Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Descubra a Babilônia, no Iraque

Ao contrário do Egito, lar das pirâmides de Gizé, ou da Itália, onde o coliseu se destaca em toda a sua força e glória, o Iraque não está no topo da lista mundial de destinos turísticos

Ao contrário do Egito, lar das pirâmides de Gizé, ou Itália, onde o coliseu se destaca em toda a sua força e glória, o Iraque não está no topo da lista mundial de destinos turísticos. Quase duas décadas de guerra e instabilidade deixaram o país e seus tesouros históricos e arqueológicos fora do alcance da maioria. Os sítios antigos do Iraque, no entanto, não são menos excepcionais ou impressionantes do que os monumentos de civilizações antigas mais visitados do mundo.

O país dilacerado pela guerra é o lar de uma das primeiras e maiores cidades imperiais do mundo e talvez onde a própria civilização urbana nasceu. A antiga cidade de Babilônia, localizada a 85 km da atual Bagdá, foi a sede de algumas das civilizações mais poderosas do mundo antigo. Com uma história que remonta a cerca de 4.000 anos, foi a cidade mais importante da Mesopotâmia, o berço da civilização e onde foram lançadas as bases para os conceitos de governo, religião e literatura.

A antiga cidade murada da Babilônia ganhou destaque durante o reinado de Hammurabi, o rei da Mesopotâmia conhecido pela primeira lei escrita do mundo. Da Babilônia, que significa Portão dos Deuses, ele governou um império que se estendia pela maior parte da Mesopotâmia. Mas foi sob Nabucodonosor II, o segundo e maior rei do Império Neo-Babilônico, que a Babilônia alcançou a glória.

Os visitantes caminham por um portal no sítio arqueológico da antiga Babilônia, cerca de 100 km ao sul da capital iraquiana, em 14 de novembro de 2020 [Assaad Al-Niyazi/AFP via Getty Images]

Os visitantes caminham por um portal no sítio arqueológico da antiga Babilônia, cerca de 100 km ao sul da capital iraquiana, em 14 de novembro de 2020 [Assaad Al-Niyazi/AFP via Getty Images]

Embora as narrativas bíblicas retratem a Babilônia como uma cidade de maldade, o antigo reino era um centro de aprendizado, cultura, escrita, arte e comércio. Também é considerada a primeira metrópole do mundo antigo a atingir uma população de cerca de 200.000.

A cidade outrora poderosa é mais famosa pelos lendários Jardins Suspensos da Babilônia, uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo. De acordo com a lenda, Nabucodonosor II ordenou a construção desses exuberantes jardins em terraço como um presente para sua esposa, a rainha Amytis, para imitar os vales verdes da Pérsia e lembrá-la de sua terra natal. Arqueólogos, no entanto, refutam que os Jardins Suspensos ficavam na própria Babilônia, enquanto outros duvidam que os jardins tenham existido na escala descrita pela lenda, se é que existiram.

Descubra o Museu de Arte Islâmica, na Malásia

Cartão de tabaco colecionável ilustrado vintage da série Wonders of the Past publicada em 1926 pela H O Wills Cigarettes, uma das lendárias Sete Maravilhas do Mundo, os Jardins Suspensos da Babilônia [Nextrecord Archives/Getty Images]

Cartão de tabaco colecionável ilustrado vintage da série Wonders of the Past publicada em 1926 pela H O Wills Cigarettes, uma das lendárias Sete Maravilhas do Mundo, os Jardins Suspensos da Babilônia [Nextrecord Archives/Getty Images]

A cidade também é conhecida pela Torre de Babel, uma torre lendária que diziam tocar o céu.

Mas talvez a característica mais marcante da Babilônia seja o magnífico Portão de Ishtar, uma entrada monumental de tijolos queimados com vidros azuis construída por Nabucodonosor II por volta de 575 aC como parte de uma grande procissão murada que leva à cidade. O portão foi dedicado à deusa babilônica Ishtar e decorado com animais selvagens e criaturas míticas de significado religioso. Era o oitavo portão para a cidade interna de Babilônia, que era cercada por poderosas paredes de tijolos de barro, considerada uma das Sete Maravilhas do Mundo originais.

Depois que o arqueólogo alemão Robert Koldewey começou a escavar na cidade de Babilônia em 1899, uma notável montagem de seus achados viu a criação de uma reconstrução em tamanho real do segmento frontal do portão do Museu Pergamon em Berlim, que permanece em exibição até hoje. O governo do Iraque pediu repetidamente à Alemanha para devolver o portão, sem sucesso.

Muitas peças da Via Processional e painéis da fachada do portão escavado no início do século 20 também foram vendidos a museus de todo o mundo onde podem ser vistos hoje.

O ex-líder iraquiano Saddam Hussein restaurou o local e reconstruiu grande parte da Babilônia em cima de suas antigas ruínas, incluindo uma réplica menor do Portão de Ishtar. Ele também construiu um palácio impressionante em uma colina com vista para a cidade antiga, que ele reconstruiu em uma tentativa de conectar o Iraque à sua história antiga.

Muitos dos tijolos do local estavam estampados com a declaração: “No reinado do vitorioso Saddam Hussein, o presidente da República, que Deus o mantenha guardião do grande Iraque e renovador de seu renascimento e construtor de sua grande civilização, a reconstrução da grande cidade da Babilônia foi feita em 1987”.

Uma foto tirada em 29 de junho de 2019 mostra uma réplica do Portão de Ishtar no antigo sítio arqueológico da Babilônia, ao sul da capital iraquiana, Bagdá [Hussein Faleh/AFP via Getty Images]

Uma foto tirada em 29 de junho de 2019 mostra uma réplica do Portão de Ishtar no antigo sítio arqueológico da Babilônia, ao sul da capital iraquiana, Bagdá [Hussein Faleh/AFP via Getty Images]

Antes da invasão do Iraque pelos Estados Unidos em 2003, a Babilônia era um dos locais mais visitados do país. As forças dos EUA deixaram um rastro de destruição em muitos dos locais históricos do Iraque, incluindo danos à Babilônia e a reprodução do Portão de Ishtar. Depois que os fuzileiros navais dos EUA construíram um heliporto nas ruínas da Babilônia, o telhado de um dos edifícios desabou devido às vibrações causadas por helicópteros americanos. Soldados também encheram seus sacos de areia com fragmentos arqueológicos do local, enquanto muitos artefatos foram saqueados e vendidos no mercado negro.

O castelo de Saddam também foi transformado em um centro de comando, e a maioria das paredes internas do castelo foram vandalizadas e cobertas de pichações por soldados americanos e iraquianos que vagavam pelo local.

Descubra Jeddah Al-Balad, na Arábia Saudita

A invasão dos Estados Unidos em 2003 também interrompeu o Festival Internacional da Babilônia, uma mostra regional de dança, música e artes tradicionais que foi realizada pela primeira vez no local em 1985. Após quase duas décadas de guerra e conflitos sectários, o festival voltou ao Iraque pela primeira vez em 2021, com uma série de apresentações e eventos que atraiu representantes de mais de 50 países.

Enquanto o Iraque continua a lutar contra a instabilidade política, a queda econômica e uma tremenda falta de segurança, Babilônia, a cidade das maravilhas e uma vez a capital de um poderoso império, perdura, assim como muitas das estruturas históricas e magníficas do Iraque.

Veja outros destinos em nossas séries para aprender mais sobre o patrimônio e a cultura do Oriente Médio e Norte da África.

Categorias
Destinos: Descubra o Oriente MédioIraqueOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments