Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Etiópia limita informações divulgadas sobre a guerra no país

Soldados etíopes patrulham as ruas da cidade de Mekelle, na região do Tigré, norte da Etiópia, após ser capturada pelas forças nacionais, em 7 de março de 2021 [Minasse Wondimu Hailu/Agência Anadolu]
Soldados etíopes patrulham as ruas da cidade de Mekelle, na região do Tigré, norte da Etiópia, após ser capturada pelas forças nacionais, em 7 de março de 2021 [Minasse Wondimu Hailu/Agência Anadolu]

A Etiópia anunciou novas restrições ao compartilhamento de informações concernentes à guerra no norte do país, segundo informações da agência Reuters. Conforme a medida, apenas o governo central pode divulgar atualizações sobre os eventos em campo.

“Disseminar informações sobre manobras, atualizações e resultados do fronte via qualquer mídia é proibido”, salvo concedidas pelo comando civil-militar incumbido de monitorar o “estado de emergência”, declarou na quinta-feira (25) o serviço de comunicação do governo.

O conflito entre o governo central e forças rebeldes da região do Tigré, norte da Etiópia, deflagrou-se em novembro do último ano.

A declaração não especificou, no entanto, as implicações das novas regras, sobretudo a jornalistas e agências que cobrem a guerra. Por exemplo, não há consequências previstas para quem publicar informações de fontes não-autorizadas.

A agência Reuters tentou contactar o serviço de regulação de mídia do regime etíope; entretanto, até então, não recebeu resposta.

Na sexta-feira (26), Bilene Seyoum, porta-voz do primeiro-ministro Abiy Ahmed, afirmou à Reuters: “O estado de emergência proíbe entidades não-autorizadas de disseminar atividades do fronte via diversos canais, incluindo média”. Porém, sem conceder detalhes.

Neste ano, o parlamento etíope designou a Frente Popular de Libertação do Tigré, movimento que controla grande parte da região, como “organização terrorista”.

LEIA: Emirados enviam armas à Etiópia, segundo reportagem da Al Jazeera

Em seu novo decreto, o governo instruiu também “todos aqueles que usam a liberdade de expressão como pretexto … para apoiar o grupo terrorista a evitar fazê-lo”.

Ao tomar posse, em 2018, o premiê Ahmed supervisionou uma série de reformas, incluindo a retomada das operações de mais de 250 órgãos de imprensa, libertação de dezenas de jornalistas encarcerados e revogação de leis regulatórias altamente controversas.

Contudo, grupos de direitos humanos denunciam que a liberdade de expressão erodiu exponencialmente desde então, à medida que o governo passou a enfrentar surtos de violência e conflito, incluindo no estado setentrional do Tigré e regiões vizinhas.

Ao menos 38 jornalistas e profissionais de mídia foram detidos desde 2020, a maioria após deflagrar-se a disputa militar, segundo estimativas da Reuters.

Em maio, questionado sobre as prisões, o serviço de regulação de mídia do regime etíope argumentou, porém, que a “liberdade de expressão e proteção da imprensa são valores sacros, consagrados por nossa constituição”.

Categorias
ÁfricaEtiópiaNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments