partir de 2019.

Segundo a agência Interfax, a nomeação foi anunciada neste sábado (8) por Igor Konashenkov, porta-voz do Ministério da Defesa. O oficial insistiu ainda que as brigadas e divisões enviadas à missão “passaram por treinamento especial e possuem experiência de combate”.

“A equipe militar que chegou ao Cazaquistão começou imediatamente a cumprir suas tarefas”, acrescentou Konashenkov, ao observar que seus soldados, junto de policiais cazaques, conseguiram assegurar o controle do Aeroporto Internacional de Almaty e outros locais de destaque, como o consulado russo na cidade.

A escolha de Serdyukov como chefe da missão do Kremlin, além da brutal repressão do governo local e a resposta armada de parte da população, instigou receios de que a situação possa escalar a uma guerra civil, como ocorreu na Síria e na Líbia, na última década.

LEIA: Cazaquistão: ONU pede moderação e diálogo em meio à violência que causou mortes

Categorias
CazaquistãoEuropa & RússiaNotíciaOriente MédioRússiaSíriaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments