Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Rússia critica EUA por ameaçar escalada diplomática com o Irã

Mikhail Ulyanov, embaixador da Rússia para a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), deixa hotel em Viena, capital da Áustria, em meio às negociações nucleares entre Irã e potências globais, 7 de maio de 2021 [Askin Kiyagan/Agência Anadolu]
Mikhail Ulyanov, embaixador da Rússia para a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), deixa hotel em Viena, capital da Áustria, em meio às negociações nucleares entre Irã e potências globais, 7 de maio de 2021 [Askin Kiyagan/Agência Anadolu]

Nesta sexta-feira (26), a Rússia repreendeu os Estados Unidos por ameaçarem uma escalada diplomática com o Irã na Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), no próximo mês.

Washington busca pressionar a república islâmica a melhorar sua cooperação com o órgão de monitoramento das Nações Unidas, sob risco de prejudicar o diálogo abrangente para ressuscitar o acordo nuclear iraniano, assinado em 2015.

A Casa Branca ameaçou confrontar Teerã, caso não haja concessões em alguma das disputas sobre seu programa nuclear; em particular, a recusa em permitir que a AIEA restabeleça câmeras em uma instalação supostamente sabotada em meados de junho.

“Creio que isso demonstra que nossos amigos americanos perderam a paciência, mas penso que todos nós temos de controlar nossas emoções”, afirmou Mikhail Ulyanov, embaixador russo para a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

“Eu não recebo bem essa declaração em particular da delegação americana”, acrescentou durante coletiva de imprensa junto de sua contraparte chinesa. “Isso não ajuda”.

LEIA: Reino Unido considera Israel “preocupante” quanto aos direitos humanos

Conversas indiretas entre Washington e Teerã devem ser retomadas na segunda-feira (29), após cinco meses de hiato, que coincidiu com a posse do presidente linha-dura Ebrahim Raisi.

O acordo de 2015 previa o fim de sanções contra o regime iraniano em troca de restrições sobre suas atividades nucleares. Três anos depois, contudo, o então presidente americano Donald Trump abandonou o tratado e restituiu duras sanções contra o Irã.

Teerã respondeu ao romper uma série de restrições e reduzir o tempo necessário para obter material enriquecido a ser utilizado para uma eventual bomba atômica.

O governo iraniano nega motivações armamentistas.

“Os Estados Unidos não negociaram por tempo suficiente e se esqueceram que os iranianos não fazem nada sob pressão”, prosseguiu Ulyanov. “Em caso de pressão, haverá resistência”.

Categorias
AIEAEuropa & RússiaIrãNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioRússia
Show Comments
Show Comments