Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

“Ataques israelenses não vão tirar nossas esperanças”, diz estudante de Gaza formada dias após morte de sua família

Universidade Islâmica de Gaza (IUG) realiza uma cerimônia especial de graduação na casa de Zainab Al-Kulak depois que ela perdeu a maioria de seus familiares em um ataque aéreo israelense em maio de 2021 [Equipe de Relações Públicas / IUG]
Universidade Islâmica de Gaza (IUG) realiza uma cerimônia especial de graduação na casa de Zainab Al-Kulak depois que ela perdeu a maioria de seus familiares em um ataque aéreo israelense em maio de 2021 [Equipe de Relações Públicas / IUG]

No domingo, 16 de maio, na escuridão da noite, entre a meia-noite e o amanhecer, Shukri Al-Kulak, de 51 anos, e sua filha de 22 anos estavam sob os escombros de sua casa.

Shukri tentou ir até sua mãe de 83 anos para ajudar a ressuscitá-la, enquanto sua filha Zainab estava presa em um espaço entre os escombros e tentava freneticamente usar o telefone para obter ajuda. A casa delas acabara de ser alvo de aviões de guerra israelenses.

O ataque veio após protestos em massa em toda a Cisjordânia ocupada, Jerusalém Oriental e pelos cidadãos palestinos de Israel como resultado dos planos do estado de ocupação de expulsar os residentes palestinos do bairro Sheikh Jarrah para dar lugar aos colonos. Palestinos em todos os territórios ocupados se uniram contra a decisão, e Israel atacou Gaza.

O pesado bombardeio de Israel no sitiado enclave costeiro custou a vida de 260 palestinos, incluindo pelo menos 129 civis, dos quais 66 eram crianças, de acordo com um relatório das Nações Unidas.

A família Al-Kulak mudou-se para o bairro de Remal, na atual Faixa de Gaza, anos antes de Israel ser criado. Localizada a três quilômetros do centro da cidade, esta área residencial é um dos poucos bairros nobres do enclave e um destino de compras para os habitantes de Gaza.

LEIA: Estudante palestina segue os passos de seu pai encarcerado por Israel

“Os aviões de guerra israelenses devastaram duas casas adjacentes inteiramente na cabeça de seus habitantes sem aviso prévio, embora não haja nenhum alvo militar nas proximidades”, disse Shukri ao Monitor do Oriente Médio, negando as alegações do exército de ocupação de que fornece aos palestinos um aviso de poucos minutos para desocupar as propriedades usando a prática de “bater no telhado”; jogar dispositivos não explosivos ou de baixo rendimento nos telhados de casas de civis selecionados momentos antes de um ataque iminente.

Mais tarde, as equipes de resgate estimaram que cerca de trinta membros da família foram mortos. Apenas seis sobreviveram. Eles passaram treze horas sob as ruínas do prédio de vários andares demolido. Os falecidos incluíam seis mulheres, oito crianças e um bebê.

“Sofremos traumas. Nossos corpos estremecem de medo quando ouvimos qualquer voz alta nas proximidades e visualizamos imagens de nossos parentes ao redor”, explica Shukri.

Sem sinais de um inquérito internacional sobre crimes de guerra, o número de mortes civis como resultado desta guerra testemunha a impunidade de Israel. “Entramos com um processo contra a ocupação israelense e exigimos responsabilização dos perpetradores israelenses do massacre”, acrescenta Shukri.

Poucos dias após o ataque fatal, Zainab fez seus exames finais no Departamento de Inglês da Universidade Islâmica de Gaza (IUG). “Prometi à minha família que iria em frente e obteria meu diploma”, diz ela.

ASSISTA: MEMO conversa com os autores de Sem Caminho para Gaza

Apesar de ter passado, Zainab se sentiu incapaz de comemorar seu sucesso e comparecer à cerimônia de formatura, então a Faculdade de Letras da universidade realizou um serviço especial na casa alugada da família, em homenagem a sua resiliência.

O vice-reitor da Faculdade de Ciências Humanas, Dr. Usama Hammad, disse que era “parte do dever humanitário da universidade para com a família Al-Kulak” planejar uma festa única em sua casa. “O objetivo era celebrar a notável resiliência e as realizações excepcionais da jovem, alcançadas na sequência de uma terrível tragédia.”

Tendo recentemente se apresentado como voluntária em uma organização de direitos humanos com sede em Gaza, Zainab está empenhada em falar em defesa das vítimas palestinas dos ataques israelenses.

“É impossível para alguém seguir em frente depois de perder entes queridos … a maioria dos meus parentes está no paraíso agora, mas perder a vida não significa perder a esperança.”

O professor Akram Sobhi Habeeb de Gaza contribuiu para este artigo.

LEIA: Muna El-Kurd, ícone em Jerusalém, fala da luta de Sheikh Jarrah em discurso de formatura

Categorias
EntrevistasIsraelOriente MédioPalestinaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments