Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Descubra Meidan Emam, Irã

A grandiosidade e a beleza do Isfahan é melhor refletida no antigo ditado persa 'Isfahan nesfe Jahan', que significa 'Isfahan é metade do mundo'.

O Irã, conhecido historicamente como Pérsia, é o lar de uma das civilizações mais antigas do mundo, que se estende até o quarto milênio a.C., quando o antigo Reino Elamita foi formado. O país do Oriente Médio foi também a sede do Império Persa, a primeira superpotência do mundo fundada por volta de 550 a.C. por Ciro, o Grande, que uniu a Mesopotâmia, o Vale do Nilo do Egito e o Vale do Indo da Índia sob seu domínio. Ele foi o primeiro monarca a adquirir o título real persa de ‘Xá’.

A islamização do Irã começou com a conquista árabe e muçulmana do Império Sassânida, a última dinastia imperial persa, no século VII d.C. A região logo se tornou um importante centro de cultura islâmica, erudição e aprendizado durante a Idade de Ouro Islâmica. Foi somente no século XV que a Dinastia Safavid governou o Irã e converteu o país em xiita, marcando um ponto de virada na história do Irã e estabelecendo as bases da história e identidade modernas iranianas.

ASSISTA: Descubra Jeddah Al-Balad, na Arábia Saudita

Em 1598, o 5º Safavid Shah Abbas o Grande mudou a capital da Pérsia de Qazvin para a cidade mais central de Isfahan, tornando-a o centro do Império Safavid. Durante seu reinado, ele construiu uma grande quantidade de palácios, mesquitas, jardins e monumentos na cidade, que desde então se tornou um ícone de realização arquitetônica e continua sendo um exemplo proeminente da arquitetura perso-islâmica.

A imponência e a beleza da cidade se refletem melhor no antigo ditado persa “Isfahan nesfe Jahan”, que significa “Isfahan é metade do mundo”. O principal destaque da beleza arquitetônica da cidade é Meidan Emam, uma praça pública no coração da cidade histórica e uma das maiores praças da cidade no mundo. Construída por Shah Abbas I no início do século 17, o local indicado pela UNESCO é cercado por várias obras-primas arquitetônicas da era Safavid que continuam a dominar seu perímetro hoje.

Foto de fevereiro de 2000 mostra a Praça do Imã e a mesquita do Imã em Isfahan, 250 km ao sul de Teerã [VERONIQUE RUGGIRELLO/AFP via Getty Images].

No lado sul da praça está a Mesquita Real, a jóia da coroa da transformação do Shah Abbas I de Isfahan. A Mesquita Shah é definida por azulejos de mosaico de sete cores, inscrições caligráficas e quatro imponentes iwans, portões de torres persas decorados com faixas caligráficas e desenhos geométricos. A mesquita substituiria a muito mais antiga Mesquita Jameh, também designada como Patrimônio Mundial da UNESCO, na realização das orações congregacionais de sexta-feira.

No lado oriental da praça encontra-se um lugar de culto menor, embora extraordinário. Reconhecida por não ter minaretes, a Mesquita do Sheikh Lotfollah foi projetada como uma mesquita particular para a corte real. Além de sua magnífica entrada, a característica mais proeminente da mesquita é sua cúpula marcante, coberta de azulejos coloridos como é costume nas cúpulas persas.

Em frente à Mesquita Sheikh Lotfollah fica o Palácio Ali Qapu, uma residência real dos imperadores Safavid e o lugar que receberam e entreteram nobres e embaixadores. Originalmente projetado como uma vasta entrada para o grande palácio, Ali Qapu é composto pela palavra árabe “Ali”, que significa exaltado, e a palavra túrquica “Qapu”, que significa portal. Os Safavids escolheram o nome do palácio para rivalizar com o otomano ‘Bab-i Ali’, ou ‘Sublime Porte’, usado em referência ao palácio do Grande Vizir.

O magnífico Pórtico do século XVII do Qaisariya, no lado norte da praça, leva ao abobadado Bazar de Isfahan, com 2 km de extensão. O mercado é um dos mais antigos e maiores bazares do Oriente Médio, pontilhado de dezenas de pequenas lojas que vendem artesanato persa, souvenirs e artigos artesanais.

Também conhecida como Praça Naqsh-e Jahan, que significa ‘Imagem do Mundo’, a praça real de Isfahan apresenta um centro simbólico da vida sócio-cultural persa durante a dinastia Safavid com a residência imperial com vista para o mercado e para a mesquita real. Hoje, tanto os locais quanto os turistas se reúnem em torno da vasta fonte, no centro da praça. Muitos optam por caminhadas relaxantes ou piqueniques sobre o gramado que circunda a água, enquanto outros preferem montar uma carruagem puxada a cavalo contra o grande pano de fundo destes notáveis monumentos históricos.

Os turistas iranianos tiram uma fotografia de si mesmos enquanto cavalgam pela praça Naqsh-e-Jahan em uma carruagem puxada a cavalo em Isfahan, Irã, em 27 de agosto de 2015 [Simon Dawson/Bloomberg via Getty Images].

Categorias
Destinos: Descubra o Oriente MédioIrãOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments