Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ex-candidato à presidência egípcia teme por sua vida após ataques cibernéticos

Figura proeminente da oposição egípcia baseada em Istambul Ayman Nour, em 24 de novembro de 2020 [Esra Bilgin/Agência Anadolu]

O líder do partido Ghad El-Thawra e ex-candidato presidencial egípcio, Ayman Nour, teme por sua vida depois que seu telefone foi hackeado por dois grupos diferentes. O ativista exilado era um adversário de longa data do falecido ditador Hosni Mubarak e concorreu às eleições presidenciais de 2005 antes de ser preso por três anos. Ele agora dirige a TV Al-Sharq, uma estação de transmissão via satélite da oposição da Turquia, e é um crítico do regime de Abdel Fattah Al-Sisi no Cairo. Ele acredita ter sido alvo de vigilância do governo egípcio por muitos anos, mas dessa vez tem evidências.

O Citizen Lab, o cão de guarda da cibersegurança com sede em Toronto, confirmou que Nour foi alvo de dois spywares: o Pegasus, desenvolvido por Israel, fabricado pela NSO; e Predator, feito por uma empresa com sede na Europa chamada Cytrox. De acordo com o Citizen Lab, o governo do Cairo é um provável cliente da Cytrox. Outro alvo egípcio foi mencionado, um jornalista da oposição exilado que prefere não ser identificado, que também foi hackeado pela Cytrox.

O partido de Nour – Ghad El-Thawra – condena “o envolvimento dos regimes egípcio, saudita e dos Emirados nessas operações repugnantes”. O relatório do Citizen Lab descreve isso como uma violação do direito internacional, dos direitos humanos, da privacidade individual e da liberdade de expressão.

Entrevistei Ayman Nour, que fugiu do Egito após o golpe militar de 2013 que levou Al-Sisi ao poder.

Osama Gaweesh: Quando e como você descobriu que seu telefone estava infectado por spyware?

Ayman Nour: Por muitos anos, tive preocupações sobre o meu telefone ter sido hackeado. No entanto, em 2018, havia indícios sérios disso. Canais de TV egípcios e árabes próximos a governos regionais começaram a transmitir partes de um de meus telefonemas e histórias falsas sobre o assunto, bem como algumas fotos pessoais e coisas do gênero.

Nos últimos anos, as coisas tomaram uma direção dramática. Primeiro, mudei para um iPhone e, em seguida, várias notificações apareceram na tela. Às vezes, o telefone era desligado várias vezes e, em outras ocasiões, ficava muito quente. Ignorei tudo até que a repórter Dana Priest, do Washington Post, me visitou e perguntou se eu tinha alguma preocupação de que meu telefone tivesse sido hackeado. Eu disse que sim.

Imediatamente após minha conversa com Dana, enviei o conteúdo do meu telefone para uma empresa britânica em Londres que entrou em contato com o Citizen Lab. Poucos meses depois, o Citizen Lab confirmou que dois spywares haviam hackeado meu iPhone.

OG: O que você achou disso?

AN: Fiquei muito triste, porque os países árabes estão gastando uma quantia enorme de dinheiro para nada. Eu sou um político egípcio liberal. Não tenho nada a ver com violência ou coisa parecida, e digo o que tenho a dizer em público. Não há explicação ou justificativa para o ataque à minha vida privada dessa forma infeliz e inaceitável, seja legal seja moralmente.

OG: De acordo com o Citizen Lab, o Egito e outros países estiveram envolvidos em ataques cibernéticos. Você sabe quais são os responsáveis por invadir seu telefone?

AN: Eu diria que a Arábia Saudita e os Emirados Árabes são responsáveis pelo spyware Pegasus. Quanto ao spyware Cytrox, acredito que seja a NSO do Egito e de Israel.

OG: Quais são as implicações para sua vida pessoal e profissional desses ataques cibernéticos?

AN: Durante e depois dos hackeamentos de telefone, duas coisas aconteceram: uma estação de TV árabe por satélite transmitiu gravações de voz atribuídas a mim; e um âncora de TV egípcio transmitiu ameaças de morte ao vivo em seu programa, chamando qualquer egípcio que pudesse me localizar para me matar. Isso demonstrou que minha localização a qualquer momento pode ser descoberta.

Recentemente, recebi avisos no meu iPhone mostrando que um sujeito desconhecido estava me monitorando e rastreando minha localização de perto. Senti que minha vida estava em perigo real. Outra notificação de advertência me aconselhou a relatar isso à polícia local. Isso me fez pensar em meu falecido amigo Jamal Khashoggi, o jornalista saudita que foi assassinado dentro do Consulado Saudita em Istambul em 2 de outubro de 2018.

Captura de tela do iPhone de Nour mostrando uma notificação de aviso aconselhando-o a entrar em contato com a polícia local

Captura de tela do iPhone de Nour mostrando uma notificação de aviso sobre um sujeito desconhecido que o acompanha de perto

OG: O relatório Citizen Lap mencionou outro jornalista exilado visado pelo mesmo software espião que você. Enquanto diretor de uma estação de TV via satélite, como você descreve a maneira como o regime egípcio lida com os jornalistas?

AN: Os regimes autoritários sempre trataram todos com um ponto de vista diferente como oponente; eles consideram todo oponente um membro da Irmandade Muçulmana; e todo membro da Fraternidade como um terrorista que não tem o direito de expressar seus pensamentos e merece ser preso ou morto. O regime egípcio continuará visando jornalistas no exterior e prendendo jornalistas no Egito.

OG: Que ação legal você planeja tomar?

AN: Em uma coletiva de imprensa na primeira semana de janeiro, anunciarei uma ação legal contra as empresas de spyware que produziram e venderam esse software prejudicial a muitos regimes autoritários, permitindo-lhes alvejar dissidentes, jornalistas e políticos em todo o mundo. Acredito que essa seja a hora de todas as democracias e os políticos do mundo todo se unirem contra a produção e a venda desse tipo de software.

LEIA: Egito condena líder em exercício da Irmandade Muçulmana a prisão perpétua

Categorias
ÁfricaEgitoEntrevistas
Show Comments
Show Comments